A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

27/06/2012 10:03

Após denúncia na imprensa, homem é atendido e tem cirurgia marcada no HR

Paula Vitorino

O descaso de mais 31 horas a saúde e ao sofrimento da família do catador de lixo José Pedro Ferreira do Nascimento, de 38 anos, teve fim na noite de ontem, logo após o caso ser denunciado no Campo Grande News.

Com perfuração no tórax, ele aguardava atendimento nos corredores do Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande, pois os funcionários informaram para a família que não tinha médico especialista de plantão.

De acordo com a sua esposa, Edna Chaves Velásques, de 44 anos, que também é trabalhadora do lixão, equipe de funcionários e médico foram atender José logo após a reportagem entrar em contato para saber sobre o caso.

A reportagem foi publicada às 21h35 de ontem, mas José aguardava atendimento desde às 14h de segunda-feira (25).

“Apareceram e já levaram ele para um quarto. Graças a Deus terminou o sofrimento dele, agora está tudo bem”, conta.

Hoje, às 8h, José fez tomografia e a sua cirurgia está marcada para às 10h. Sua esposa informou que o ferro rompido do tórax será retirado, mas não soube informar qual o tipo de procedimento cirúrgico.

José estava com um corte exposto no tórax após um dos ferros implantados no local se romper na segunda-feira. O corte tinha aproximadamente dois centímetros, próximo ao pescoço, e estava com sangramento e pus.

Edna conta que há cinco anos José Pedro foi esfaqueado e precisou passar por um procedimento cirúrgico, que resultou na implantação de grampos de ferro no interior do tórax. Há dois anos, ele vem sentindo dores no local, apresentado secreção líquida no corte que ficou na região do peito.

Indignação - A advogada Elaine Silva Viana entrou em contato com a reportagem indignada com o descaso ao paciente.

“O Governo é obrigado a garantir a saúde, se não tem especialista em determinado hospital, eles que paguem um médico ou transfiram para outro local capacitado”, diz.

Ela alerta que cabe ação de reparação de danos por parte da vítima neste caso A família pode pedir indenização e o hospital, além do Estado que é responsável pela gestão, receberem sanções penais.

Edna informou que não pretende entrar na Justiça contra o hospital, já que o seu marido está sendo bem atendido agora. Mas quer ajuda jurídica para pedir a aposentadoria de José.

“Vou procurar ajuda para pedir a aposentadoria dele, porque agora ele não pode trabalhar, mesmo. Da outra vez ele voltou a trabalhar e deu nisso, agora não pode correr o risco de ficar pior”, diz.

Com perfuração no tórax, homem aguarda atendimento há mais de 31h
Desde às 14h de segunda-feira (25), um homem de 38 anos, com perfuração no tórax, aguarda nos corredores do Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Cam...
Eventos de Natal, inauguração de igreja e obras interditam 9 ruas na Capital
A Agetran (Agência Municial de Transporte e Trânsito) informa que pelo menos 9 ruas terão o tráfego impedido neste domingo (17) em Campo Grande. O fe...
Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata - com placas HTI-8594 - assaltaram ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro C...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...


a sociedade não sabe do poder que tem, se todos se unissem e protestassem de forma eficaz muita coisa seria mudada no Brasil.
 
kelly cristina da silva feereira em 27/06/2012 01:33:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions