A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

15/09/2012 11:29

Casa abandonada revela rotina de vidas estragadas pelas drogas

Elverson Cardozo
 Casa abandonada revela rotina de vidas estragadas pelas drogas

Na manhã deste sábado um incêndio de pequenas proporções atingiu algumas das peças do imóvel, que tem mais de 8 cômodos

Aos 22 anos, moradora de Sidrolândia é uma das frequentadoras do local. Se pudesse, afirmou, começaria do zero. (Foto: Elverson Cardozo)Aos 22 anos, moradora de Sidrolândia é uma das frequentadoras do local. Se pudesse, afirmou, "começaria do zero". (Foto: Elverson Cardozo)
Thais, a única que aceitou dizer o primeiro nome, está grávida de 6 meses, mas continua fumando pasta base. (Foto: Elverson Cardozo)Thais, a única que aceitou dizer o primeiro nome, está grávida de 6 meses, mas continua fumando pasta base. (Foto: Elverson Cardozo)

Elas têm a mesma idade e, infelizmente, estão no mesmo caminho. A diferença é que uma delas está grávida de 6 meses e é usuária de pasta base há 6 anos, enquanto a outra conheceu a droga destruidora há 24 meses.

Sob a condição de não serem identificadas, as personagens que abrem essa reportagem também abriram um pouco de suas vidas. Desta forma, o Campo Grande News inicia uma série sobre essa verdadeira epidemia que destrói vidas, massacra famílias e é apontada por quem lida com o dia-a-dia da criminalidade como um motor da violência no Estado.

As personagens aqui descritas são frequentadoras de uma casa abandonada, ponto de prostituição e venda de drogas, localizada no bairro Amambaí, em Campo Grande.

Na manhã deste sábado (15), por volta 7h, um incêndio de pequenas proporções atingiu algumas das peças do imóvel, que tem mais de 8 cômodos. As chamas foram controladas pelo Corpo de Bombeiros. Ninguém se feriu. Segundo moradores, é a terceira vez que ateiam fogo ao local.

Momentos depois, como sempre acontece, a rotina da “casa branca” localizada na rua Engenheiro Roberto Mange, voltou à normalidade. A gestante e amiga que aceitaram falar à reportagem foram uma das primeiras a retornar.

Nas mãos de Thais, a única que aceitou dizer o primeiro nome, um papelote de pasta base, que ela costuma esconder no corpo. Aos 22 anos, a jovem conta que nasceu em São Paulo (SP), mas mora na Capital há mais de 5 anos.

Casa abandonada vira refúgio a jovens que procuram nas drogas uma solução para os problemas. (Foto: Elverson Cardozo)Casa abandonada vira refúgio a jovens que procuram nas drogas uma solução para os problemas. (Foto: Elverson Cardozo)

Residia no Santa Emília, mas o marido faleceu e ela, como não trabalhava, ficou sem teto. Hoje é uma das moradoras de rua acolhidas pelo Cetremi (Centro de Triagem do Migrante), como relatou. “Daqui a pouco a Kombi passa e eu vou embora”, disse, enquanto preparava o entorpecente.

No sexto mês de gestação, Thais não tem qualquer perspectiva de futuro, nem para ela, nem para o filho. Mas, como é comum entre os dependentes químicos, revela que deseja mudar de vida. A droga que diz ter conhecido há 6 anos, por intermédio da mãe, só causou destruição.

“Eu queria sair dessa vida”, diz. “Mas não tem o que fazer”, resigna-se, ao dizer que o vício consome qualquer um e, depois, para deixar, é praticamente impossível.

Do lado dela, nos fundos da casa, “jogada” em uma cadeira de bambu, a amiga, prestes a acender o cachimbo improvisado, também se diz arrependida das escolhas que fez.

Se pudesse, afirmou, “começaria do zero”, mas agora já é tarde e a esperança, com o tempo, deixa de existir. Em Campo Grande há 3 meses, a jovem revela que foi presa em Sidrolândia, município onde morava, por conta de um roubo feito pelo marido. De lá, foi transferida para o presídio feminino da Capital onde passou cerca de 1 mês e meio.

Longe do filho de 7 meses e da filha de 6 anos - que estão sob os cuidados da mãe – ela está, novamente, nas ruas. Do esposo não tem nem notícias. Da família, muito menos. Para se manter na cidade, faz programas para pagar a diária de R$ 50,00 no hotel onde está hospedada. Hoje, por exemplo, só no período da manhã, atendeu quatro clientes.

A casa do bairro Amambai é o local onde costuma passar a maior parte do tempo, fumando ou se prostituindo.

Peças estão tomadas de sujeira e entulhos. (Fotos: Elverson Cardozo)Peças estão tomadas de sujeira e entulhos. (Fotos: Elverson Cardozo)
Incêndio hoje pela manhã atingiu alguns cômodos da casa. (Foto: Elverson Cardozo)Incêndio hoje pela manhã atingiu alguns cômodos da casa. (Foto: Elverson Cardozo)

Boca de fumo - Segundo moradores, a residência está abandonada há aproximadamente 5 anos, desde a época em que a última inquilina deixou o local. De lá para cá, moradores de rua invadiram o imóvel que acabou virando uma boca de fumo e ponto de prostituição.

Casa abandonada fica na rua Engenheiro Roberto Mange, no bairro Amambai. (Foto: Elverson Cardozo)Casa abandonada fica na rua Engenheiro Roberto Mange, no bairro Amambai. (Foto: Elverson Cardozo)

Proprietário de um bar localizado na mesma rua, Marcio Flavio Carmo Pires, de 55 anos, disse que a movimentação de usuários de droga é intensa. A maioria são jovens, mas “cada dia aparece um diferente”.

Há uma semana uma casa que fica ao lado do terreno foi roubada. Segundo testemunhas, frequentadores do imóvel abandonado utilizaram uma tábua para alcançar a janela da residência, de onde levaram um aparelho celular.

Vanessa Arguelho, de 27 anos, costuma ir à casa da irmã aos sábados e domingos, mas relata que tem medo frequentar o bairro por conta da situação. “À noite eu não venho”, disse, acrescentando que evita levar as duas filhas pequenas.

A irmã da estudante não costuma sair na frente de casa e já pensa em vender o imóvel. Quando a polícia aparece a situação se estabiliza, mas é por pouco tempo, relatou. “Porque ser usuário de droga não é crime”, destacou, ao dizer que defende a internação compulsória de dependentes químicos.

Isqueiro e cachimbo improvisado. (Foto: Elverson Cardozo)Isqueiro e cachimbo improvisado. (Foto: Elverson Cardozo)
Usuária prepara droga: mais um papelote de pasta base. (Foto: Elverson Cardozo)Usuária prepara droga: mais um papelote de pasta base. (Foto: Elverson Cardozo)


Eu fico revoltado desses viciados circulando nas ruas cometendo crimes e assaltos prejudicando as pessoas trabalhadoras. Nós não temos mais PAZ E SOSSEGO em andar nas ruas com segurança por conta disso! Gostaria muito que o poder público (porque o cidadão é impedido pela lei de fazer algo por conta própria) e os mesmos fossem recolhidos e os traficantes presos, a sociedade está cansando dessa situação!
 
Marcelo Dias em 06/01/2013 11:12:52
Célia Alves, sou mãe de um dependente químico que está pelas ruas de Cpo Grde. Estou angustiada porque estou de cama há quatro anos e nada posso fazer por ele. Queria que alguém o aconselhasse até convence-lo a se internar para sair desse maldito vicio q o está destruindo. Ele se chama Luis Augusto. Eu o amo muito e não entendo porque ele faz isso com ele e, de certa forma, comigo também. Me ajude
 
Dirce Barbosa Benevides da Rocha em 20/09/2012 12:55:11
Estou imaginando aqui comigo,a qualidade do hotel que hospéda essas meninas e a qualidade dos homens que pagam, e quanto pagam para usufruir de momentos com elas ,contribuindo para que não queiram sair dessa vida,em vez de ajuda-las tiram proveito, o tratamento deveria ser obrigatório por lei,caso não aceitassem,cadeia, muitos usuarios não querem se tratar,até fógem qdo internados em clinicas.
 
Lucas da Silva em 17/09/2012 12:23:05
Fala sério em,porque os órgãos competentes não providenciam uma intimação aos donos do terreno.Engraçado como as coisas são,não se faz nada porque?
Se esse lugar encontra-se nessas condições á tanto tempo assim é porque o proprietário não precisa,e com certeza não mora nas imediações para ser assaltado com é rotineiro infelizmente nessa região...Acorda CAMPO GRANDE!
 
Lu Rezende em 17/09/2012 11:40:46
e se estao nessa vida, nao é por opção, pois a droga é algo que consome toda a vida da pessoa de tal forma que nao ha como escapar!
entao, vamos para de criticar, e q tal ajudar? chega de olhar para o proprio umbigo e apontar os erros das pessoas!
dependencia quimica é algo serio! e eles precisam da nossa ajuda!
 
fran bordon em 17/09/2012 10:43:40
e como me assusta a falta de humanidade dessas pessoas que aqui comentaram criticando as usuarias de drogas!
e é porque existe gente como voces que a cada dia mais cresce o numero de dependentes de substancias psicoativas!
a vida delas certamente nao é facil como a de voces! tiveram que passar por inumeras situaçoes a quais nao tiveram estrutura para aguentar.
 
Fran Bordon em 17/09/2012 10:42:15
Concordo plenamente com vc Celso Lopes..... além de seres humanos ele não tem culpa de estarem nessa vida!!! e as pessoas deveriam parar de critcar, creio q essa pessoas q repudiam em cima deles se esquecem e tem família..irmão, filhos... e todos estão sujeitos. por isso é bom q tenhamos no mínimo bom senso, se não podemos ajuda-las, então não critiquemos.
 
Eliane Oliveira em 17/09/2012 09:19:51
Concordo com as pessoas que estão querendo ajudar, vamos realmente estar ajudando estas pessoas, eu e meu esposo estamos fazendo um trabalho com familia de dependentes e dependentes, vou ver se passamos hoje por esse local para tentar conversar e ver se uma dessas meninas aceita ajuda, se alguem quizer conhecer o trabalho e so deixar um recado que eu entro em contato.

 
celia alves em 17/09/2012 01:19:37
Não é um problema político. É um problema cívico. Enquanto existir bar, existirá o cliente de prostituição, existirá famílias destruídas e existirá "MOTIVOS" para sair de casa que não seja educação e trabalho.
 
Guilherme de Almeida em 16/09/2012 12:56:11
A situação das pessoas aqui citadas são realmente de arrepiar, enqto os governantes disputam um cargo para beneficiar financeiram. recursos, acabam eles por viverem em abandono pela sociedade e falta de oportunidade social em tratá-las do vício. Segundo fator é para nós, vizinhos da casa é sustentar o medo, prostituição e a violência que nos cerca diariamente.
 
Edson Sanches em 15/09/2012 11:34:15
O JUIZ ODILON ESTÁ PREPARANDO UM SEMINÁRIO PARA OUTUBRO, SOBRE JUSTIÇA TERAPÊUTICA.... A POPULAÇÃO DEVERIA PARTICIPAR!!!! DIAS 29,30 E 31 DE OUTUBRO NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA.... APENAS 200 VAGAS PARA A POPULAÇÃO.....
 
JANE OLIVEIRA em 15/09/2012 09:55:11
calma minha genti ao invés de criticar, e condenar ainda mais éssas pessoas
pensem em alguma solução, mesmo porque poderia ser uma pessoa da nossa familia
como um propio viciado disse uma vez o VICIO é uma doença.
 
toni franco em 15/09/2012 09:17:37
Sra Lucia e Sr Gustavo, antes de tecer um comentario tão grotesco como este lembrem - se, eles sâo seres Humanos como vcs ou quem sabe, ate melhores.
 
celso lopes em 15/09/2012 08:04:13
É gente como esse gustavo que vai atras dessas mulheres, que incentivam a depois dão uma de moralista. se enxerga rapaz.
 
Jair Gonçalves em 15/09/2012 07:15:19
SRA. LUCIA TALORTI. A SENHORA JA PENSOU , SE UM DIA ALGUM PARENTE SEU ENTRASSE NESSA VIDA, PODE SER SEU FILHO, SEU SOBRINHO , SEU NETO, SEI LA., ENTAO VAI COM CALMA . ANALISE PRIMEIRO , DEPOIS A SENHORA FALA. CONHEÇO GENTE QUE JA VIVEU NESTE MEIO, E HOJE ESTAO BEM, PELA GRAÇA DE DEUS. NAO SEJA TAO RADICAL ASSIM.
 
RUMILDO MELGAREJO em 15/09/2012 06:59:08
Sra Carmen Camargo, cuidar de uma criança num essa "delicinha" como vc se refere!, ainda mais com um estórico desse da de vício da mãe. Sua preocupação em querer ajudar esse bebê é muito válida, mas a responsabilidade é muito grande, não é como brincar de boneca. Caso a Sra. tenha todas as estruturas possiveis para criar essa criança, que Deus te abençoe e permita com que seja caridade seja feita.
 
Fabiana Rocha em 15/09/2012 06:22:12
Lucia Talorti, estou contigo e não abro. Não tenho nem um pouquinho de pena desse povo. Ainda por cima, acho ridículo esses leitores com bondade "para inglês ver". Fabiane Penajo, o correto é GENTE e não jente!
 
Gustavo Ribeiro em 15/09/2012 06:17:29
Muito triste a situação, e não são trambolhos, são vitimas. Muito dificil sair da dependencia. Deveriamos sim cobrar dos politicos eleitos maior responsabilidade com a situação. Não devemos acusar pois não sabemos se um dia vamos ter alguem da familia ou algum amigo nesta situação. Sou a favor da internação. Mas para que deixem eles proprios tem que assumir de coração que querem parar.
 
Simone Aparecida em 15/09/2012 06:14:01
Fazer crime usar drogas não resolve nada, so vai aumentar a superpopulação nos presídios. O que pode ajudar sim é internação compulsório para os usuarios das drogas viciantes (a base de cocaine e heroina). Usuarios de drogas a base de cannabis tem que levar multa pesado, para eles parar. E obvio: ir mais atras dos traficantes. Isso não só ajuda os usuarios, também aumenta a segurança publica.
 
Marcos da Silva em 15/09/2012 05:20:24
Santo pai, que comentário mais sem pé e sem cabeça da carmem camargo.
Onde já se viu pedir para jogar uma criança pra ela? Tá achando que é animal minha filha? Se orienta, existem entidades que cuidam de crianças assim, especialmente para não cair na mão de gente como você.
 
Jair Gonçalves em 15/09/2012 04:57:34
Vou pedir a garota grávida o nenezinho para eu cria-lo.
Ai....que delicinha cuidar dele!!!!
Sou apaixonada por nene e ninguem "joga"um aki no meu quintal!!!
 
carmem camargo em 15/09/2012 04:46:00
ESTAMOS EM ÉPOCA DE ELEGER OS RESPONSÁVEIS POR MINORAR ESTA SITUAÇÃO, TODAVIA NÃO VEJO NENHUMA PROPOSTA QUE REALMENTE VENHA A AJUDAR ESSAS CRIATURAS SAÍREM DA SITUAÇÃO DE MISERABILIDADE EM QUE SE ENCONTRAM. CERTOS BAIRROS DA CAPITAL, PARECEM CENÁRIO DE FILME, COM TANTOS "ZUMBIS" PERAMBULANDO PELAS RUAS. BASTA QUE O PODER PÚBLICO SE MANIFESTE E RESOLVA CADA ENTRAVE, E COM CERTEZA ALGUNS SE SALVAM.
 
Valter Antunes de Oliveira em 15/09/2012 04:03:32
E nós enquanto sociedade deviamos fazer nossa parte cobrar dos nossos representantes hospitais para tratar estas pessoas, sermos solidários parar de criticar e ver usuarios toxicodependentes como doentes que é o q eles são, acho que todo ser humano merece uma segunda oportunidade na vida e si calhar estas meninas nunca tiveram nem 1 oportunidade que dira 2ª, vamos ter mais amor ao próximo :(
 
Regiane Yasmim em 15/09/2012 03:43:02
Infelizmente esta é a realidae de uma desestrutura familiar, de pessoas que talvez não tiveram chance na vida de ser diferentes, como podemos ver na reportagem uma das usuarias aprendeu isso com a mãe, infelizmente isso acontece em qualquer familia, seja ela pobre ou rica, nunca devemos apontar o dedo pois nunca saberemos pelo q vamos passar, q Deus ilumine estas pessoas pois p ele nada é impossiv
 
Regiane Yasmim em 15/09/2012 03:39:10
eu vejo esta pessoas coitadas pior do que animais.é muito triste :( só deus na causa porque as autoridade nunca irá fazer nada. a garota ainda ri com um cigarro na boca .triste triste.vamos autoridades mostrem que vcs pode fazer algo pra ajudar o ser humano..
 
adriana da silva em 15/09/2012 02:48:00
Se não tem o que comentar, fique quieta Sra. Lucia Talorti....
 
aluizio villazante em 15/09/2012 01:46:42
Bem falam por aí que o "homem" não tem misericórdia senão somente Deus.
Alguns esquecem que ao apontar o dedo acusando outros, tem outros três dedos apontando para si mesmos!!!!
 
juliana medeiros em 15/09/2012 01:26:55
jente vamos ajudar essas pessoas eu tenhos amigas e amigos que usavan hoje eles se libertaram dessa vida por nos amigos nao desistimos deles...alem de ficarem criticando vamos ajudar a mudar................
 
fabiane penajo em 15/09/2012 01:10:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions