A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

22/05/2009 13:53

Apenas dois continuam presos depois da Operação Cupim

Redação

A Justiça concedeu habeas corpus a outras oito pessoas presas durante a Operação Cupim, que desarticulou esquema de desmatamento, corrupção, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. Depois de cinco empresários terem conquistado o direito de aguardar o julgamento em liberdade, a desembargadora relatora Marilza Lúcia Fortes, deferiu os pedidos de Maurício Fernandes Bueno Filho, Nilton José Baraúna, Jorge Barbieri Figueiredo, José Miguel Milet Freitas, Aridalton José de Souza Maurício de Souza Lima e Jair Aparecido Dias.

Das quinze pessoas presas, na ação feita dia 11 de maio, apenas Cival Pereira dos Santos e Eva Santos Gonçalves não foram colocados em liberdade. Já os empresários Júlio Alberto Pereira Pinto, a esposa dele Carine Zanotto, Cláudio Aparecido Pereira Pinto, Hélio Della Vedova de Araújo e Cláudio Goliczeski, foram soltos dia 15 de maio.

Conforme o MPE (Ministério Público Estadual), o empresário Júlio Alberto Pereira Pinto liderava o esquema de sonegação. Ele residia em Sinop (MT) e coordenava suas empresas Silver Line Transporte e Logística Ltda e J.A. Pinto Transporte Ltda, ambas com sede no endereço residencial dele. AS empresas levavam madeira de Mato Grosso para São Paulo, Santa Catarina, Paraná e passavam por Mato Grosso do Sul.

Segundo as investigações, Julio pagava agentes tributários estaduais para cuidar de veículos fossem passar pela fiscalização. As notas fiscais eram duplicadas, ou seja, usadas por mais de um veículo.

Os valores contidos na nota também estavam abaixo do mercado e o peso não condizia com o real. Quem fazia a duplicação das notas fiscais e carimbos falsos da receita estadual era Cival Pereira dos Santos, ex-funcionário da empresa que prestava serviços ao Posto Fiscal Tributário de Sonora. Ele tinha como cúmplice Francisco José de Souza, que em sua ausência praticava a ação.

Para fazer pagamentos de propina a funcionários, Cival utilizava a conta bancária da esposa, Eva Santos Gonçalves. Os fiscais deixavam as carretas de Júlio passarem sem abordagem, o que causa prejuízo aos cofres públicos.

A Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) estima que tenha conseguido recuperar R$ 700 mil com a Operação Cupim.

Autorização para psicólogos aplicarem terapia de reorientação sexual é mantida
O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia pr...
Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
Acordo entre poupadores e bancos vai beneficiar 30% dos que entraram na Justiça
Das 10 milhões de pessoas que entraram na Justiça por perdas no rendimento de cadernetas de poupança, apenas cerca de 3 milhões serão beneficiadas, s...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions