A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

15/07/2015 09:57

Agepen vai criar grupo de elite para substituir PM nas rebeliões em presídio

Filipe Prado
O grupo atuará em situações de crise e nas muralhas dos presídios (Foto: Divulgação)O grupo atuará em situações de crise e nas muralhas dos presídios (Foto: Divulgação)

 

 

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) vai criar um grupo para a atuação em crises, escolta e em vigilância de muralhas nos presídios. O curso de qualificação para o Girve (Grupo de Intervenção Rápida, Contenção, Vigilância e Escolta) está programado para iniciar em outubro deste ano.

O diretor-presidente da Agepen, Ailton Stropa, apontou que o grupo atuará dentro do presídio, sendo que o trabalho, atualmente, é realizado pela Polícia Militar, através do BPChoque (Batalhão da Polícia Militar de Choque) e a Companhia de Guarda e Escolta.

Conforme o presidente da Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária), André Luiz Garcia Santiago, um concurso será realizado, provavelmente ainda este ano, para a convocação de servidores públicos, sendo que uma seleção interna será realizado a seguir para a capacitação para o grupo.

Santiago explicou que a segurança dos presídios ainda depende da Polícia Militar, mas caracterizou isso como uma desvantagem, porém alegou que falta autonomia, já que ele não pode responder pelos militares. Ainda afirmou que se os policiais saírem de dentro do presídio darão mais segurança para a população. “No Mato Grosso, a PM voltou para a rua, foi uma média de cinco mil militares. E a sociedade ganha com isso”, comentou.

Mas para a criação também depende de uma adequação no trabalho dos agentes penitenciário, pois atualmente eles não podem atuar armados, porém para o trabalho, precisar portar armas de fogo. “Eles precisam passar por todo um treinamento, que dura de cinco a quatro meses, para ter noção de armamento e a capacitação específica”, alertou Santiago.

O grupo atuará dentro dos presídios, principalmente em situações de crise, como rebeliões, e em escoltas. Também farão rondas nas muralhas, que são as guaritas. Em Campo Grande, por exemplo, há 13 pontos de vigilância, mas somente duas estão em atividade. A situação será diferente com a criação do Girve. “Isso é de grande valia para a segurança pública do Estado. Vai melhorar muito a qualidade de atendimento e segurança dos presídios”, apontou o presidente da Sinsap.

Serão 70 servidores no grupo, que serão distribuídos pela Capital e interior, sendo 40 para Campo Grande, 10 para Dourados, cinco para as cidades de Três Lagoas, Dois Irmão do Buriti, Naviraí e Corumbá.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions