ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  09    CAMPO GRANDE 11º

Capital

Abalados, pais dizem que era 1º grande show de jovem assassinado por agente

Família conta que Adilson havia comprado convites há mais de 4 meses e estava ansioso para evento.

Por Anahi Gurgel | 24/09/2017 11:26
Adilson Silva Ferreira dos Santos, 23, foi morto durante show na madrugada deste domingo (24). (Foto: Reprodução/Facebook)
Adilson Silva Ferreira dos Santos, 23, foi morto durante show na madrugada deste domingo (24). (Foto: Reprodução/Facebook)

Ainda atordoados com o assassinato do filho, Adilson Silva Ferreira dos Santos, 23, na madrugada deste domingo (24), durante show de Henrique e Juliano, em Campo Grande, os pais do servente de pedreiro contam que o jovem estava ansioso para ir ao seu primeiro grande evento e que havia comprado ingressos para o camarote há mais de 4 meses.  

O crime foi cometido por um agente penitenciário federal de 34 anos, após desentendimento com a vítima, no estacionamento do Shopping Bosque dos Ipês. 

“Ele havia garantindo esses convites há muito tempo. Primeira vez que ele iria em evento grande assim. Só falava disso. Estava feliz e muito ansioso”, conta a mãe, Marlene de Souza Silva, 44.

Na manhã de hoje, Marlene Souza Silva, 44, e o chacareiro Ilso Rodrigues Nascimento, 58, foram até a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), no centro, tratar dos trâmites para obter liberação do corpo do filho junto ao Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

“Me admira muito esse agente entrar no show com uma pistola e atirar no peito do meu filho depois de um desentendimento. Acho que isso deve ser muito bem apurado pela polícia. Houve má intenção, senão por que ir a uma festa levando uma arma? Ele atirou para matar”, acredita o pai da vítima. 

A família conta ainda que Adilson havia retornado à Campo Grande há aproximadamente 1 ano, depois de passar uma temporada em Santa Catarina.

“Ele estava organizando uma viagem para janeiro do ano que vem, para conhecer a filha que nasceu por lá, tem uns 3 meses”, diz Marlene, que é diarista.

A mãe de Adilson, Marele de Souza, na manhã deste domingo (24), na Depac do centro. (Foto: Marina Pacheco)
A mãe de Adilson, Marele de Souza, na manhã deste domingo (24), na Depac do centro. (Foto: Marina Pacheco)

Reação automática - Em depoimento ao delegado Reginaldo Salomão, o agente penitenciário disse que a intenção era deixar a arma no carro, mas como não conseguiu vaga de estacionamento dentro do shopping, teve que entrar com a pistola no show.

Segundo informações da equipe envolvida no evento, o agente tem porte de arma e apresentou documentação obrigatória, por isso foi autorizado a entrar com uma pistola .40.

O delegado conta que o agente justificou o disparo como "ato de memória muscular", uma reação automática devido aos treinamentos realizados na academia para reprimir agressões. Ele ainda garantiu ao delegado que não estava embriagado.

O autor foi preso em flagrante e vai passar por audiência de custódia no Fórum de Campo Grande nesta segunda-feira (25).

Nos siga no Google Notícias