ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Alvo de operação, obra do PAC teve problemas um mês após conclusão

Aline dos Santos e Luana Rodrigues | 10/07/2015 12:43
Avenida já tinha buraco após um mês e o problema persiste. (Foto: Marcos Ermínio)
Avenida já tinha buraco após um mês e o problema persiste. (Foto: Marcos Ermínio)
"Vi que o asfalto começou a quebrar, buraco para todo o lado", conta Antônio. (Foto: Marcos Ermínio)
"Vi que o asfalto começou a quebrar, buraco para todo o lado", conta Antônio. (Foto: Marcos Ermínio)

“A minha pobreza não entende essas coisas”. A afirmação é de Antônio Alves, que há 15 anos tem uma banca ao lado da avenida Lúdio Martins Coelho, obra de R$ 55 milhões do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Entregue em dezembro de 2011, já tinha buracos um mês depois, em janeiro de 2012. A pavimentação fez parte do projeto Lagoa e está na mira da operação Lama Asfáltica, que detectou prejuízo de R$ 11 milhões ao avaliar contratos.

Antônio, 65 anos, conta que acompanhou toda a obra, executada por meio de parceria entre a prefeitura de Campo Grande, governo do Estado e União. “Vi que o asfalto começou a quebrar, buraco para todo o lado, pensava que era por conta do movimento de caminhão e carro. Mas com essas notícias, já mudou”, afirma.

A banca fica em frente  a uma depressão acentuada no asfalto empossa água. “Nem precisa chegar em casa para tomar banho”, diz, fazendo graça ao contar que os veículos passam em alta velocidade e a água atinge quem está por perto.

A estudante Suellen Vieira, 22 anos, usa a pista que margeia a avenida para caminhar e andar de patins. “A rua até que está boa. Mas a pista tem 'montanhas' no asfalto, degraus que dão mais de três dedos”, afirma.

Para o estudante Wellington Thiago, 18 anos, o maior problema da avenida é a má sinalização. “Porque acontece muitos acidentes. Para cruzar a via, ninguém sabe exatamente de quem é a preferencia. Tinha que ter mais sinalização horizontal e semáforo”, avalia.

Dois nomes - A avenida, subdividas em dois trechos – Lúdio Martins Coelho (ex-prefeito) e Nasri Siufi (dentista e pai do vereador Paulo Siufi) -, foi inaugurada em 17 de dezembro de 2011, dentro do Complexo Lagoa, obra do PAC 1.

A prefeitura executou o trecho entre a rua Antonio Bandeira até o macroanel rodoviário, num total de seis quilômetros. A justificativa da administração municipal foi de que os problemas eram pontuais.

O governo do Estado foi responsável pelo trecho de 4,6 km entre avenida Duque de Caxias à rua Antonio Bandeira. À época, a informação era de que os buracos estavam em um asfalto feito em 2003.

A parte do governo custou R$ 19 milhões, sendo R$ 13,6 milhões da União. O primeiro contrato foi publicado em 25 de dezembro de 2009 no Diário Oficial do Estado. No valor de R$ 16,5 milhões, o documento foi firmado pelo então secretário estadual de Obras, Edson Giroto, e o representante do Consórcio Lagoa, João Alberto Krampe Amorim.

O consórcio era constituído pelas empresas Moviterra Construções e Comércio Ltda e Proteco Construções e Comércio Ltda.

Batidas – A operação Lama Asfáltica, deflagrada ontem pela PF, CGU (Controladoria-Geral da União) e Receita Federal, cumpriu 19 mandados de busca e apreensão. As ações foram na mansão de Giroto, na residência de João Amorim, na Proteco, Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura) e empresas.

Foram apreendidos 100 mil dólares, três mil euros, R$ 210 mil em espécie e R$ 195 mil em cheques. Conforme a CGU, foram verificados contratos de R$ 45 milhões, que tiveram R$ 11 milhões de superfaturamento por meio de sobrepreço ou pagamento além do executado. As obras são do aterro sanitário de Campo Grande (2012) e da MS-430.

De acordo com a Receita Federal, somente duas empresas movimentaram R$ 600 milhões em cinco anos. O alvo é combater uma organização criminosa suspeita de fraudar licitações em obras públicas no Estado. O grupo é acusado de cometer sete crimes: sonegação fiscal, formação de quadrilha, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva e fraudes em licitação.

O nome da operação faz referência ao insumo usado nas obras identificadas, como pavimentação e ações de tapa-buracos.

PF cumpriu mandado de busca ontem na Proteco, (Foto: Marcos Ermínio).
PF cumpriu mandado de busca ontem na Proteco, (Foto: Marcos Ermínio).
Avenida foi inaugurada em dezembro de 2011. (Foto: Marcos Ermínio)
Avenida foi inaugurada em dezembro de 2011. (Foto: Marcos Ermínio)
Nos siga no Google Notícias