ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Associação promete Escola de Saúde em antigo colégio Oswaldo Cruz ainda este ano

As obras estão sendo acompanhadas pelo Ministério Público Estadual em ação na Justiça

Por Lucia Morel | 27/05/2022 16:53
Antigo colégio na avenida Fábio Zahran passa por obras. (Foto: Kísie Ainoã)
Antigo colégio na avenida Fábio Zahran passa por obras. (Foto: Kísie Ainoã)

Em andamento, as obras no prédio do antigo Colégio Oswaldo Cruz, na avenida Fábio Zahran, em frente aos fundos do Mercadão Municipal, só devem ser 100% finalizadas em 2023, quando a ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande) deve receber a última parcela dos recursos necessários para encerramento da construção.

O impasse e a briga judicial que se travaram pela responsabilidade do espaço entre a associação -  mantenedora da Santa Casa – e a Prefeitura de Campo Grande ainda subsistem, mas a entidade promete, mesmo sem o encerramento total da reforma, que a futura Escola de Saúde prevista para o local será inaugurada ainda este ano.

“Com a segunda etapa em fase final prevista para entrega em junho de 2022, a Escola Saúde da Santa Casa já iniciará o uso do edifício com aulas e cursos técnicos voltados a saúde”, diz nota da entidade ao Campo Grande News.

Muros do local estão quebrando. (Foto: Kísie Ainoã)
Muros do local estão quebrando. (Foto: Kísie Ainoã)

Conforme a Santa Casa, a segunda etapa contempla a recepção principal, sala dos professores, sala administrativa, diretoria, secretária, biblioteca, seis salas de aula, dois laboratórios, banheiros masculino e feminino, além de toda acessibilidade do prédio.

“Para continuidade da restauração, a Associação Beneficente de Campo Grande aguarda o pagamento da terceira parcela, referente ao pagamento dos lucros cessantes pela Prefeitura de Campo Grande, que totaliza cerca de 2 milhões de reais através de precatório com o pagamento previsto para o ano de 2023”, diz a nota.

Justiça – em ação civil impetrada pelo Ministério Público, tanto a associação quanto a prefeitura são cobrados por dar uma destinação ao local, que é patrimônio histórico-cultural.

Placa mostra detalhamentos da obra. (Foto: Kísie Ainoã)
Placa mostra detalhamentos da obra. (Foto: Kísie Ainoã)

O órgão alega que a Santa Casa tem sido omissa em cuidar do antigo colégio e “porquanto não exerce seu dever legal de providenciar a execução dos serviços necessários ou desapropriar o bem, em caso de impossibilidade financeira do proprietário em realizar as obras de reparo e conservação”.

Decisão preliminar do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos determinou audiência para o último dia 10 de maio, que foi encerrada sem acordo entre as partes. Enquanto isso, as obras no local continuam.

Nos siga no Google Notícias