A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

03/01/2012 23:10

Cidade de Deus: para evitar invasão Emha derruba barracos e mudará 13 famílias

Paula Maciulevicius

“Vi eles chegando e fiquei esperando dentro do meu, eles balançavam até cair tudo”, comenta moradora

No chão os restos de um barraco. Destruídos logo na primeira semana do ano, na Cidade de Deus, no Dom Antônio Barbosa. (Foto: João Garrigó)No chão os restos de um barraco. Destruídos logo na primeira semana do ano, na Cidade de Deus, no Dom Antônio Barbosa. (Foto: João Garrigó)

Para a Cidade de Deus, no bairro Dom Antônio Barbosa, a primeira semana do ano começou com um episódio de desocupação. Barulhos de marteladas e das tábuas de madeira caindo ao chão podiam ser ouvidos de dentro do barrraco de Simone Rafael de Souza, 25 anos.

“Vi eles chegando e fiquei esperando dentro do meu, eles balançavam até cair tudo”, comenta.

Simone, o marido e a filha de 3 anos estão ocupando parte da comunidade há uma semana. E seguem o padrão da maioria, foram parar lá depois de perder o emprego, não conseguir pagar o aluguel e com a esperança de receber uma casa.

O que Simone ouviu de dentro das quatro paredes erguidas de restos de material de construção foram funcionários da Emha (Agência Municipal de Habitação), juntos da Guarda Municipal, desmanchando casas recém formadas.

Segundo relatos da vizinhança, na segunda-feira à tarde, oito barracos foram destruídos, de famílias não cadastradas no programa habitacional da Emha.

“Antes eles vieram e falaram pode dormir só vocês e acordar com mais de 100 aqui dentro”, conta Juliana de Almeida Silva, 18 anos, sobre o plano de erguer mais barracos já arquitetados pelas famílias.

O que se viu no dia seguinte em relação ao que os novos “inquilinos” disseram foi a ação da prefeitura. “Eles vieram por causa da nova invasão. Pegaram e tiraram os barracos, disseram que não iam mais aceitar. O nosso problema está resolvido, a gente deve mudar logo ou para uma casa ou para um terreno. Mas eles só tiraram os que não tinham nada. O que tinha coisa dentro não mexeram, só avisaram que era para sair”, completa a vizinha.

Derrota atrás de derrota, mãe sente o desespero de viver sob ameaça de ter a casa destruída. (Foto: João Garrigó)Derrota atrás de derrota, mãe sente o desespero de viver sob ameaça de ter a casa destruída. (Foto: João Garrigó)

O trabalho da prefeitura na tarde da última segunda-feira, segundo o diretor-presidente da Emha, Paulo Matos, foi o de impedir uma nova invasão. “Não podemos deixar um movimento organizado fazer pressão para se beneficiar. Não dá para colocar como regra que para conseguir uma casa é preciso invadir”, ressalta.

A retirada de barracos se restringiu apenas às famílias que não faziam parte do cadastro da Emha. De acordo com o órgão, das 22 famílias cadastradas que ainda estão na região lá, 13 delas já começam a mudar nesta semana.

“Depois de mudar estas famílias que têm o cadastro, vamos pedir reintegração de posse da área”, ressaltou ainda Paulo Matos.

O pedido de reintegração de posse, para que os novos barracos formados saiam de lá não chegou ao conhecimento de Simone e da família. “Se eu tivesse outro lugar, não estaria aqui, se me tirarem eu vou para o meio da rua”, desabafou.

A ponto de perder o teto erguido ainda na semana passada, ela dá o recado. “Este ano tem eleição, a gente tem a chance de retribuir o que eles fazem com a gente. Cadê o direito a moradia que essa tal de Constituição tanto fala, mas que de fato não é cumprida”?

O vocabulário dá indícios de que Simone é estudada. Com ensino médio completo ela já foi vendedora e chegou onde está depois de uma sucessão de derrotas. Perdeu o emprego como doméstica e diarista, mas não a esperança de ter um futuro melhor.

“Me desespera ver o que eu vi, mas não tenho outra opção. Para a gente a gente já quer o melhor, para filho então, é além. É dar o melhor que a gente não teve. É o que eu quero”.

Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


tem que investigar bem esse as verdadeiras necessidades desse pessoal, tem gente que não precisa e faz barraco só pra ganhar casa nova, e emprego tem bastante, se fosse em epoca de crise no mercado de trabalho, eu entenderia, tbem tem creche pra molecada!!!
 
daniela rodrigues em 04/01/2012 12:03:46
Infelizmente nossa realidade é de calamidade!não temos vaga suficiente em creches!e ainda temos que baixar a cabeça para o poder publico!quem tem um pouco de estudo ainda consegue um emprego,e quem tem filhos pequenos mesmo com estudo é difícil algum empresário aceitar a situação e dar uma oportunidade!
Temos que lutar pelos nossos direitos!prometeram moradia à tds!
 
ALICE SANTANA em 04/01/2012 11:41:58
O que adianta a Emha dar terreno se mal eles tem pra comer como vao construir casas...
 
Daiane Esquian em 04/01/2012 10:43:11
Só não entendo o por quê de o Poder Público não ter "o mesmo pulso firme e determinação" em relação aos moradores de rua. Em especial aos que "moram" na calçada da Santa Casa, bem como, quando o assunto é "sem terra". Sempre acreditei que todos fossemos iguais perante a lei.
 
Fernando Silva em 04/01/2012 01:02:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions