ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Após denúncia de estupro no HR, OAB tenta localizar mais vítimas

Comissão de Direitos Humanos enviou ofícios ao Hospital, Secretaria de Saúde, Conselho de Enfermagem e MPE pedindo informações

Por Mirian Machado | 17/02/2021 13:49
Mãe e vítima formalizaram pedido de ajuda na OAB/MS na última sexta-feira (12) (Foto: Arquivo)
Mãe e vítima formalizaram pedido de ajuda na OAB/MS na última sexta-feira (12) (Foto: Arquivo)

Diante da infração dos direitos humanos e da séria denúncia de estupro dentro do Hospital Regional em Campo Grande, a CDH (Comissão de Defesa dos Direitos Humanos) da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), tenta localizar outras possíveis vítimas. O sigilo é garantido e a pessoa só precisa procurar a OAB.

A Comissão enviou ofícios pedindo providencias à diretoria do Hospital Regional, Secretaria Estadual de Saúde, Ministério Público Estadual e ao Conselho Regional de Enfermagem.

Os ofícios servem para apurar o que de fato ocorreu em leito dentro do hospital. Os órgãos têm de 15 a 30 dias para apresentar resposta. “Pela garantia constitucional de acesso à informação, eles também não podem se negar a prestar informação, pois podemos acioná-los judicialmente”, informou o presidente da CDH da OAB, Christopher Pinho Ferro Scapinelli.

Vítima e mãe procuraram a OAB na última sexta-feira (dia 12) e formalizaram o pedido de ajuda.O presidente da Comissão de Direitos Humanos lembra que as acusações são graves, mas há necessidade de apuração e do suspeito inclusive ser ouvido e apresentar sua versão, para chegar a uma conclusão.

“A OAB acompanha esse inicio de processo e se houver alguma omissão, algum entendimento que a OAB não concorde, aí pedimos revisão da decisão ou vamos a um órgão superior. O que fazemos é não deixar que o desfecho caia em esquecimento”, afirma.

Ainda conforme Scapinelli, caso seja provado de que o suspeito realmente concretizou o fato relatado, a OAB pede a responsabilização penal e administrativa junto ao MP e conselhos de classe.

Ao Campo Grande News, a diretora do hospital Rosana Leit informou que medidas foram tomadas no dia em que crme foi comunicado, como mudar a paciente de quarto e acionar a polícia. “Abrimos sindicância para apurar o caso”, disse, além de reforçar ações de orientação, cursos de empatia e os cuidados com os pacientes.

Vítima denunciou que caso aconteceu na madrugada no último 4 (Foto: Henrique Kawaminami)
Vítima denunciou que caso aconteceu na madrugada no último 4 (Foto: Henrique Kawaminami)

Caso- A denúncia de violência sexual foi divulgada no último dia 4 pela mãe da paciente. A vítima, uma mulher de 36 anos, estava internada no HR, em Campo Grande, desde o dia primeiro de fevereiro. A paciente tinha covid-19 e respirava com ajuda de máscara de oxigênio. O ataque foi na madrugada do dia 4, uma quinta-feira.

Depois de ter passado mal durante a noite, tendo vômito e falta de ar, a paciente notou quando o profissional de enfermagem começou ir ao quarto dela durante a madrugada e começou a passar a mão em seu corpo. Em determinado momento, o suspeito retornou ao leito com “óleo de girassol”, passou nos dedos e começou a abusar da vítima.

Mesmo debilitada, a paciente diz ter tentado resistir ao abuso como pôde, pedindo para o homem parar e sair de cima dela, mas ele insistia em passar a mão na virilha da paciente enquanto pedia para ela “abrir as pernas”. O homem repetia que queria masturbar a paciente e que não era para ela resistir, se não poderia "dar problema para ele".

No último dia 10, a vítima contou à reportagem do Campo Grande News que o enfermeiro tinha comportamento estranho. “Ele me alisava e me chamava de meu doce. Dizia que era bom no que fazia e que eu iria gostar. Eu tentei resistir, mas ele pedia pra eu não fazer barulho e colaborar. Me aterrorizou a noite toda até conseguir o que queria. Ele era sádico, se divertia com meu desespero”, contou, ainda com a voz fraca pela doença e chorando.

O crime é investigado pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), que já ouviu quatro enfermeiras e pediu perícia nas roupas que a paciente usava na noite do estupro.  A paciente, que é bacharel em Direito e trabalha como vendedora,  foi encaminhada para exames no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

O Hospital Regional entregou a escala de plantão, mas não se manifestou sobre a denúncia. “Reiteramos que todos os casos de supostas infrações nos diversos campos, administrativo e assistencial, o HRMS pauta-se nos ditames éticos e legais vigentes para tomada de providências", diz a nota do hospital.

Conforme o Código Penal, é crime de estupro constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso.

Hospital informou que medidas foram tomadas no dia em que crime foi comunicado (Foto: Divulgação)
Hospital informou que medidas foram tomadas no dia em que crime foi comunicado (Foto: Divulgação)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário