ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  08    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Após denúncia, polícia encontra "creche" com 12 crianças no Coophavila

Dona da casa irá responder por infração à medida sanitária, por promover aglomeração; serviço começou pós pandemia

Por Silvia Frias | 03/07/2020 08:49
Equipes da Vigilância Sanitária e Conselho Tutelar averiguam creche improvisada (Foto: Direto das Ruas)
Equipes da Vigilância Sanitária e Conselho Tutelar averiguam creche improvisada (Foto: Direto das Ruas)

Uma mulher, residente no bairro Coophavila, foi denunciada por manter creche irregular dentro de casa, com cerca de 12 crianças, entre eles, bebê de 10 meses. Ela começou a trabalhar como cuidadora a partir do período da pandemia, quando os pais tiveram que voltar ao trabalho e não tinham com quem deixar os filhos.

A denúncia foi feita ontem à DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente). Inicialmente, a informação era de maus-tratos e aglomeração, mas, segundo a delegada-adjunta Elaine Benicasa, a investigação constatou, além da atividade irregular de creche, a infração à medida sanitária por conta do ajuntamento de pessoas.

Elaine disse que cerca de 12 crianças foram encontradas, com idade entre 10 meses a 10 anos. A cuidadora era auxiliada por outras duas mulheres, que também estavam com os filhos na casa. A delegada disse que o caso irá gerar TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) para o crime de infração de medida sanitária,com pena de prisão que um mês a um ano de prisão. A mulher irá responder em liberdade.

Animais eram alimentados no chão da cozinha (Foto: Direto das Ruas)
Animais eram alimentados no chão da cozinha (Foto: Direto das Ruas)

A conselheira tutelar Letícia Louveira disse que a situação foi agravada pela falta de higiene do local. Na cozinha, o preparo de alimento era feito no mesmo ambiente que o coelho de estimação recebia ração e havia cachorro circulando também. Em cima da mesa, foram encontradas bebidas alcóolicas sobre a mesa, ao alcance das crianças maiores. No imóvel e no quintal, objetos pontiagudos e água acumulada, risco à integridade física e saúde das crianças. A mulher também tentou esconder algumas crianças embaixo da cama depois da chegada da equipe, acompanhada da Vigilância Sanitária.

A conselheira irá enviar relatório da ocorrência ao MPMS (Ministério Público de MS) para que se decida se a mulher possa ser enquadrada em alguma outra irregularidade.

A delegada enfatizou que não houve maus-tratos, mas explica que a situação era irregular por juntar crianças de várias famílias, em atividade irregular e sem qualquer medida sanitária para evitar possível contágio do novo coronavírus (covid-19).

#matéria atualizada às 9h54 para acréscimo de informações