A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019

30/04/2016 14:46

"Na cadeia é mais fácil de matar ele", adverte o advogado de delator

Paulo Yafusso
Cumprindo pena em regime domiciliar, Fabiano Otero, deve mudar de endereço de novo (Foto: Arquivo)Cumprindo pena em regime domiciliar, Fabiano Otero, deve mudar de endereço de novo (Foto: Arquivo)

Alegando questão de segurança, o advogado do delator da rede de exploração sexual de crianças e adolescentes, Fabiano Otero, deverá comunicar à Justiça mais uma mudança de endereço. O advogado dele, Mário Augusto Garcia Azuaga, afirmou que nesta semana o cliente sofreu mais uma ameaça, feita por dois homens em uma moto.

Conforme relato do advogado, a ameaça foi na última segunda-feira, mas só hoje Fabiano Otero iria registrar a queixa na Delegacia de Polícia. “No dia eu havia orientado a registrar a ocorrência, mas ele disse que ficou com medo e que hoje irá com um amigo registrar o boletim”, afirmou Azuaga.

Ele conta que, segundo a versão dada por Fabiano Otero, por volta das 21h48, ele estava sentado em frente à casa onde está morando, esperando a irmã que havia pedido ajuda pois estava indo de ônibus e levando várias sacolas. Foi quando dois homens bem vestidos e em uma moto Falcon prata com detalhes em preto, chegaram e o garupa, apontando uma arma, disse para Fabiano sair da cidade para não ser morto.

Ainda conforme o advogado, o rapaz tomou o celular de Otero e jogou a bateria fora, para que não pudesse fazer ligação pedindo ajuda. Mário Azuaga disse que a moto estava sem placas. “Ele me ligou desesperado”, disse o advogado ao falar sobre o que ocorreu no dia da ameaça.
O advogado afirma que Fabiano Otero vem sofrendo pressão e ameaças, e o objetivo seria fazê-lo “quebrar o acordo” da delação premiada. “Forças ocultas estão pressionando para que ele (Fabiano Otero) descumpra o acordo para ir para o regime fechado”, diz Mário Azuaga, para completar: “na cadeia é mais fácil de matar ele”.

O Campo Grande News conversou rapidamente com Fabiano Otero por telefone neste sábado (30). Ele disse que já sofreu várias ameaças, mas nenhuma física. E que desde que aderiu à delação premiada, já teve que mudar de endereço três vezes e todas as vezes que isso ocorreu o juiz do processo em que foi condenado é comunicado oficialmente.

Segundo Otero, foi por isso que houve uma confusão e a Justiça chegou a tê-lo como foragido, já que, no final de março, o oficial de justiça não o encontrou para entregar uma notificação. Ele garante que o juiz do processo foi comunicado da mudança de endereço, e que a confusão é porque o juiz que expediu a notificação é da área de execução, e desconhecia a situação.

Fabiano Otero foi preso no ano passado, acusado de ser o mentor de um esquema para usar adolescentes para manter relações sexuais com políticos e empresários, para depois extorqui-los. Por isso, os encontros sexuais eram gravados. Essa fase da investigação sobre a rede de exploração sexual de crianças e adolescentes levou à condenação, além dele, o ex-vereadores Alceu Bueno (que renunciou ao mandato) e Robson Martins, o ex-deputado estadual Sérgio Assis e Luciano Pageu.

Por ter aderido à delação premiada Fabiano Otero foi condenado a 11 anos e 11 meses, metade da penda para esse tipo de crime. E vem cumprindo em regime domiciliar. Luciano Pageu continua preso enquanto os outros réus entraram com recurso e aguardam a decisão em liberdade.

Políticos recorrem de condenação em escândalo por exploração sexual
Os condenados por exploração sexual, incluindo três políticos, recorreram da decisão da Justiça. Em dezembro do ano passado, cinco pessoas foram cond...
Polícia investiga morte de homem encontrado com ferimento na cabeça
A Polícia Civil investiga a morte de um homem encontrado em avançado estado de decomposição em uma chácara, que fica à margem da BR-262, na região do...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions