A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

23/05/2011 19:47

Acadêmicos de Direito fazem protesto silencioso amanhã, contra abuso de professores

Paula Maciulevicius

Manifestação será no bloco VI da UFMS

Acadêmicos do curso de Direito da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) fazem nesta terça protesto silencioso, no bloco VI, contra suposto abuso de autoridade por parte dos professores.

Os estudantes afirmam que sofrem perseguição, com provas não corrigidas com os mesmo critérios para todos os alunis e que já pediram três vezes as atas das reuniões da direção da faculdade, o que é de direito dos alunos, pelo arquivo ser público.

A manifestação é um chamado para que acadêmicos de outros cursos reclamem sobre a sensação de falta de liberdade política e de expressão. “Outros centros vão participar, para que esses casos não aconteçam em nenhum curso mais”, explica o presidente do Centro Acadêmico de Direito, Renan Davalos, 20 anos. O movimento está marcado para 9 horas da manhã.

Segundo o Centro Acadêmico de Direito, a situação começou quando os universitários solicitaram as atas de reuniões da direção da faculdade. A disponibilidade do documento foi negada e a direção ainda colocou condições para fornecer os documentos.

Os acadêmicos pretendem entrar com mandado de segurança, por ser instrumento mais adequado no caso, para ter acesso aos arquivos.

Em seguida, foram colocados cartazes nas salas do curso, falando sobre a recusa. De acordo com os acadêmicos, os papeis foram arrancados para que a diretoria da faculdade averiguasse se os cartazes eram ofensivos para com os professores.

Os estudantes dizem que querem saber o que a diretoria tem a esconder por recusar a entrega dos papéis.

Sobre a questão do abuso de autoridade, os acadêmicos afirmam que já houve “sumiços” de provas de nível de dificuldade completamente incompatível.

A próxima manifestação já tem data, está programada para a terça-feira (31), com estudantes de vários cursos. (correções feitas às 23h56)



Vixe!... político quando se mete em questão estudantil é porque tem interesse envolvido...rss... Qual seria esse interesse?.... alás!!!
 
Cristian Moraes em 25/05/2011 01:59:55
Como acadêmico de Direito da UFMS, devo dizer que cada comentário de apoio às manifestações vale por inúmeros comentários contrários, estes que são geralmente movidos pela falta de conhecimento acerca dos acontecimentos, ou ainda por interesses particulares.
Vale ainda frisar que não se trata de forma alguma de alunos "se fazendo de vítima" ou "protestando sem motivo", é uma questão de acadêmicos exercendo seus papéis de cidadãos que são, e se indignando ante a censura e repressão que tem sido impostas frente ao exercício de direitos garantidos pela própria Constituição Federal, e indo em busca de condições melhores para o curso, o que deveria ser objetivo também daqueles para quem a manifestação se destina, o que infelizmente não tem acontecido.
 
João Elias Marqes Basmage em 24/05/2011 12:39:24
Eu, como acadêmico de Direito da UFMS e inclusive tendo participado da manifestação a que a notícia se refere, penso que vale deixar bem claro que a indignação dos alunos não tem relação absolutamente nenhuma com "notas baixas". Outro item importante a ser frisado é que, como está expresso na própria notícia, os acadêmicos, seja através do Centro Acadêmico (CAJEF) ou seja através dos representantes discentes (que cumprem muito bem o que a eles é imcumbido), já tentaram por várias vezes ter acesso às pautas das reuniões que decidiram coisas relevantes para o curso, mas em todas as vezes o acesso foi negado.
É esse absoluto descaso por parte da Faculdade de Direito para com seus acadêmicos que tem impulsionado toda essa manifestação, não apenas ao negar o acesso dos acadêmicos a tais documentos (acesso este que é inclusive assegurado pela Constituição Federal), mas principalmente ao tomar diversas medidas de censura contra o os discentes que tem exercido seu direito de expressão (também assegurado pela Constituição) ao exteriorar essa indignação.
Por isso não há que se falar em "criar caso", "se rebelar gratuitamente" ou muito menos "se fazer de vítima". É apenas uma questão dos acadêmicos buscarem e se manifestarem de forma pacífica em prol de seus DIREITOS, algo que deveria ser feito por TODOS os cidadãos, e de forma alguma virar motivo de qualquer repressão que seja.
 
João Elias Marques Basmage em 24/05/2011 12:32:20
É lastimável ver que existem pessoas que lêem uma reportagem e não têm capacidade de interpretar de maneira correta.

Caro Athaide, primeiro vá se informar sobre a concorrência para adentrar no curso de direito da UFMS para mandar os alunos da mesma irem estudar. Para lhe ajudar digo, foram anos de estudo e mais estudo para conseguirmos uma vaga na "melhor" universidade do estado, no entanto, o tão sonhado objetivo, ao ser alcançado transformou-se em uma decepção sem tamanho.

Nós acadêmicos de direito, temos que contar com promotores, juízes e advogados que você julga serem chatos, desconhecendo o fato de eles lecionarem sem nenhuma remuneração, pois não há professores efetivos para atender a demanda.

Sugiro que o senhor informe-se primeiro para depois denegrir o nome da classe que luta para que OS SEUS DIREITOS de cidadão sejam respeitados.

Saiba primeiro, que alunos estão sofrendo perseguição, recebendo ameaças e até intimações. O motivo? Lutar por seus direitos, o direito de todo acadêmico de ter sua prova corrigida com imparcialidade, entre outros.

É por conta de pessoas assim que muitos que detém o poder enganam, abusam, roubam, porque infelizmente ainda há pessoas que simplesmente não se importam, preferem ser fantoches na mão dos outros. Espero que o senhor tenha mais consideração pelos estudantes no seu próximo comentário.

Todavia, esse comentário tem a intenção de parabenizar a iniciativa do CAJEF e de todos os meus colegas por não terem vergonha de gritar por seus direitos. É só na forma de protesto que conseguiremos mudar essa situação! MOVE DIREITO!

 
Tainara Rodrigues em 24/05/2011 12:26:44
É incrível como ainda existe pessoas que se colocam contrárias à reivindicações, principalmente as estundantís...o acadêmico de direito tem por tradição contestar, principalmente em nome da justiça. Quem se posiciona contra normalmente é o acomodado ou omisso por interesses particulares.
Estudante tem que ir a luta mesmo, principalmente contra o desmando, autoritarismo e arbitrariedade.
Só quem ja frequentou um banco escolar sabe o quanto é duro "aguentar" aquele professor, normalmente despreparado pedagogicamente, "impor" suas regras e frustrações.
O movimento é justo, pois ninguem tem o direito de ocultar aquilo que é público.
Força acadêmicos...lutem pelos seus direitos!!!
 
CLAUDIONOR CALDEIRA em 24/05/2011 10:57:02
Vai estudar moçada. Só pq é aluno de Direito fica criando caso. Se estudassem ao invés de dar uma de advogado chato, teriam as notas boas que tanto querem.
 
Athaide Romerio em 24/05/2011 07:29:43
Apoio a iniciativa e acredito que é um incentivo para que outros cursos da UFMS também se mobilizem para reinvindicarem seus direitos. O aluno da UFMS além de estudar e tirar notas boas, tem que se preocupar com assuntos que nas faculdades particulares são resolvidos por cordenadores ou funcionários específicos para isso. A verdade é que os alunos do curso de Direito da UFMS tem se mostrado muito esforçados e responsáveis. Todo dia é uma luta, trocando professores por outros melhores, marcando provas, marcando aulas complementares, indo atrás de professores para completar grade de horário, e realmente correndo atrás de prejuízo como disciplinas defasadas pela falta de assiduidade de professores etc.
 
Roberta Ferreira em 24/05/2011 05:14:02
A liberdade de expressão faz parte da vida de todo cidadão brasileiro, que é um direito garantido pela Constituição Federal. Lastimável que ainda hoje, possamos conviver com atitudes autoritárias, intoleráveis e inaceitáveis como esta que vem ocorrendo com os acadêmicos de Direito. Tenho plena convicção que a liberdade é o bem maior que os jovens acadêmicos da Faculdade de Direito devem buscar em sua formação universitária. Segundo a célebre frase de Marthin Luther King "O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons". Portanto, eu como Vereador estou na câmara municipal para ecoar o grito de liberdade. VIVA A DEMOCRACIA E O DIREITO DA LIVRE EXPRESSÃO!!!

Presidente da Câmara Municipal Paulo Siufi

 
Vereador Paulo Siufi em 23/05/2011 11:23:00
É isso mesmo pessoal tem que levantar e expor o problema, autoritarismo é coisa do tempo dos coronéis. Chega!!! vão a luta pelo seus ideais e não os deixem o sistema calarem vocês............
 
Saraiva Zangado em 23/05/2011 10:52:56
Essa UFMS... Além da História agora Direito.
É assim mesmo, vamos que vamos que a reitora acorda e começa a sua gestão
 
Orlando Lero em 23/05/2011 10:01:26
ué, pq o representante discente não coloca os colegas a par do que está havendo nas reuniões?
ou o representante não anda frequentando as reuniões??
esse alunos sempre querem ser vítimas...........
 
Ana Paula Medeiros em 23/05/2011 08:30:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions