A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

07/09/2013 08:49

Cansados de "conviver" com roubos, moradores cobram posto policial

Elverson Cardozo
Bairro que, para alguns tem fama de perigoso, não tem posto policial. (Foto: Cleber Gellio)Bairro que, para alguns tem fama de "perigoso", não tem posto policial. (Foto: Cleber Gellio)

Moradores e comerciantes do Jardim Itamaracá, em Campo Grande, reclamam da falta de segurança no bairro. Nos últimos meses, residências e empresas vêm sendo alvo de furtos e assaltos à mão armada.

A população protesta, pede um posto policial, e diz que o poder público tem feito pouca coisa para mudar a situação. A polícia, por outro lado, informa que a maioria dos casos não são comunicados e, por isso, não geram estatísticas. Também afirma que o flagrante não é única “arma” dos militares, que trabalham, acima de tudo, com ações preventivas e necessitam, portanto, da colaboração de todos.

Moradora do bairro, que pediu sigilo do nome, disse ao Campo Grande News que, na terça-feira (3) à tarde, criminosos tentaram invadir a residência dela e da vizinha ao lado.

O “serviço” só não foi concluído porque o alarme de uma das casas disparou e assustou os envolvidos. Não conseguiram levar nada, mas o prejuízo, para a proprietária, passou dos R$ 200,00.

“Eles quebraram o portão. Quando cheguei estava emperrado. Tive que mandar trocar a fechadura”, relatou. Ela mora no Itamaracá há seis meses. Saiu do centro, garantiu, porque apostou na expansão imobiliária da região, mas a falta de segurança tem se tornado um problema.

O cenário fica ainda mais crítico quando se leva em conta problemas como a iluminação pública precária nas áreas mais isoladas.

“Estamos correndo risco”, resumiu, ao comentar que, no bairro, não há uma base fixa da PM (Polícia Militar) e, quando há ocorrências, é preciso, além de esperar, aguardar a viatura que, muitas vezes, vem regiões próximas, com a Moreninha. “É necessário até para não afugentar os investidores que estão crescendo”, considerou.

Proprietária de um mercado, na avenida principal, Eunice Stutz, 54 anos, sabe que o relato é verdadeiro e, por isso, diz: “Não tem muita segurança. A gente confia mais em Deus”.

Proprietária de um mercado, Eunice Stutz já teve o estabelecimento assaltado duas vezes. (Foto: Cleber Gellio)Proprietária de um mercado, Eunice Stutz já teve o estabelecimento assaltado duas vezes. (Foto: Cleber Gellio)
Moradora do bairro, a comerciante também ficou no prejuízo. Criminosos entraram na funilaria dele e roubaram o som de um carro. (Foto: Cleber Gellio)Moradora do bairro, a comerciante também ficou no prejuízo. Criminosos entraram na funilaria dele e roubaram o som de um carro. (Foto: Cleber Gellio)

O estabelecimento dela já foi assaltado duas vezes. Felizmente, a situação não se repete há 2 anos, mas o medo continua. “A porta está aberta e não sabemos quem entra. A polícia passa de vez em quanto, mas demora”, relatou ao dizer, também, que o bairro, por ser grande, já merece um posto policial.

Outra comerciante, que prefere não se identificar, cobra providência. “Eu nem ando aqui à noite. Moro desde 96 e o Itamaracá é famoso por ser um bairro perigoso”, disse.

Ele é proprietária de uma funilaria que, há 15 dias, foi invadida. Ladrões retiraram e levaram um aparelho de som que estava no carro de um cliente. Resultado: A empresa teve de arcar com o prejuízo, que ficou em R$ 300,00.

Depois do roubo, a solução foi contratar um segurança particular, que faz plantão à noite. Somadas as diárias, o custo fica entre R$ 800,00 e R$ 900,00. É melhor que registrar boletim de ocorrência. O documento é emitido, explicou, mas a solução, dificilmente aparece. “Você perde seu tempo e ninguém resolve”, afirmou.

Mesmo discurso tem o proprietário de um mercado, Clizendo Nóbrega, 44 anos. “O brasileiro não registra BO porque perde tempo. Nós já registramos, mas nada foi feito. Parece que a polícia não tem um serviço de inteligência”, disse. O mercado que ele administra existe há 5 anos e já foi assaltado cinco vezes. Nem as câmeras do circuito interno de segurança espantam os marginais. “Em todas eles apareceram armados”, relembrou.

Em uma situação, a ousadia foi tanta que o ladrão saiu levando a gaveta do caixa. Em outra, durante um arrastão, o indivíduo apareceu pedindo dinheiro com uma sacolinha. “Tem cara que chega sem capacete. Eles não se preocupam se o local tem ou não câmera”.

Ocorrências dessa natureza, pelo visto, aumentam dia a dia, em toda a cidade, mas para Clizendo, a situação, no Itamaracá, é pior porque o bairro, como disse outros moradores, não tem uma base da polícia.

Câmeras do circuito interno de segurança não costuma assaltar criminosos. (Foto: Cleber Gellio)Câmeras do circuito interno de segurança não costuma assaltar criminosos. (Foto: Cleber Gellio)

Adianta? - Subcomandante do 10º Batalhão de Polícia Militar, que atende a região do Itamaracá, o major Edilson José de Oliveira Ramos confirma que, de fato, no bairro não existe uma unidade fixa da PM, mas os militares, que vem de outras localidades, fazem a segurança em uma viatura e duas motos.

“Na verdade, nossas viaturas são dividas em pelotões. No 10º, por dia, a gente tem pelo menos 10 rodando, que atende de acordo com os chamados do Ciops (Centro Integrado de Operações de Segurança)”, explicou.

Major Edilson também confirma que, no bairro, entre os moradores, há reclamações relacionadas a roubos e furtos, mas, além do relato verbal, pouca gente, menos que 10% do total, ele estima, registram boletim de ocorrência, o que, na avaliação dele, é de extrema importância.

“O certo é registrar porque faz parte de nossas estatísticas. Se não faz isso, quando olhamos o sistema, notamos que lá está muito calmo”, elucidou. A polícia, completou, faz operações em cima de estatísticas. “A gente só provoca o poder público com registros”, concluiu.

Estatísticas oficiais - Dados do 10º BMP apontam que, do dia 1º de janeiro ao dia 1º de setembro deste ano, houve apenas quatro registros de furtos na região do Itamaracá. Duas pessoas foram presas.

O número de roubos que consta no sistema, neste mesmo período, é ainda menor: dois. Envolvidos em uma dessas ocorrências, cinco homens foram presos. Na outra, 2 adolescentes acabaram apreendidos.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


O povo tem que acabar com este mito de que Posto Policial inibe crime, tem que haver investimento é na compra e manutenção de viaturas, aumento significativo de efetivo, mudanças na lei penal e mudanças no sistema carcerário.
 
Lucidio Souza em 07/09/2013 10:43:16
Os policiais só os levam para delegacia e 24horas depois o juíz manda soltar, então por maior que seja o numero de policias nas ruas nunca ira diminuir o crime se continuar a por criminoso na rua! Cobrar os policiais é tratar a situação com ignorância, já que os mesmo fazem a sua parte e o judiciário não faz a sua. A melhor forma de resolver essa situação(pois o judiciário não vai mudar sua forma de agir pois penas mais pesadas irá afetar em prisões de pessoas de influência) é identificar os criminosos que em sua maioria moram na região e dar fim aos mesmos. A polícia não investiga morte de criminoso! E com o "medo" espalhado entre os bandidos eles irão diminuir. Da mesma forma que eles tocam o medo no povo o povo deve tocar o medo neles!
 
Alexandre de Souza em 07/09/2013 10:37:41
posto policial nao é questao de segurança pois nao adianta nada por um policial la se nao tiver viatura para as rondas
 
claudinei braz em 07/09/2013 09:28:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions