A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

31/10/2012 17:00

Após morte, 300 presos se recusaram a voltar a celas na Máxima

Suspeita é que o detento tenha morrido de overdose, no início da tarde

Nadyenka Castro e Luciana Brazil
Polícia foi chamada por conta do tumulto e da morte na Máxima. (Foto: Minamar Júnior)Polícia foi chamada por conta do tumulto e da morte na Máxima. (Foto: Minamar Júnior)

Cerca de 300 presos do Pavilhão 1 do Estabelecimento Penal de Segurança Máxima de Campo Grande se recusaram a voltar às celas, na tarde desta quarta-feira, após um detento ter sido encontrado morto. A situação causou tumulto no presídio.

Agentes penitenciários controlaram a situação, mas a PM (Polícia Militar), incluindo a Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) foi chamada.

De acordo com o capitão Cláudio Luiz Ferreira Muzili, do 9º Batalhão, os presidiários tomaram banho de sol e, na hora de voltar às celas, se recusaram. Após a confusão inicial eles retornaram, mas, as portas ficaram abertas, tendo sido fechadas com a chegada da PM.

A recusa aconteceu após um detento ter sido encontrado morto no pátio.  Conforme a perita criminal Thayla Venanci, a principal suspeita é que o presidiário tenha morrido de overdose.

Segundo a perita, no corpo não havia sinais de asfixia, nem de outro tipo de violência. No nariz havia pó e uma capa de caneta foi encontrada ao lado, assim como uma tampa de vasilha com pequena porção de substância que aparenta ser cocaína.

A suspeita é que a morte tenha acontecido há cerca de duas, três horas. A identificação do detento ainda não foi divulgada.

Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...


Cadê os Direitos Humanos? Nessas horas eles têm de se manifestar com mais visibilidade na mídia. Os presidiários também são seres humanos e merecem carinho e respeito por parte da sociedade. Faço votos para que cada vez mais a mídia denuncie as mazelas do sistema penitenciário e os maus tratos contra os presos. Coitadinho deles!
 
Paulo Ortega Júnior em 04/11/2012 22:26:35
Nossa Ana Bergamo, que comentário mais inteligente, sensato e humano. É isso aí, vamos generalizar tudo, e tratar todos como animais que não tem a menor chance de mudança ou recuperação. Desejando a morte de todos eles, sem ao menos fazer distinção de certos casos, estamos muito diferente deles??? Cuidado, o mundo dá voltas, e não sabemos o que pode acorrer a nós, nossos filhos, parentes ou amigos no amanhã!!! Não estou defendendo criminosos, a justiça precisa ser feita, mas vejo que aqui fora, andando livres e soltos, há pessoas com caráter igual ou pior que o deles.....
 
Mariana Matos em 02/11/2012 11:30:56
PARABÉNS ALEXANDRE DE SOUZA, OS PRESÍDIOS DO BRASIL TEM MAIS DROGA LÁ DENTRO DO QUE AQUI FORA EIS A RAZÃO PQ NENHUM VICIADO TEM MEDO DE SER PRESO, LÁ A REFEIÇÃO É NA HORA EXATA, TARADO TEM TRABALHO REMUNERADO GARANTIDO, VICIADOS TEM O DOMÍNIO DA PRISÃO E SE ALGUMA PESSOA PRESA NÃO CONSENTIR O USO INDISCRIMINADO DA TAL DROGA E RECLAMAR PARA O DIRETOR OU AGENTE ELE NÃO TEM A QUEM SE MANIFESTAR, ATÉ PQ NINGUÉM SE IMPORTARÁ E NENHUMA PROVIDÊNCIA SERA TOMADA !!! ENTREVISTA O ATUAL DIRETOR DA AGEPEN SOBRE O CASO ??!! A RESPOSTA SERA: ABRIMOS SINDICÂNCIA, COMUNICAMOS FULANO E NADAAAAAAAA !!!
 
NEI FERREIRA VILELA em 01/11/2012 09:25:08
Ótimo, menos um vagabundo.
 
Alexandre Melo em 01/11/2012 07:45:36
É piada? Detento morre de overdose dentro do Estabelecimento Penal de Segurança Máxima? Que eu saiba ali é lugar de recuperação de transgressor e se entra drogas a responsabilidade é do diretor e o mesmo teria um determinado tempo para estabelecer medidas para com os agentes para impedir que a droga chegue ao detento. Onde a reincidencia do ocorrido deveria ter a exclusão do mesmo da função e investigação federal para investigar se há conivência dos agentes. Deveria haver uma lei onde o detento que descumprir leis dentro do presídio tenha a pena dobrada e sem direito de condicional! Divulguem a idéia !
 
Alexandre de Souza em 31/10/2012 22:16:19
Hoo!!!.que pena tomara que esses outros 300, também use esta substancia.Menos vagabundos para o povo tratar
 
ana bergamo em 31/10/2012 21:00:36
ja que não querem ficar lá, colocam no presidio federal!
 
Anderson silva em 31/10/2012 19:15:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions