ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Presidente de Câmara terá de depor em inquérito 3 anos após execução de vereador

Depoimento estava marcado para acontecer na DHPP nesta tarde, mas foi adiado

Por Anahi Zurutuza | 23/02/2024 19:40
Vereador sendo socorrido após levar tiros e cair dentro de concessionária (Foto: Direto das Ruas)
Vereador sendo socorrido após levar tiros e cair dentro de concessionária (Foto: Direto das Ruas)

O atual presidente da Câmara de Ponta Porã, Agnaldo Pereira Lima, o “Miudinho”, do PSDB, foi chamado para depor no inquérito sobre o assassinato do vereador Farid Afif (antigo DEM). O depoimento será tomado quase três anos depois da execução.

Farid Afif (DEM) foi morto aos 37 anos, no fim da tarde de uma sexta-feira, dia 8 de outubro de 2021, em frente à Discautol de Ponta Porã. O vereador pedalava pelas ruas do município, como ele mesmo publicou em sua conta pessoal em rede social, momentos antes. Ele foi atingido por tiros de pistola .45 no dia do aniversário da filha caçula.

Agnaldo Miudinho era suplente de Afif e assumiu o posto na Câmara após a morte. Ele foi eleito presidente da Casa de Leis no ano passado.

Vereador Agnaldo Miudinho durante discurso na Câmara de Ponta Porã (Foto: Divulgação)
Vereador Agnaldo Miudinho durante discurso na Câmara de Ponta Porã (Foto: Divulgação)

Não há detalhes sobre o porquê a investigação convocou o parlamentar para depor, se como testemunha ou se há algum indício da participação dele na morte. Ele, contudo, seria ouvido na DHPP (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio e de Proteção à Pessoa), em Campo Grande, na tarde desta sexta-feira (23).

O Campo Grande News apurou ainda que por meio de advogado, o vereador pediu para reagendar o depoimento. Nesta tarde, ele realmente estava na Capital, em agenda na Governadoria.

A reportagem tentou falar com Agnaldo, que não atendeu às ligações e nem respondeu a contato por mensagem. A delegacia especializada da Capital foi procurada, mas não quis comentar o caso.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias