ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  19    CAMPO GRANDE 16º

Cidades

Quem se omite deve ser punido, diz pai de Henry sobre morte de menina em MS

Ele soube de morte de menina em MS e questiona rede de atendimento

Maristela Brunetto | 01/02/2023 15:24
Pai de Henry defende que poder público aposte em divulgação da lei. (Foto: Arquivo pessoal/ Instagram)
Pai de Henry defende que poder público aposte em divulgação da lei. (Foto: Arquivo pessoal/ Instagram)

Leniel Borel, engenheiro de 38 anos, tornou-se conhecido no Brasil todo em março de 2021 em circunstâncias trágicas, quando o filho Henry, de 4 anos, morreu e a ex-mulher Monique Medeiros e o namorado dela, o vereador Jairo Souza Santos Júnior, foram presos e respondem pelo assassinato da criança, que já chegou sem vida no hospital. O drama pessoal acabou tornando o carioca em um ativista e porta-voz da lei aprovada pelo Congresso Nacional levando o nome do filho dele – a Lei nº 14.344. A norma, vigente desde maio de 2022, prevê mecanismos de proteção às crianças e punições às omissões no dever de dar segurança a elas.

Borel soube da morte da criança de 2 anos em Campo Grande, ocorrida na quinta-feira passada em situações semelhantes. “Trinta vezes na UPA?”, questionou sobre o histórico que acabou vindo à tona no dia da morte, demonstrando que já tinha lido reportagens sobre o tema. Ele contou que muitas pessoas marcam-no em reportagens ou enviam informações a ele quando o assunto é violência contra crianças.

Ele se solidarizou com Jean Carlos Ocampos, de 28 anos, pai da menina, e novamente questionou: “o tanto que ele falou e o que adiantou?”. Borel suspeita que o preconceito possa ter contribuído para a pouca atenção dada em toda a via crucis que Ocampos relatou ter enfrentado, já que ele vive uma relação homoafetiva.

Ocampos contou que esteve no Conselho Tutelar mais de uma vez, foi à Defensoria Pública pedir ajuda para obter a guarda, duas vezes registrou boletins de ocorrência, uma movimentação que se estendeu ao longo do ano de 2022 e não foi capaz de permitir um ambiente seguro para a menina. Ele imaginava que conseguiria uma medida protetiva, como prevê a Lei Henry Borel, para tirar a filha da casa da mãe, que está presa junto com o padrasto.

Borel explica que no caso da morte do filho, tudo aconteceu muito rápido. O menino e a mãe passaram a morar com o ex-vereador e quando ele começou a perceber alguma alteração no comportamento do filho, questionar à mãe, já ocorreu a morte. Ele relata que chegou a ser acusado por ela de tentar fazer alienação parental quando começou a pedir esclarecimentos.

Punir omissos - O engenheiro defende que não basta condenar os agressores. Ele acredita que o grande mérito da lei é prever punição para as pessoas que poderiam ter interferido na rede de proteção e foram omissas, contribuindo para um desfecho trágico. Ele argumenta que a agressão não começa de forma extremada, ela vai escalando ao longo do tempo, daí ser essencial as pessoas que atendem a criança, familiares e vizinhos tomarem atitude. No caso pessoal, ele acredita que também poderia ter salvado o filho se pessoas do entorno e que sabiam tivessem dado o alerta.

Ele diz que luta para fazer a lei ser mais conhecida e a rede de proteção mais eficiente. Nesse sentido, conta que aproveita as oportunidades para falar com juízes, promotores, delegados, policiais. A omissão produz morte, resume.

Para ele, por ser uma lei recente, é preciso empenho do poder público em torná-la conhecida, capacitar os funcionários públicos que atuam com as crianças. Borel acredita que ainda são poucas as iniciativas, esperava ver mais debate. Sentindo no dia a dia o vazio que não tem volta, ele defende que é preciso ação e prevenção para salvar outras crianças, o que não foi possível com o filho Henry.

Lei Henry Borel – A Lei nº 14.344/22 prevê que as informações das crianças sejam registradas e haja compartilhamento dos dados na rede de atendimento; o chamado sistema de garantia tem o dever de mapear e interferir nas situações de violência; os serviços de saúde e segurança devem atuar articulados; devem ser adotadas medidas protetivas - como prisão de agressor, afastamento do lar, colocação da criança em outra família -, cabíveis tanto na esfera policial quanto judicial.

A lei ainda criou dois crimes, um que pune a pessoa que não cumpriu a medida protetiva imposta, com pena de 3 meses a 2 anos, e o outro, que Borel considera um grande avanço, que pune quem se omite.

A pessoa que deixa de comunicar violência que toma conhecimento pode ser punida com pena de 6 meses a 3 anos de detenção, podendo aumentar em metade quando a criança ou adolescente tiver sofrido lesão grave, ou triplicada quando ocorrer morte. Há ainda a pena em dobro se quem se omitiu foi um familiar, responsável ou tutor.

A lei também prevê a adoção de medidas de segurança para proteger quem denunciar, além de compensações.

Nos siga no Google Notícias