ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  22    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Casa onde vivia idoso morto com nove facadas já havia sido incendiada

Incêndio ocorreu há algumas semanas e foi criminoso, segundo vizinhos

Por Luana Rodrigues e Adriano Fernandes | 01/02/2017 17:26
Casa de idoso morto está abandonada. (Foto: Adriano Fernandes)
Casa de idoso morto está abandonada. (Foto: Adriano Fernandes)

Morto com pelo menos nove facadas na manhã desta quarta-feira (01), Edu da Silveira, 84 anos, teve a casa que morava na Rua Caramandeu, no bairro São Conrado, incendiada há alguns dias.

A informação é de vizinhos do idoso, que também contam que o incêndio no local foi criminoso e teria ocorrido logo após a morte Lorisvaldo Rojas Rodrigues, 32 anos, no dia 22 de janeiro, como forma de 'acerto de contas'.

Lorisvaldo foi encontrado morto na mesma rua em que o idoso morava. O autor das facadas teria sido o filho de Edu que, segundo moradores, está preso. 

“Eu acho que foi vingança. A casa funcionava como um ponto de vendas de drogas, mas eles não incomodavam ninguém. Acredito que tanto o incêndio de domingo, quanto o atentado de hoje foram acertos de contas dos familiares do rapaz morto no domingo, porque ouvi uma conversa de que os parentes dele tinham ameaçado o Edu”, disse uma moradora do bairro de 34 anos, que preferiu não se identificar.

Morte idoso - Segundo a polícia, Silveira deixou a UBS pouco antes das 9h e foi atacado assim que virou na rua Internacional. O idoso morreu na hora. "Não deu tempo de ver nada, se foi assalto ou não. Ele saiu com os remédios e logo vieram gritando que tinha um senhor esfaqueado", disse uma funcionária do posto de saúde.

Um vizinho do local ouvido inicialmente pela PM disse que ao menos dois homens teriam cometido o crime e fugido a pé. Não está descartado que um veículo estivesse os esperando.

Silveira seria morador do vizinho bairro de Santa Emília, por isso muito o conheciam apenas de vista. Ainda com medo, moradores evitavam dar detalhes da vítima. "Era um senhor discreto, nos só o víamos quando ia no posto mesmo. Não tem o que dizer", disse o dono de uma quitanda, também sem se identificar.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário