ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 

Cidades

Nos finais de semana, igrejas e templos podem funcionar até às 20 horas

Atividades religiosas foram incluídas como essenciais após rascunho do decreto "vazar"

Por Ana Paula Chuva | 10/03/2021 16:29
Fieis durante reunião em igreja evangélica no ano passado. (Foto: Marcos Maluf | Arquivo)
Fieis durante reunião em igreja evangélica no ano passado. (Foto: Marcos Maluf | Arquivo)

Incluídas na nova versão do decreto do governo estadual, publicada em edição extra do Diário Oficial desta quarta-feira (10), as atividades religiosas podem acontecer desde que respeitem as medidas de biossegurança já impostas pela pandemia da covid-19.

No rascunho, as igrejas e templos religiosos não estavam inclusos como essenciais e por isso não poderiam funcionar após às 16h nos finais de semana, no entanto na versão publicada hoje o setor foi liberado.

Com isso, as atividades religiosas estão liberadas para funcionamento até às 20h, quando começa o toque de recolher. Caso não fossem incluídas como atividades essenciais, o funcionamento aos fins de semana seria limitado ate às 16h tanto no sábado como no domingo.

Mas é para abrir as portas, as igrejas e templos devem respeitar o limite máximo de 50% da capacidade do local, respeitando a distância mínima de 1,5 metro entre as pessoas, além de manter o uso obrigatório de máscaras e disponibilização de álcool para higienização das mãos.

O decreto entra em vigor no próximo domingo (14) e tem validade de 14 dias, ou seja, até dia 27 de março. As novas medidas foram definidas em encontro do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) com o secretariado, técnicos da Saúde e representantes da Segurança Pública, na tarde de ontem (9).

Vale lembrar que, durante o toque de recolher, ou seja, das 20h às 5h só poderão funcionar os serviços de saúde, os serviços de transporte, os serviços de alimentação por meio de delivery, as farmácias/drogarias, as funerárias, os postos de gasolinas e as indústrias e os supermercados e similares, exceto lojas de conveniência.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário