A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

04/10/2015 12:40

Barro e obras causam transtornos em vias do Parque dos Laranjais, na Capital

Liana Feitosa
Moradores do bairro Parque dos Laranjais enfrentam dificuldades de transitar pelas ruas não asfaltadas do bairro. (Foto: Gerson Walber)Moradores do bairro Parque dos Laranjais enfrentam dificuldades de transitar pelas ruas não asfaltadas do bairro. (Foto: Gerson Walber)

Depois da chuvarada registrada nos últimos dias na Capital, moradores do bairro Parque dos Laranjais enfrentam dificuldades de transitar pelas ruas não asfaltadas do bairro por causa de interdições e do barro que tem causado atoleiros.

Em contato com o Campo Grande News, uma moradora da região disse que a situação está complicada.

"Agora com essa chuva não dá nem pra sair de casa. Intransitável", desabafa a pedagoga Valéria Seffin, de 57 anos.

Entre as ruas com pior condição para tráfego está a Sibipiruna.

Locais - Essa e outras da área, como a Cerejeira, passam por obras de drenagem há cerca de 3 meses, segundo moradores.

Rua Sibipiruna está entre as de pior condição para tráfego. (Foto: Gerson Walber)Rua Sibipiruna está entre as de pior condição para tráfego. (Foto: Gerson Walber)
Quando chove, a água toma conta e muitos carros caem no buraco, aí os irmãos (membros da igreja) têm que fazer mutirão para desatolar, conta Jailda Barbosa. (Foto: Gerson Walber)"Quando chove, a água toma conta e muitos carros caem no buraco, aí os irmãos (membros da igreja) têm que fazer mutirão para desatolar", conta Jailda Barbosa. (Foto: Gerson Walber)

Para Jailda Barbosa, de 62 anos, o perigo de atolar o carro em meio ao barreiro é grande. Ela não mora no bairro, mas há 4 anos vai ao local toda semana, na igreja que frequenta.

"É bem ruim, tem muito barro. Hoje pelo menos não está chovendo, mas, quando chove, a água toma conta e muitos carros caem no buraco, aí os irmãos (membros da igreja) têm que fazer mutirão para desatolar", conta.

Já o auxiliar administrativo Hugo Pereira, de 38 anos, acredita que o transtorno vale a pena, já que é para uma causa maior. "O povo reclama muito. Tá tuim? Tá, mas vai ficar bom. Vai melhorar", afirma.

"O brasileiro tem esse hábito de reclamar de tudo, ninguém elogia ninguém, não elogia nada", repreende. "Mas esse (transtorno) é o preço da melhoria. Ela tá chegando já, tá ali na esquina já!", brinca.

O povo reclama muito. Tá tuim? Tá, mas vai ficar bom. Vai melhorar, afirmou morador. (Foto: Gerson Walber)"O povo reclama muito. Tá tuim? Tá, mas vai ficar bom. Vai melhorar", afirmou morador. (Foto: Gerson Walber)
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions