A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

02/05/2011 17:24

Aluno ganha indenização de R$ 20 mil por causa de brincadeiras de colegas

Viviane Oliveira

O garoto fraturou os dois punhos e teve uma luxação no tornozelo direito

A 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça concedeu indenização de R$ 20 mil para um aluno que teve fraturas por brincadeiras de colegas na escola particular de ensino médio e fundamental, em Campo Grande.

No dia 12 de abril de 2003, durante uma comemoração na chácara da escola, contra a vontade do aluno, os colegas o derrubaram e caíram sobre ele em uma brincadeira chamada montinho. Em conseqüência disso o garoto fraturou os dois punhos e teve uma luxação no tornozelo direito.

A escola alegou que agiu de forma correta, prestando toda assistência possível, e diz que a responsabilidade de indenizar o aluno recai sobre os pais dos menores. A escola sustenta que o valor da condenação é excessivo e deve ser reduzido para R$ 5 mil.

O desembargador Vladimir Abreu da Silva, explica que a partir do momento em que o aluno encontra-se nas dependências da escola, a instituição torna-se a única responsável, devendo zelar por sua integridade física e moral.

Sobre o valor da indenização o relator esclarece que em razão do ocorrido, o aluno teve que fazer tratamento médico e engessar os dois punhos. Além disso, o garoto pediu a transferência da escola, porque se sentiu intimidado.

Outro ponto analisado foi o descaso da escola, pois não se preocupou em dar os primeiros socorros, apenas levou o aluno em casa. O relator considerou acertada a quantia indenizadotória de R$ 20 mil a título de dano moral, e R$ 442,15 por danos materiais.

Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...
Homem tem corpo queimado em acidente doméstico e morre na Santa Casa
Após dois dias internado, José Loureiro da Cruz, 49 anos, morreu por volta das 6h30 desta sexta-feira (15) na Santa Casa em decorrência de acidente d...


Brincadeiras infantis inconsequentes existem há séculos. Já a omissão paterna é um fenômeno mais recente, coisa das últimas duas ou três décadas. Muito provavelmente isso é fruto indireto da "Nova Pedagogia" - expressão moderna para deseducação. Mas, de tudo, o que mais espanta neste caso específico é a escola ignorar que é 100% responsável por aquilo que ocorre em seus domínios ou sob sua tutela.
 
Marcelo Idiarte em 14/04/2012 04:03:25
Mesmo depois de tanto tempo, os pais dos "aluninhos queridos que fizeram o montinho" devem sim ser chamados à responsabilidade e que sirva de exemplo para os pais que acham que seus filhos são sempre anjos nas brincadeiras. Quanto à escola, é uma vergonha ela se pronunciar dizendo que o valor é excessivo, pois saiu muito barato a sua falta de responsabilidade perante o aluno. Imagine se isso acontecesse num país sério?
 
Lene Lopes em 03/05/2011 10:05:59
REFORÇO E APOIO A OPINIÃO DA SRª DILAMAR, OS PAIS DEVEM OLHAR MAIS PARA SEUS FILHOS, A LIBERDADE DAS CRIANÇAS ESTA DESMEDIDA, NÃO HÁ VALOR QUE PAGUE OS DANOS CAUSADOS PARA A CRIANÇA ACIMA CITADA, E A ESCOLA TEM QUE SER RESPONSÁVEL SIM! OS PAIS ESTÃO TRABALHANDO E PAGANDO POR ENSINO E RESPONSABILIDADE DA ESCOLA POR SEUS FILHOS ENQUANTO SOB A GUARDA DA MESMA.
 
brandina gomes em 03/05/2011 08:05:58
É fácil ser palmatória do mundo... É fácil dizer que "no meu tempo não havia isso"... Mas diante de tudo que se ouve do que ocorre nas escolas, creio que pesaria positivamente se os professores não buscassem parecer adolescentes, para que estes pudessem tomá-los como modelos, não o contrário. A necessidade de comunicação com os alunos não pode abolir a postura de adulto, pois é na escola que o aluno se "adultiza" e não que o professor se infantiliza.
 
Valfrido M. Chaves em 03/05/2011 04:42:47
É revoltante saber que a escola queira jogar uma responsabilidade que é dela aos pais dos alunos envolvidos, e saber tambem, que ela(escola) acha que o valor da indenização é excessivo. Eu diria que é excessivamente BAIXO pelo trauma e sofrimento que esse aluno passou . Ah, mas quem liga pra isso? Não foram os punhos do professores que sofreram quebraduras! Foram os punhos de "um aluno qualquer" que PAGA mensalidade pra que essa "escola" possa existir.
 
Marcia Maria em 03/05/2011 02:27:43
Essa quantia ao meu ver ainda é pouco em consideração ao tempo que já se passou e também pela humilhação causada a criança.Não há dinheiro que pague os danos morais causados,pois o que aconteceu será difícil de esquecer.Os pais precisam acompanhar mais o comportamento de seus filhos,para que não se tornem ainda mais violentos na maturidade.
 
Dilamar A. Lopes em 02/05/2011 07:44:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions