A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 25 de Abril de 2019

21/01/2019 14:55

Ato contra fim da Justiça do Trabalho reforça que medida inviabiliza direitos

Ato, que ocorre em outras cidades do País, é reação da classe à fala do presidente Jair Bolsonaro sobre extinção do ramo da Justiça

Mayara Bueno e Liniker Ribeiro
Profissionais durante ato na frente da Justiça do Trabalho. (Foto: Liniker Ribeiro).Profissionais durante ato na frente da Justiça do Trabalho. (Foto: Liniker Ribeiro).

Ao menos 50 profissionais entre magistrados, advogados e procuradores fizeram um ato em frente à Justiça do Trabalho, em Campo Grande, no começo da tarde desta segunda-feira (dia 21). Eles protestam contra ameaça de extinção do ramo voltado às questões trabalhistas na Justiça, anunciada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo o presidente da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho), Christian Gonçalves, o ato ocorre em 41 cidades – entre elas, todas as capitais. Em São Paulo, por exemplo, o ato começou no período da manhã em frente ao Fórum Trabalhista.

O descontentamento com a fala do presidente se dá, principalmente, porque a Justiça do Trabalho recebe diversos processo e que, na visão do grupo, encaminhá-los para a Justiça comum inviabilizaria o julgamento eficaz.

Hoje, afirma, um caso envolvendo questão de trabalho pode ser solucionado entre 8 e 12 meses, enquanto na Justiça comum leva-se, no mínimo, dois anos. Diego Grazotto, presidente da Abrat (Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas), afirma que os profissionais estão lutando para garantir direitos sociais, a Constituição Federal e o processo democrático.

Às pessoas que passavam no local foi entregue um folheto explicando o que é mito e o que é verdade em relação aos processos trabalhistas. Segundo os participantes do ato, Bolsonaro afirma que a Justiça do Trabalho protege os trabalhadores e prejudica o empresário, ideia que é combatida pelos profissionais da área.

Ainda de acordo com Diego, audiências devem ser feitas para debater o assunto. O receio de que, de fato, o setor seja extinto leva o grupo a agir “para que não se flexibilize ainda mais os direitos do trabalho e não haja possibilidade da Justiça de Trabalho acabar”.

Participaram integrantes da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho), ANPT (Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho) e ATT-MS (Associação Nacional dos procuradores do Trabalho).

A fala do presidente sobre o assunto foi ao ar em 3 de janeiro, durante uma entrevista ao SBT. Bolsonaro disse que "havendo clima", a proposta de extinção pode ser levada para frente.

Ofício do TST tenta cancelar atos contra fim da justiça do trabalho
Um ofício expedido pelo ministro presidente do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho Superior de Justiça do Trabalho, João Batista Britto Perei...
A extinção da Justiça do Trabalho
Nos últimos dias estamos acompanhando manifestações e reflexões que abordam a possibilidade de extinção da Justiça do Trabalho no Brasil. Quando ques...
O equívoco do discurso de extinção da Justiça do Trabalho
Novamente, e agora pela autorizada voz do Senhor Presidente da República, se volta a defender a extinção da Justiça do Trabalho, como se ela fosse a ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions