A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/09/2013 18:08

Advogado de Dudu diz que não foi levado à delegacia e que celular foi apreendido

Bruno Chaves

Em nota oficial divulgada à imprensa, o advogado Arnaldo Kalil Molina, 44 anos, que defende Eduardo Miranda Martins, o Dudu, preso no dia 21 de junho, durante manifestações em Campo Grande, diz que não foi levado à delegacia após filmar uma conversa com seu cliente. Ele afirma que apenas o celular foi apreendido pelos policiais.

Arnaldo divulgou que a agente penitenciária autorizou a entrada dele no presídio com o celular, mesmo depois de ele ter os pertences revistados, como é de praxe no sistema carcerário. Dentro do parlatório, o advogado disse novamente aos agentes que filmaria a conversa com Dudu e que o vídeo faria parte do projeto “Doe Livro, Dudu Livre’.

O advogado ainda escreveu na nota que o agente aceitou dar entrevista, que seria filmada e anexada ao projeto. No entanto, durante a filmagem com Dudu, outro agente viu a ação e questionou o acontecimento. “Doutor, isso é um celular?”, teria questionado o funcionário. Op advogado respondeu que sim, mas disse que o aparelho estava habilitado apenas no modo câmera.

Arnaldo garantiu que em momento algum foi encaminhado à delegacia pelos agentes penitenciários. Ele disse que foi orientado pelo diretor do Centro de Triagem para buscar o objeto na Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário). Na agência, o advogado foi orientado a buscar o celular na 3ª DP, que disse que o aparelho só seria entregue após perícia.

“Portanto, em momento algum neguei estar portando um celular, tão pouco, omiti a informação de que faria uma filmagem com meu cliente; tanto que toda a ação aconteceu na frente dos agentes penitenciários”, informa a nota.

Ele ainda afirmou que sentiu a necessidade de filmar a entrevista com Dudu porque a imprensa nacional, como a Folha de São Paulo, por exemplo, demonstrou interesse pelo caso, mas não conseguiu ter acesso ao detento. Arnaldo também se colou a disposição da Justiça para esclarecer o assunto e garantiu que não cometeu nenhum crime, de acordo com o artigo 349-A do Código Penal, que configura crime entregar celular ao preso.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...


Que advogado ingênuo, fez essa negociação apenas verbalmente com os agentes.
 
Mathias Hanns em 13/09/2013 10:54:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions