A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018

21/08/2015 09:00

Aborto espontâneo barra o sonho de ser mãe de 17% das mulheres de MS

Ricardo Campos Jr.
Jaqueline com a filha caçula. Foram dois abortos em seis gestações (Foto: Marcos Ermínio)Jaqueline com a filha caçula. Foram dois abortos em seis gestações (Foto: Marcos Ermínio)

Pesquisa Nacional de Saúde aponta que, em Mato Grosso do Sul, a taxa de mulheres com idade entre 18 e 49 anos que já sofreram aborto espontâneo varia de 14,41% a 17,10%. O índice está dentro da média brasileira, onde 15% das gestantes relataram ter perdido os bebês antes do nascimento e, mesmo não sendo frequente, alerta para a importância do acompanhamento pré-natal, quando fatores de risco serão identificados e tratados.

Os dados foram colhidos pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em convênio com o Ministério da Saúde, e divulgados nesta sexta-feira (21). O estudo contém dados referentes a 2013 com o objetivo de ampliar o conhecimento sobre as características da saúde no Brasil.

Estados da região norte e nordeste apresentaram maiores índices. Em Amazonas, Roraima, Amapá, Maranhão e Rio Grande do Norte, o percentual de mulheres que já sofreram aborto espontâneo ultrapassa os 19,10%.

No Mato Grosso, Tocantins, Ceará e Pernambuco, a proporção de mulheres que apresentaram o problema varia de 17,11% a 19,10%. No mesmo índice de Mato Grosso do Sul figuram Acre, Rondônia, Pará, Piauí, Paraíba, Alagoas, Sergipe e Bahia.

Já Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul tiveram índice variando entre 12,91% a 14,40%. As menores incidências de aborto espontâneo estão em Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro, onde até 12,90% das mulheres entrevistadas disseram ter perdido os bebês.

Mapa mostra incidência do aborto espontâneo no país (Foto: reprodução / IBGE)Mapa mostra incidência do aborto espontâneo no país (Foto: reprodução / IBGE)

Explicações – A ginecologista, obstetra e coordenadora do curso de medicina da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Tatiana Serra da Cruz, afirma que é mais comum o aborto espontâneo no primeiro trimestre de gestação.

“A grande maioria ocorre por algum problema de formação do embrião, mas existem outras causas, como infecções ou se a mulher tem alguma doença prévia. Daí a importância de preparar o organismo para a gestação, como começar antes a tomar ácido fólico para prevenir algumas más formações”, relata.

Os poucos casos em que as mães perdem os bebês no segundo trimestre, segundo a especialista, podem estar ligados a problemas no colo do útero, que muitas vezes não consegue se manter fechado, ou a deficiência do hormônio progesterona.

As informações ressaltam a importância do acompanhamento médico e não devem ser usadas como motivo de pânico entre as futuras mães, pois esses casos “não são tão comuns, são exceções”, diz Tatiana.

Exemplos – A diarista Jaqueline Tavares Fernandes, 31 anos, teve dois abortos espontâneos. Nos dois casos, ela não sabia que estava grávida e só descobriu depois de perder os embriões. “O primeiro foi do segundo para o terceiro mês. Eu vi cair dentro do vaso e fui parar no hospital. Não imaginava que estava grávida”, afirma.

No segundo, a mulher chegou a ficar internada. Mesmo na surpresa, a situação não deixa de ser chocante. “Você pensa se foi alguma coisa que você fez ou passou”, conta. Em um dos casos, ela estava tomando anticoncepcionais, mas não sabia que o organismo não estava reagindo ao medicamento. Isso deixa a dúvida se pode ter sido esse o motivo da fatalidade.

Hoje, Jaqueline tem quatro filhos. A mais velha tem 15 anos. Os do meio têm 9 e 3 anos. A caçula tem apenas 1 mês.

Após dois abortos, a gestação de jornalista Karen Andrielly está no sétimo mês e pode ser considerada um milagre. Após perder dois embriões, e já grávida do primogênito, ela descobriu que tinha trombofilia, doença que forma coágulos na placenta prejudicando o desenvolvimento do bebê.

No primeiro caso, ela não sabia que estava grávida e só descobriu quando apresentou hemorragias e foi parar no hospital. “Na segunda gestação eu já sabia, tinha aquela expectativa e quando perdi eu fiquei mal”, conta.

O aborto, segundo ela, foi em dezembro de 2014. Na época, ela não tinha condições de realizar o exame que apontaria a causa do problema de saúde e foi orientada a não engravidar. Porém, no começo do ano seguinte, ela sentiu dores e decidiu procurar ajuda.

“Comecei a imaginar um monte de coisas. Fui ao médico morrendo de medo. Quando me falou que eu estava grávida, fiquei desesperada. Me veio na mente tudo o que eu tinha passado e tive medo de passar por tudo aquilo de novo, me deu medo”, relata.

Quando ela descobriu a trombofilia, a situação piorou. Ela precisava tomar um remédio que não é oferecido pelo SUS e custa caro. Precisou entrar com uma ação na Justiça para consegui-lo.

“O risco de aborto graças a deus acabou, mas existe risco de nascer prematuro. Ele está crescendo maravilhosamente bem, em novembro nasce. O cuidado é um pouquinho maior. Eu faço parte de um programa de gravidez de alto risco e a minha ida ao médico é praticamente uma vez por semana. Qualquer coisa é motivo para ficar em alerta. Cada semana que passa é uma vitória”, completa.

Jaqueline com três dos quatro filhos (Foto: Marcos Ermínio)Jaqueline com três dos quatro filhos (Foto: Marcos Ermínio)
MEC vai propor nova estrutura para cursos de pedagogia
O Ministério da Educação (MEC) vai encaminhar ao Conselho Nacional de Educação (CNE), na próxima semana, uma proposta de modificação dos cursos de pe...
Motoristas envolvidos em contrabando terão habilitação cassada
O motorista que for condenado por dirigir veículo usado para receptação, descaminho ou contrabando de mercadorias terá sua carteira de habilitação ca...
STF decide que Ministério Público pode cobrar multas de ações penais
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (13) que o Ministério Público tem competência para ajuizar ações de cobrança de multas definidas em con...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions