A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

06/11/2017 19:53

Águas afirma que fez mais do que o previsto em contrato com a Prefeitura

Nyelder Rodrigues e Liniker Ribeiro
Empresa paralisou obras diante da decisão do TCE (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Empresa paralisou obras diante da decisão do TCE (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Após o TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) suspender a prorrogação do contrato entre a Águas Guariroba - responsável pelo saneamento básico de Campo Grande - e a prefeitura, a empresa afirma que, se a decisão do tribunal persistir, as obras realizadas fora do previsto poderão ser cobradas.

Nesta segunda-feira (6), a Águas confirmou a paralisação das obras de universalização do esgoto na Capital, baseando-se na determinação do TCE para suspender os termos que adicionaram 30 anos no contrato, o fazendo ir até 2060.

De acordo com a concessionária, o primeiro acordo com a prefeitura - assinado em 2000 - impõe que 70% da cidade tenha serviço de coleta de esgoto. Atualmente, a empresa diz que o esgoto já abrange 80% da Capital.

Ou seja, foram realizados 10% a mais do previsto no contrato sem os aditivos que firmaram, em 2012, o acordo para universalizar (100%) o esgoto em Campo Grande. "Se for mantida a suspensão dos termos aditivos, vamos ter que cobrar uma indenização pelos serviços a mais que foram feitos", destaca o presidente da Águas, Guillermo Deluca.

Além dessa indenização, a empresa afirma que com a paralisação da implantação do esgoto também param as obras de asfaltamento feito pela prefeitura - e que acontecem apenas após o término da instalação da estrutura de saneamento.

Apesar da situação, a Águas Guariroba deixa claro que a situação não é definitiva e aguarda o desfecho da questão para que as providências sejam tomadas. Por enquanto, as três frentes de trabalho existentes para implantação de esgoto - bairros Nova Lima, Vila Nasser e Aero Rancho - ficarão paradas.

Caso a paralisação persista, também existe o risco da perda de recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) pela prefeitura, para pavimentar essas regiões. A Águas frisa que, só em 2017, 100 km de serviços de esgoto serão implantados a menos por causa da suspensão.

Contrato em xeque - No contrato inicial, firmando em 18 de outubro de 2000 (período que a cidade era administrada pelo André Puccinelli, do PMDB) entre a concessionária e o município, válido até 2030, era exigido que o esgoto fosse implantado em apenas 70% da Capital até 2025.

Porém, dois termos foram adicionados ao contrato em 2012, na gestão do prefeito Nelsinho Trad (na época PMDB, hoje PTB), aumentando para até 2060 a concessão da Águas Guariroba e subindo o valor a ser investido de R$ 417 milhões para R$ 560 milhões. Em contrapartida, o serviço de esgoto teria que chegar a 100%.

A alegação na época foi de que havia desequilíbrio financeiro no contrato e, para evitar aumento de taxas, o acordo passou por readequação. Contudo, o ex-vereador Marcos Alex (PT) denunciou a situação, que além de analisado pelo TCE, foi alvo de apuração do MPE (Ministério Público Estadual).

Cinco anos depois, o conselheiro Jerson Domingos deu o parecer baseado em relatório da Ieama (Inspetoria de Engenharia, Arquitetura e Meio Ambiente), considerando que tal prorrogação foi descabida diante das demandas apresentadas pela Águas Guariroba, que vão desde decisões judiciais proibindo cobranças até desativação de estações.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions