ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

MS registra 10 feminicídios e crime de ódio contra a mulher aumenta 66%

No mês da mulher, Renata, Dayane e Gilvanda foram assassinadas pelo irmão, marido e ex, respectivamente

Por Aline dos Santos | 29/03/2024 09:37
As vítimas de feminicídio. Na primeira fileira: Mayara, Renata, Dayane, Gilvanda e Marta. Na segunda fileira: Gisely, Joelma, Gisieli e Luciene.
As vítimas de feminicídio. Na primeira fileira: Mayara, Renata, Dayane, Gilvanda e Marta. Na segunda fileira: Gisely, Joelma, Gisieli e Luciene.

A dois dias do fim do mês que se comemora o Dia Internacional da Mulher, Mato Grosso do Sul já registra dez feminicídios, crime de ódio contra as mulheres. O número é 66% maior do que no mesmo período do ano passado. Em 2023, entre janeiro e março, o total foi de seis mortes.

Conforme as estatísticas da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública), em 2024, foram três crimes em janeiro, quatro em fevereiro e três em março. No ano passado, os dados são de duas mortes em janeiro, duas em fevereiro e duas em março.

Nesta jornada de violência e dor, se entrelaçam as histórias de Renata, Dayane, Gilvanda, Marta, Gisely, Gisieli, Joelma, Mayara, Maria e Luciene.

Na noite de 22 de março, em Campo Grande, as vítimas foram Renata Andrade de Campos Widal, de 39 anos, e Dayane Xavier da Silva, de 29 anos. Renata foi morta pela irmão João Bosco Campos Widal, de 36 anos, no Jardim Centenário. A vítima levou pedradas,  além de ser quase degolada com serrote.

Dayane foi esfaqueada pelo marido Thiago Echeverria Ribeiro, de 28 anos. O crime aconteceu no Bairro Nova Campo Grande. Os dois homens estão presos.

Gilvanda de Paula e Silva, de 42 anos, foi perseguida e assassinada pelo ex-companheiro dentro de um carro, na manhã de 21 de março, quando chegava a um velório. O crime aconteceu em Três Lagoas.  Após ser preso, Pedro Henrique Amaral, de 26 anos, disse que havia ingerido bebidas alcoólicas, quando decidiu seguir a vítima e a matou a tiros.

Em 21 de janeiro, Marta Leila Silva Neto, de 37 anos, foi assassinada a facadas no distrito de Silviolândia, em Coxim. O marido Sipriano Nascimento de Oliveira, de 52 anos, foi preso.

Gisely Duarte Galeano, de 35 anos, morreu no dia 28 de fevereiro, em Dourados, depois de sofrer aborto e passar dez dias internada após ser espancada pelo marido. O crime aconteceu em Bela Vista, na fronteira com o Paraguai. As agressões foram tantas que Gisely sofreu derrame cerebral encefálico. O marido Fernando Chucarro Dias, de 35 anos, está preso desde 3 de março.

No dia 24 de fevereiro, Gisieli de Souza, de 28 anos, morreu após ser esfaqueada pelo próprio irmão. Giovani de Souza, de 25 anos, acabou preso em flagrante. O crime aconteceu em Dourados.

Dias antes, em 21 de fevereiro, a vítima de feminicídio foi a diarista Joelma da Silva André, de 33 anos. Foram nove facadas, sendo três no rosto, cinco nas costas e uma no tórax, onde a faca ficou cravada. O crime aconteceu no Bairro Indubrasil, em Campo Grande. O ex-marido Leonardo da Silva Lima, de 37 anos, foi preso pelo feminicídio. Os filhos viram a mãe ser assassinada.

Mayara Almodin Aran Florenciano, de 29 anos, foi morta na madrugada de 11 de fevereiro, em Nioaque. O ex-namorado Diego de Souza Mendonça, de 26 anos, foi preso pelo feminicídio.

Maria Rodrigues da Silva, de 66 anos, foi morta pelo ex-marido no dia 12 de janeiro, em São Gabriel do Oeste. O homem golpeou a mulher com faca na região torácica. O corpo ficou caído numa esquina.

No dia 3 de janeiro, em Sidrolândia, Luciene Braga Morale, 50 anos, foi morta no primeiro caso de feminicídio registrado em 2024 . Ela chegou ao hospital da cidade morta e com sinais de espancamento. O marido Airton Barbosa Louriano, 45 anos, foi preso.

A violência nossa de cada dia – Só neste ano, de janeiro a março, foram 10 feminicídios em MS. Durante todo o ano de 2023, 30 mulheres foram assassinadas no Estado.

O duro retrato que aponta para o machismo estrutural, quando as dinâmicas da violência acontecem de forma generalizada e não apenas em localidades específicas.

"Os resultados sugerem que existem elementos culturais em nosso Estado associados ao feminicídio e à violência doméstica contra a mulher, ou seja, esse tipo de violência não acontece em casos isolados ou localizados, mas apresenta-se como expressões de uma estrutura cultural (e mental) mais ampla, decantada entre as pessoas e em suas práticas cotidianas. Presumivelmente, a violência contra a mulher faz parte de uma estrutura cultural que existe em Mato Grosso do Sul”, afirma Asher Brum, professor doutor do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), em dossiê sobre feminicídio divulgado pela Justiça em 2022.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias