ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Ré por fraude “se livrou” da prisão há 1 mês, mas foi pega dirigindo embriagada

Roberta de Souza abriu empresa de fachada usando a mãe como "laranja", segundo investigação do Gecoc

Por Anahi Zurutuza | 02/05/2024 19:17

Investigada na terceira fase da Operação Tromper, ex-servidora da Prefeitura de Sidrolândia, Roberta de Souza, de 41 anos, “se livrou” da prisão no dia 3 de abril, quando sete alvos foram levados para a cadeia. Mas, nesta quarta-feira, dia 1º, menos de um mês após receber o Gaeco (Grupo de Atuação Especial) em casa, ela acabou presa por outro motivo: foi pega dirigindo sob visível estado de embriaguez.

Conforme boletim de ocorrência, Roberta chamou a atenção da Polícia Militar porque dirigia em zigue-zague. “Diante da suspeita do condutor estar conduzindo o veículo sob influência de bebida alcoólica, a equipe de serviço realizou a abordagem ao automóvel no cruzamento da Avenida Dorvalino dos Santos com a Rua Rio de Janeiro, quando foi verificada a identidade da motorista como sendo Roberta de Souza, a qual apresentava fortes sinais de embriaguez alcoólica, tais como: odor etílico, falta de equilíbrio e fala alterada”, conta no registro.

Os policiais que fizeram o flagrante, na tarde de ontem, anotaram ainda que a motorista negou-se a fazer o teste do bafômetro e por isso, foi lavrado termo de constatação de embriaguez. A mulher recebeu voz de prisão, foi levada para a Delegacia de Sidrolândia, enquanto o veículo foi removido do local.

O Campo Grande News apurou que ela pagou fiança e foi solta, mas não se sabe por quanto tempo a ex-servidora “experimentou” a prisão.

Envolvimento em fraudes – Conforme a apuração do Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), Roberta tinha cargo de “chefe de setor” na Prefeitura de Sidrolândia e trabalhava na rodoviária da cidade. Ela, contudo, foi cooptada por grupo responsável por fraudes em licitações para obtenção de lucros milionários com contratos públicos e abriu empresa de fachada colocando a mãe como laranja, a Do Carmo Comércios e Serviços, empresa que oferece de lavagem de carros a construção de prédios.

Aberto em janeiro de 2022, o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Física) diz que a principal atividade da firma é o comércio varejista de equipamentos e suprimentos de informática. Mas, o leque de atendimento da Do Carmo é extenso. Há, por exemplo, "lavagem, lubrificação e polimento de veículos automotores"; "serviços de pintura de edifícios em geral"; "instalação de portas, janelas, tetos, divisórias e armários embutidos de qualquer material; e "construção de edifícios".

Para o Gecoc e o Gaeco, tudo não passa de fachada para fraudar licitações e facilitar a conquista de contratados por outra empresa no topo da cadeia, a Rocamora Negócios Empresariais.

No dia 3 de abril, o vereador por Campo Grande, Cláudio Jordão de Almeida Serra, o "Claudinho Serra" (PSDB), apontado como o líder do esquema, e outros seis foram para a prisão, enquanto a casa onde Roberta vive com a mãe era vasculhada. Com ordem judicial em mãos, equipes do Gaeco e Batalhão de Choque ficaram responsáveis pelo trabalho na residência.

“Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão, oriundo da 3ª fase da Operação Tromper, constatou-se que o local escolhido para sediar a empresa, apesar de ostentar placa na fachada, se trata de uma residência, utilizada para moradia de Maria do Carmo e sua filha Roberta de Souza”, descreve a denúncia, oferecida à Justiça no dia 17 de abril contra 22 pessoas, incluindo Roberta.

A equipe que esteve no local fez mais constatações. “O terreno apresenta dois imóveis (duas casas), sendo a da frente ocupada por Maria do Carmo e utilizada exclusivamente como residência e aos fundos, em formato de ‘meia-água’ (kitnet), a residência de Roberta de Souza, contendo o ‘estoque da empresa’”, diz parágrafo que antecede duas fotos:

Peça que funcionaria como estoque de empresa alvo na Tromper (Foto: Reprodução dos autos de processo)
Peça que funcionaria como estoque de empresa alvo na Tromper (Foto: Reprodução dos autos de processo)

Outra prova de que a Do Carmo só foi aberta para viabilizar o esquema do empresário Ricardo José Rocamora Alves, de 48 anos, são diálogos dele com outra Ana Cláudia Alves Flores, 34, servidora efetiva do município, também presa no dia 3 de abril. Os dois falam da abertura da empresa em 2022 e depois, em abril do ano passado, durante pregão, comentam sobre lote vencido pela empresa da mãe de Roberta. “É nossa né?”, pergunta Rocamora à Ana Cláudia:

Trecho de diálogo entre Rocamora e outra servidora sobre a "Do Carmo", empresa supostamente de fachada (Foto: Reprodução dos autos do processo)
Trecho de diálogo entre Rocamora e outra servidora sobre a "Do Carmo", empresa supostamente de fachada (Foto: Reprodução dos autos do processo)

No dia 5 de abril, a Prefeitura de Sidrolândia anunciou que havia exonerado servidores comissionados investigados pela Tromper.

Na Justiça, Roberta foi denunciada pelo crime de “fraude ao caráter competitivo de licitação pública”.

O Campo Grande News fez contato com a ex-servidora, que preferiu não comentar os fatos. Ela se manifestará por meio da defesa. A reportagem ainda aguarda retorno com o número da advogada de Roberta.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias