A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

11/01/2012 12:00

Apesar de lei garantir exame, bebê tem diagnóstico tardio e luta pela vida

Aline dos Santos

Lei ainda está longe de ser realidade nas salas de partos, pondo em risco a vida dos mais novos sul-mato-grossenses

Desde o último dia 6 de dezembro é lei: “todo ser humano nascido no Estado de Mato Grosso do Sul deverá ser submetido ao exame de oximetria de pulso”. Contudo, a publicação no Diário Oficial ainda está longe de ser realidade nas salas de partos dos hospitais, pondo em risco a vida dos mais novos sul-mato-grossenses.

Um deles é Lucas Samuel, nascido no Hospital do Pênfigo, em Campo Grande, vinte dias depois da exigência do Teste do Coraçãozinho. O menino nasceu com a Síndrome de Hipoplasia de Ventrículo Esquerdo, um grave problema que deixa apenas meio coração em funcionamento.

O risco à vida do bebê poderia ter sido identificado por meio do exame de oximetria de pulso, que não foi realizado. A partir do diagnóstico, o correto era encaminhá-lo diretamente para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), mas o bebê teve alta um dia depois do nascimento, foi para casa, onde ficou por cinco horas, e começou a passar mal.

“Percebi que ela não fazia xixi e estava dormindo demais. Fui para o Hospital da Criança, no caminho, ele começou a gemer. Aí já vi que era grave”, relata Priscila Garcia Soares, de 21 anos, mãe de Lucas.

Como o Hospital da Criança não tem UTI, o menino foi levado para o HR (Hospital Regional) Rosa Pedrossian, onde foi entubado. “Se ele tivesse tido o diagnóstico correto, não teria sofrido assim. Agora, tem que fazer diálise, está entubado e com infecção no fígado”, conta a mãe, que só pode ficar ao lado do filho por 1h30 durante o dia, divididos em três visitas de meia-hora.

Agora, internado na Santa Casa, sua única chance de sobrevivência é a vaga conseguida hoje pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, que é referência no tratamento. A mãe pretende transferi-lo ainda nesta quarta-feira, para que Lucas seja submetido à cirurgia amanhã. O cenário se torna mais difícil porque a indicação é de que a cirurgia seja realizada entre dois e cinco dias de vida.

Pagar com a vida - “Criaram a lei, mas os hospitais nem estão sabendo e nem tem o oxímetro de pulso. Criam a lei, mas ela não está sendo cumprida. Isso pode custar a vida das crianças”, denuncia a guarda municipal Liliane Caramel, representante da AACC (Associação de Apoio à Criança Cardiopata) Pequenos Corações em Mato Grosso do Sul.

No ano passado, ela perdeu um filho que nasceu com cardiopatia e se tornou voluntária para ajudar outras famílias. “Eu sei o que é lutar até o fim pela vida de um filho”, afirma Liliane. No seu caso, a síndrome foi descoberta ainda na gravidez. Ela conseguiu tratamento em São Paulo, mas o recém-nascido não resistiu à gravidade da doença.

No exame, o oxímetro é colocado no dedo para verificar a quantidade de oxigênio no sangue.

Autor do projeto que virou lei, o deputado estadual Márcio Fernandes (PTdoB) afirma que a legislação ainda será regulamentada, num prazo de 90 dias.

Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...


Meu Deuss fiquei apavorada com essa reportagem pois estou gravida e meu bb foi diagnosticado com Septo ventricular cardiaco fetal espessado.Vou exigir que seja realizado esse exame..
 
Sandra Pereira Maior em 12/01/2012 11:33:01
Eu tive minha filha no hospital adventista do pênfigo em 2004 fiz cesárea e no dia seguinte após 8 horas me levantaram da cama eu desmaiei e começaram as dores de cabeça forte disseram que tive reação da anestesia cefaléia pós-parto na época minha ginecologista queria conversar com o médico que me deu a anestesia ninguém encontrava ninguém sabia aonde estava, fiquei 5 dias internada.
 
Simone Bigetti em 12/01/2012 11:16:50
as leis existem, mas infelizmente como tudo no Brasil corre frouxo, a demora em se cumprir é grande, acontece o mesmo com o direito de ter um acompanhante da família da gestante na hora do parto, e os hospitais cobram 100 reais da pessoa que queira companhar o parto... é um absurdo.
 
kelly cristina da silva ferreira em 11/01/2012 08:15:47
Lamentável, acompanhar um caso desses. Como mãe de cardiopata, também tratada em São Paulo, eu lamento muito por nossos governantes e por nossos médicos não se empenharem no tratamento de nossas crianças. É uma grande vergonha.
 
ana andrades em 11/01/2012 03:28:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions