ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

"Modernização", justifica governo sobre estudo de jornada de trabalho

Projeto foi anunciado nesta sexta-feira (8), pela Secretaria Estadual de Administração

Por Gustavo Bonotto e Gabriela Couto | 08/03/2024 23:25
Servidor público registra presença no trabalho através da biometria. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Servidor público registra presença no trabalho através da biometria. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Como justificativa ao grupo que vai estudar a jornada de trabalho dos servidores estaduais para apresentar soluções relacionadas ao controle da jornada, o governo cita a modernização dos processos de trabalho.

Anunciado nesta sexta-feira (8), a reportagem questionou diversos pontos do texto publicado em diário oficial, assinado pelo titular da SAD (Secretaria Estadual de Administração), Frederico Felini, como a previsão da instalação do ponto eletrônico. De acordo com a nota enviada, o estudo deve analisar todas as 47 carreiras em exercício antes de "cravar" uma data.

"[...] Estamos estudando a implantação do teletrabalho e na gestão de desempenho dos servidores o que tem mais sentido para eficiência do serviço público, assim como todas as necessidades dos cidadãos, que estão aumentando. O processo vai garantir o que o servidor tem feito nesse tempo, ou seja, quais entregas ele tem realizado para a população", explica a pasta.

Sobre denúncias de não cumprimento de jornada, a administração diz acompanhar presenças e ausências dos servidores com controle de frequência. "Quando um servidor não cumpre a sua jornada de trabalho e não justifica sua ausência, essa falta é descontada da sua remuneração e aberto processo administrativo para a apuração dos fatos e aplicação das penalidades cabíveis".

Conforme noticiado, o Estado fez uma compra de pontos eletrônicos para todos os órgãos do Executivo em 2017. Na ocasião foram licitados 573 aparelhos no valor médio de R$ 472,66 cada. Mas a primeira tentativa de contratação foi deserta no mesmo ano e, depois disso, o processo foi “fracassado” para adequações.

"[...] Somando isso à amplitude e às especificidades dos serviços na esfera pública, hoje talvez esteja mais claro o que queremos, um sistema que possibilite tanto a contagem do tempo de trabalho efetivo como os resultados advindos desse tempo nos próximos 180 dias", finaliza a SAD.

Receba as principais notícias do Estado pelo celular. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News no WhatsApp e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias