ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Capital lidera ranking nacional de denúncias de violência contra mulher

Bruno Chaves | 07/11/2013 17:08
Audiência pública debateu violência contra mulher (Foto: Bruno Chaves)
Audiência pública debateu violência contra mulher (Foto: Bruno Chaves)

Mulheres campo-grandenses vítimas de violência têm procurado fazer valer seus direitos. Pela propagação da informação e pela credibilidade da rede de enfrentamento à violência contra a mulher, Campo Grande lidera o ranking nacional de denúncias feitas pelo 180 – telefone destinado ao atendimento feminino.

Só em 2013, de janeiro a junho, foram 2.372 ligações denunciando as mais diversas agressões. Os dados colocam a Capital a frente de cidades como Brasília (DF) e Vitória (ES). Já em 2012, 65,67% das ligações de todo Brasil partiram da capital sul-mato-grossense.

A violência contra a mulher foi debatida nesta quinta-feira (7) durante a audiência pública “Onde há violência perde-se o respeito”, realizada na Assembleia Legislativa e proposta pelas deputadas estaduais Mara Caseiro (PT do B) e Dione Hashioka (PSDB).

De acordo com a subsecretária estadual da Mulher e da Promoção da Cidadania, Thai Loschi, o disque 180 mostra que as mulheres de Mato Grosso do Sul tem buscado ajuda no enfrentamento à violência.

“Em 2011, nosso estado estava na 18º posição do ranking de denúncias. Em 2012, subimos para o 5º lugar. Isso é surpreendente e preocupante, mas mostra que as mulheres estão saindo a frente nas denúncias”, opina.

Em casos extremos de violência, onde a mulher não possui condições de morar sob o mesmo teto que o companheiro, o Estado oferece uma rede de atendimento de auxílio. “São 12 centros de apoio à mulher e 12 delegacias especializadas, além de duas ‘Casas Abrigos’ que recebe as vítimas, uma na Capital e outra em Corumbá”, reforça.

Para subsecretária, mulheres adquiriram confiança e começam a denúncias casos de violência (Foto: Bruno Chaves)
Para subsecretária, mulheres adquiriram confiança e começam a denúncias casos de violência (Foto: Bruno Chaves)

De janeiro a setembro de 2013, 21 mulheres e 37 crianças foram encaminhadas para a Casa Abrigo de Campo Grande após denúncias de violência.

“Ao sofrer algum tipo de violência, a mulher pode procurar um Centro e Apoio. De lá, ela será encaminhada para um posto de saúde e para a delegacia. Se a delegada entender que é um caso extremo, a vítima é encaminhada para o abrigo, junto com os filhos menores de 14 anos, no mesmo dia”, explica.

Segundo a deputada Mara Caseiro, a questão da violência contra a mulher é cultural e só mudará com a educação.

Para ela, o preconceito nasce na própria casa quando, por exemplo, os pais ensinam a um filho que “homem não pode lavar louça, lavar banheiro ou lavar roupas”.

“Precisamos de um novo modelo de sociedade onde as pessoas não sejam preconceituosas e homens e mulheres tenham igualdade de direitos”, afirma a deputada.

Ao final da audiência pública, os presentes colocarão as reivindicações e pontos relevantes em um documento que será encaminhado para o Congresso Nacional, Ministério da Mulher e Secretaria de Direitos Humanos com o intuito de promover políticas públicas para o enfretamento à violência contra a mulher.

Nos siga no Google Notícias