A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

05/05/2015 16:04

Absolvição de dirigentes por acidente da TAM revolta viúva de ex-secretário

Michel Faustino
Jornalista contesta absolvição e se diz indignada com a decisão. (Foto: Reprodução/Facebook)Jornalista contesta absolvição e se diz indignada com a decisão. (Foto: Reprodução/Facebook)

A absolvição dos três acusados pelo acidente com o Airbus da TAM, que matou 199 pessoas em 2007, decretada pela Justiça Federal de São Paulo, causou indignação entre os familiares das vítimas. “É um absurdo, total sensação de impunidade”, diz a jornalista Monique Klein Rocha, esposa do ex-secretário de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário de Mato Grosso do Sul, entre 1990 a 1994, José Américo Flores do Amaral.

José Américo morava em Campo Grande, tinha 63 anos e deixou 4 filhos. Na época trabalhava como diretor-presidente do maior empreendimento da suinocultura mato-grossense, a Granja Carrols Food, com mais 13 mil matrizes.

“Se passaram quase oito anos desde o ocorrido e temos uma notícia desta. Isso indigna porque quem agora vai responder por isso, será que a culpa vai recair sobre os pilotos que já estão mortos”, questiona Monique, ressaltando que outras 100 famílias vivem este “drama” e devem recorrer da decisão por meio de ação coletiva da Afavitam (Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ3054).

Conforme a decisão, o juiz Márcio Assad Guardia negou a denúncia da Procuradoria da República contra o então diretor de segurança de voo da companhia aérea, Marco Aurélio dos Santos de Miranda e Castro, o então vice-presidente de operações da TAM, Alberto Fajerman, e Denise Abreu, que na época era diretora da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Por outro lado, o MPE (Ministério Público Federal) em São Paulo alega que os três sabiam dos riscos de um acidente aéreo. A Procuradoria pediu, em abril do ano passado, a condenação do trio a 24 anos de prisão por atentado contra a segurança de transporte aéreo na modalidade dolosa (quando há a intenção). No pedido feito à Justiça, o procurador da República Rodrigo de Grandis os responsabiliza criminalmente pelo acidente do voo TAM JJ 3054.

Para o MPF, Denise Abreu e Marco Aurélio Miranda assumiram o risco de expor a perigo as aeronaves que operavam no terminal. Com a mudança de crime culposo para doloso, a pena de prisão em uma eventual condenação sobe de quatro para 24 anos. Em julho de 2011, o MPF os denunciou na modalidade culposa.

No decorrer do processo, entretanto, a partir da análise dos elementos colhidos e dos depoimentos de várias testemunhas e dos próprios réus, o MPF ficou convicto de que tanto Denise Abreu quanto Marco Aurélio assumiram o risco por eventuais acidentes.

Segundo a denúncia apresentada pelo MPF em 2011, o diretor da TAM tinham conhecimento “das péssimas condições de atrito e frenagem da pista principal do aeroporto de Congonhas” e não tomou providências para que os pousos fossem redirecionados para outros aeroportos, em condições de pista molhada.

O MPF considerou que a então diretora da Anac, Denise Abreu, “agiu com imprudência” ao liberar a pista do aeroporto de Congonhas, a partir de 29 de junho de 2007, “sem a realização do serviço de ‘grooving’ e sem realizar formalmente uma inspeção, a fim de atestar sua condição operacional em conformidade com os padrões de segurança aeronáutica”.

Tragédia - Em 17 de julho de 2007, a aeronave, que vinha de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, não conseguiu parar na pista do aeroporto de Congonhas, na Zona Sul da capital paulista. Todos os passageiros e a tripulação, além de pessoas em solo, morreram quando o avião bateu em um prédio da própria TAM.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions