ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Capital terá canal para receber denúncias de violência durante o parto

Programa vai capacitar funcionários da saúde pública para padronizar as práticas mais comuns nas maternidades

Caroline Maldonado | 27/09/2022 09:14
Sala de parto da maternidade Cândido Mariano, em Campo Grande. (Foto: Divulgação/Maternidade Cândido Mariano)
Sala de parto da maternidade Cândido Mariano, em Campo Grande. (Foto: Divulgação/Maternidade Cândido Mariano)

Foi sancionada hoje (27) a lei que cria o Programa Municipal de Combate à Violência Obstétrica. Será criado um canal de denúncias especializado, ligado à Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), para registro de relatos de violência durante o parto.

A lei 6.928/22 sancionada pela prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (Patriota), foi proposta pelo vereador Victor Rocha Pires de Oliveira, o “Dr. Victor” (PP), que é médico ginecologista há 18 anos.

O vereador argumentou que uma em cada quatro brasileiras sofriam algum tipo de violência durante o parto, sendo verbal (xingamentos e frases de conotação sexual) e física (procedimentos dolorosos e desnecessários, sem consentimento), conforme dados de pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo, em 2010. O problema persiste nos dias de hoje e casos são recorrentes em Mato Grosso do Sul.

Com o programa, haverá ciclos de debates com educação perinatal a gestantes e uma campanha de informação e conscientização, a ser feita em locais públicos, em defesa do parto humanizado e de proteção à gestante e parturiente contra a violência obstétrica.

O programa também oferecerá formação e capacitação dos profissionais do SUS (Sistema Único de Saúde) para promover mudanças na prática clínica, a fim de uniformizar e padronizar as práticas mais comuns utilizadas na assistência ao parto; reduzir intervenções desnecessárias no processo de assistência ao parto; diminuir a variabilidade de condutas entre os profissionais no processo de assistência ao parto e recomendar determinadas práticas que promovam o parto humanizado.

A lei pontua que nenhuma das diretrizes previstas no programa substituirá o julgamento individual do profissional, da parturiente e dos pais em relação à criança, no processo de decisão no momento de cuidados individuais. A lei entra em vigor hoje.

Clique aqui para ver o texto da lei na primeira página da edição de hoje (27) do Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande).

Nos siga no Google Notícias