A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 21 de Janeiro de 2018

04/07/2013 14:08

Alarme é motivo de discórdia entre vizinhos, mas para quem reclamar?

Elverson Cardozo, Anny Malagolini e Francisco Júnior
No Taveirópolis, vizinho rompeu lacre do padrão de energia para acabar com o barulho. No Taveirópolis, vizinho rompeu lacre do padrão de energia para acabar com o barulho.

Sempre que o alarme do vizinho dispara e ninguém dá jeito no “berreiro” insistente, a primeira ideia que vem à cabeça, para quem a paciência sempre manda lembrança, é pular o muro, quebrar o padrão ou arrancar a fiação à força.

A verdade é que, apesar do estresse, poucos fazem isso, em nome, claro, da política da boa vizinhança e com receio, lógico, de ser enquadrado em uma lista de crimes na delegacia mais próxima. Mas que irrita, convenhamos, irrita. E não é pouco.

A bioquímica Patrícia Portela Godoy, de 35 anos, sabe bem o que é tentar manter a calma quando os “gritos”, do outro lado, não deixa. Outro dia, o equipamento do vizinho ficou a noite inteira ligado. “Impossível dormir”, protestou. O problema, para azar da moradora, já se repetiu algumas vezes. Ainda bem que não é frequente.

Ontem (3), na rua Goiás, funcionários e pacientes de uma clínica que oferece atendimentos de Neurocirurgia e acupuntura foram prejudicados com o alarme de um restaurante localizado ao lado da empresa.

O equipamento ficou ligado desde a noite do dia anterior. A situação só foi resolvida no final da manhã, quando a barulheira cessou. A sorte é que, a maioria dos atendimentos acontece no período vespertino. “É chato. Começa a atrapalhar”, afirmou o gerente do local, Júnior Pereira, de 34 anos.

É o tipo do barulho tão frenquente, que quando o alarme dispara a última coisa que o vizinho pensa é em ladrão, sempre imagina que é um defeito.

Moradora do Taveirópolis, a professora Solange Lemos está na outra ponta dessa discussão. Na semana passada ela viajou para Jardim e quando retornou teve uma surpresa nada agradável.

Normalmente plaquinha avisa telefone da central de monitoramento.Normalmente plaquinha avisa telefone da central de monitoramento.

O alarme da casa dela, que não tem monitoramento, disparou e alguém, incomodado, não suportou e resolveu tomar uma medida radical: rompeu o lacre do padrão e desligou a energia da residência. Simples assim.

Para a professora, a atitude não foi correta e o vizinho estressadinho agiu no impulso, da pior maneira possível. “Ele podia ter ligado para a gente. Nunca tinha acontecido isso antes”, criticou.

Talvez o vizinho quisesse apenas dormir e não tenha encontrado outra solução. Mas agora a família ao lado terá de pagar multa à Enersul porque o lacre foi rompido.

Proprietário de uma empresa de segurança em Campo Grande, José Marques Ferreira dos Santos, de 42 anos já ouviu histórias parecidas, mas disse que até hoje, com os clientes dele, nunca teve problemas porque só trabalha com alarmes monitorados.

Há problemas de disparos ocasionais, claro, mas eles são resolvidos de maneira praticamente imediata. “Encaminhamos um vigilante até o local para fazer a verificação do motivo do disparado, entramos em contato com o cliente e acionamos os órgãos responsáveis caso tenha algum sinal de arrombamento. Tomamos todas as providências necessárias”, garantiu.

José Marque explica que o dispositivo, quando tem monitoramento, é ligado à central da empresa. Quando dispara, os funcionários entram em ação e podem, inclusive, desligá-lo à distância se for o caso. Se o morador não estiver em casa, o vizinho que ficar incomodado pode acionar a empresa responsável que, geralmente, coloca uma placa de identificação nos locais monitorados. Sem isso, fica difícil chegar a uma solução mais amigável.

Custo - O serviço de monitoramento não sai de graça. A assinatura mensal, em média, sai por R$ 300,00. É um investimento alto, levando em conta o custo para instalação de um alarme, que varia de R$ 1,5 a R$ 5 mil, dependendo do modelo e dos serviços agregados. 

Mas pode compensar. Partindo deste ponto de vista, o valor ajuda até a evitar aquela rixa com o vizinho ou uma possível intimação na delegacia por perturbação de sossego alheio. A denúncia pode ser feita em qualquer unidade da Polícia Civil.

Na maioria das vezes, a Polícia Militar é acionada, mas a corporação explixa que, se for frequente o disparo do alarme, o vizinho tem que ir à delegacia registrar Boletim de Ocorrência por perturbação de sossego, porque a PM não tem como entrar na residência.

O artigo 42 da lei de Contravenções Penais diz que “perturbar o trabalho ou o sossego alheios com gritaria ou algazarra; exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais; abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos; provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem a guarda. Pena – prisão simples, de 15 dias a três meses, ou multa”.(grifo próprio)

Já o artigo 1.277 do Código Civil também dispõe sobre o assunto: “O proprietário ou o possuidor de um prédio tem o direito de fazer cessar as interferências prejudiciais à segurança, ao sossego e à saúde dos que o habitam, provocadas pela utilização de propriedade vizinha”.

Com previsto em lei, o morador da casa pode, e deve, ser responsabilizado pelo barulho que ele produz. Poderá sê-lo criminalmente e também civilmente, podendo até mesmo ser obrigado a pagar indenização moral àquele a quem aborreceu, e multa em caso de reincidir na conduta.



Alarme é poluição sonora e não há legislação que os regulamentem porque eles são poluição sonora, poluição ambiental. Carnaval e acabou de tocar novamente o alarme.
A pessoa não tem senso algum. Dentro da casa, o alarme dispara durante a madrugada e ele deixa o alarme disparar por um tempo bom para acordar a vizinhança para depois ir desligar. A empresa que cuida do alarme do vizinho ao lado da minha casa (casa alugada) disse que não tem como desligá-lo. Somente o morador da casa é quem pode. Estamos a mercê dos criminosos gente e isso inclui pessoas sem bom senso que deixam seus alarmes dispararem. Pessoas assim não diferem das outras pois são criminosos ambientais. Se Deus quiser, vou resolver isso a nível nacional. Vai demorar um pouco, mas vou resolver isso e mais um monte de coisas.
 
Cinthya em 09/02/2016 12:25:31
Sra Kelli, é bom se importar sim com o que seu vizinho pensa.
 
Suzi da Costa em 05/07/2013 14:47:55
Incrível, há quem acredita que vizinho deve ter paciência, outro dia um desses disparou às 2 h. da madrugada, liguei para a central de monitoramento, estava chovendo, o dia amanheceu e não veio ninguém, tenho criança nova em casa, pessoa idosa doente, como é que fica se o outro está preocupado sómente com sua segurança, eu dou um jeito, se dou, e desligo o aparelho.
 
juraci montanha em 05/07/2013 14:46:06
E o DEOPS funciona??? tive inúmeros problemas quando morava na José Antônio, tinha uns vizinhos barulhentos prá caramba, sempre que ligava para o DEOPS, nunca tinha viatura ou pessoal. Quando a zona era na calçada, a PM dava jeito, mas dentro da residência sem comentário...
 
Juan Charlymoon em 05/07/2013 12:23:02
tenho alarme monitorado via GPRS é um aparelho que eu alugo da empresa, ele usa um chip de celular e assim que o alarme dispara a central recebe o sinal. não gasto com telefone e o custo mensal do monitoramento com a locação do aparelho é de R$200. quem preferir compra o GPRS e paga mais barato o monitoramento. confio na empresa de alarme, o monitoramento funciona e quando, por algum motivo, não ligo meu alarme ligo na empresa e eles vão ate minha residencia ligar para mim. simples e comodo para quem trabalha o dia todo e precisa de segurança. a empresa de alarme é a Alarmes Protec´tus e a forma de pagamento deles é excelente!!
 
Gisele Martins em 05/07/2013 08:17:13
Não concordo com a atitude do vizinho de desligar a energia da residencia, ate porque pode estragar algum equipamento, e depois o alarme é colocado por motivo de segurança da pessoa, porque se algum ladrão entrar na casa nenhum vizinho que se sente incomodado com o barulho vai se quer ligar para a policia, afinal quem é que vai querer denunciar pra ser o proximo alvo ne, deve haver um pouco de paciencia entre as pessoas e politica de boa vizinhança, como ela mesmo disse se tivesse ligado pra ela alguem iria desligar, aconteceu o msm comigo, porem registrei um boletim de ocorrencia por causa do lacre rompido e a enersul não me cobrou a multa, e conversei com meus vizinhos e deixei meu telefone para que me liguem caso ocorra o disparo, ainda bem que eles entenderam e ñ desligaram minha energia
 
Flavia morais em 05/07/2013 08:15:13
MORO NO CARANDA BOSQUE E TEM UMA CASA NA EM FRENTE DO BOSQUE, NA RUA DAS FOLHAGENS QUE O ALARME DISPARA TODO DIA. O DIA QUE LADRAO ENTRAR VAI LEVAR ATE AS PAREDES. NAO DA PRA DIZER QUE NINGUEM VAI LIGAR PORQUE É INSUPORTAVEL O BARULHO. TEM MORADOR QUE PENSA QUE NAO EXISTEM VIZINHOS. QUALQUER HORA VOU NA POLICIA DENUNCIAR
 
marcos teixeira em 04/07/2013 23:04:34
Na minha casa tem a cerca e sensor com alarme, é monitorado por mim e pelo meu marido através do celular, e não adianta desligar a energia pq tem bateria no interior da casa, as vezes chegou a disparar por defeito no sensor mas foi td resolvido, minha casa já foi invadida durante o dia e comigo dentro dormindo antes de ter alarme e cerca, então não me importo com o que os vizinhos pensam, o mais importante é a segurança da minha família, estou grávida e durmo muitas vezes sozinha pois meu marido tira serviço a noite, se tiver gente em casa eu vejo o pq do disparo e se não for nada eu desligo, agora se não tiver ninguém em casa nós recebemos a ligação no celular e corremos para casa, mas mesmo assim o alarme da minha casa não dispara sem parar, ele dispara por poucos minutos e depois para.
 
Kelly Farias em 04/07/2013 22:27:23
E quem mora perto de um karaokê , onde as pessoas além de perturbar com a música alta ainda tem pessoas que ficam gritando , tipo assim lá pelas 02:00 hs da madrugada. Gostaria de saber a quem recorrer, pois conforme a reportagem acima este Artigo 42 é bem interessante. Inclusive o proprietário do karaokê as vezes colabora , mas o ambiente não é acústico como tem que ser conforme a LEI vou procurar saber como funciona para acionar este artigo 42. Isso é Brasil, onde IGREJAS devem ser acústicas e bares NÃO.
 
joaquim cunha em 04/07/2013 19:33:48
Não acho que o vizinho seja estressadinho, não! Afinal, o ruído desses equipamentos é infernal. Além disso, se dispara e ninguém vem verificar o ocorrido, para que serve? Meter medo no malandro? Os dispositivos de segurança eletrônica somente têm valor para inibir ações criminosas se dois parâmetros forem observados: 1- O sinal seja perceptível por alguém encarregado de verificar o ocorrido; 2- Esse alguém tenha tempo de intervir em caso de ingresso indesejável no imóvel (se a pessoa estiver muito longe, já era).
 
João Dias em 04/07/2013 17:26:05
Tá certo quem desligou, o direito de um acaba onde começa o do outro, tá cheio dessas parafernalias espalhadas pela cidade e todas, todas, só funcionam quando não tem necessidade. Outra, se o ladrão quiser, ele entra, rouba, defeca na sala e...só para contrariar, leva o alarme consigo, ninguém tem obrigação nenhuma de ligar para a empresa que monitora .
 
Suzi da Costa em 04/07/2013 16:49:55
Este tipo de transtorno deve ser notificado à DEOPS, Delegacia Especializada em resolver estes tipos de conflitos(som alto, barulho de vizinhos ou de som de veículos, igrejas, etc). O cidadão que se sentir incomodado pode se dirigir a qualquer delegacia para registrar a ocorrência que será encaminhada e apurada pela DEOPS.
 
Wellington Clayton em 04/07/2013 16:08:33
Tenho alarme não monitorado, com sensor dentro e fora de casa, nunca tive problemas, deixei de pagar o monitoramento de 150 reais mensais pq a conta de telefone ficou absurda... Meus vizinhos tem meu telefone e um dos meus vizinhos a mais de 20 anos tem um controle do meu alarme, assim como tbm tenho o dele. O que resta é ter confiança e respeito com seus vizinhos.Meu alarme nunca disparou atoa.
 
Leticia Damasio em 04/07/2013 15:38:55
E quem mora ao lado de padarias que utilizam lenha emitindo fumaça e fuligem além do cheio insuportável, não adianta reclamar na Secretaria Municipal de Meio Ambiente que eles não tomam providências.
 
Jorge Elias em 04/07/2013 15:07:27
Muito interessante essa reportagem, pois agora sei a quem recoorer. Fica aqui minha indignação contra o depósito do café Meridional que fica na Av. Rachid Neder entre as Ruas José Antônio e Pe. João Crippa, aquilo é um atentado a paciência de qualquer vizinho, o alarme dispara várias vezes ao dia e principalmente à noite. A vontade que dá é de quebrar a cirene a pedradas.
 
Adão Rédua da Silva em 04/07/2013 14:58:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions