ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 21º

Capital

"Cliente tem medo de parar", diz comerciante da Av. das Bandeiras

Empresários e moradores notam que houve aumento de roubos, brigas e outros incidentes de violência na região

Por Mylena Fraiha e Geniffer Valeriano | 13/05/2024 17:33
Dependentes químicos em situação de rua são vistos em calçada da Avenida das Bandeiras (Foto: Paulo Francis)
Dependentes químicos em situação de rua são vistos em calçada da Avenida das Bandeiras (Foto: Paulo Francis)

Comerciantes e moradores da Avenida das Bandeiras, no Jardim Jóquei Club, na Capital, falam de aumento de roubos, brigas e outros incidentes de violência na região. Em grande parte, eles associam esses problemas ao crescente número de dependentes químicos em situação de rua na região.

A reportagem esteve no local na tarde desta segunda-feira (13) e constatou que o ponto com maior concentração de pessoas em situação de rua fica no cruzamento da Avenida das Bandeiras e a Rua Sol Nascente. Muitos juntavam materiais recicláveis.

Conversando com comerciantes locais, as reclamações foram unânimes: aumento no número de roubos e brigas constantes na região. Luiz Amate, de 60 anos, diz que trabalha e mora na região há mais de 50 anos.

Segundo ele, o problema tem se agravado com o tempo, inclusive, com casos de agressão física entre os moradores de rua. “Estou aqui há anos, mas depois que abriu aquela reciclagem, parece que aumentou a quantidade de usuários. Eles fazem tudo ali. Brigam, usam drogas, fora a sujeira que fica também”.

Comerciante Luiz Amate relata que o número de dependentes químicos em situação de rua tem aumentado na região (Foto: Paulo Francis)
Comerciante Luiz Amate relata que o número de dependentes químicos em situação de rua tem aumentado na região (Foto: Paulo Francis)

De acordo com Luiz, usuários do transporte público começaram a evitar o ponto de ônibus localizado no mesmo cruzamento. “Hoje está bonito. Tem dias que está bem pior. Eles ficam amontoados ali e as pessoas nem usam mais aquele ponto de ônibus”, reclama.

O comerciante também relata que o local tem acúmulo de lixo e muita comida jogada no chão. “Não sou contra os projetos sociais, mas depois que eles recebem as marmitas, deixam o alimento jogado, que acaba apodrecendo e cheirando mal. As embalagens também ficam ali, e nós temos que limpar depois”, complementa.

De acordo com o comerciante, por conta desses problemas, o número de clientes tem diminuído. “Muitos têm medo de parar e outros já foram roubados. Eles levam tudo, até a grade do cavalete de água. Fio, nem preciso falar, está sempre nos jornais”, lamenta Luiz.

Frentista Renan diz que notou um aumento de dependentes químicos e moradores de rua na região (Foto: Paulo Francis)
Frentista Renan diz que notou um aumento de dependentes químicos e moradores de rua na região (Foto: Paulo Francis)

O frentista de um posto de gasolina da região, Renan de Oliveira, 23 anos, relata que trabalha no ponto há dois anos e meio. Ele também notou um aumento de dependentes químicos e moradores de rua na região.

“Aqui não incomoda tanto. Eles vêm mais para beber água e ir ao banheiro. Teve uma vez que roubaram a fiação e em outra, levaram uma torneira, deixando água vazando. Fomos atrás de quem roubou e conseguimos pegar de volta”, explica Renan.

“É um problema social” - Alvo de críticas, Marinalva Aguiar, de 47 anos, proprietária de um ponto de reciclagem na região, compartilha que, frequentemente, seu estabelecimento é associado ao problema. "Para nós que trabalhamos na área da reciclagem, acabamos sendo vistos com maus olhos, pois o aumento dessas pessoas é frequentemente associado à nossa atividade", explica.

Ela ressalta que muitos comentam que o problema existe na região há mais de 20 anos, mas ela está no local há apenas quatro anos. “É um problema social, e as marmitas que eles recebem fazem com que eles fiquem acomodados”.

Marinalva diz que também se incomoda com a realidade social no lugar. Afirma que alguns moradores de rua acabam por “bagunçar” seu lixo, em busca de materiais de reciclagem. “Aqui tem muita sujeira. Eu mesma tenho problema com o meu lixo. Não deixo na calçada. Levo para minha casa, para recolher por lá”.

Dependentes químicos em situação de rua são vistos em calçada da Avenida das Bandeiras (Foto: Paulo Francis)
Dependentes químicos em situação de rua são vistos em calçada da Avenida das Bandeiras (Foto: Paulo Francis)

Importante mencionar que entre setembro de 2016 e setembro de 2023, conforme o CadÚnico, de 404, aumentou para 1.545 o número de pessoas que passaram a morar na rua em Mato Grosso do Sul, com maior concentração – cerca de 891 – em Campo Grande.

Medidas - A reportagem contatou a SAS (Secretaria Municipal de Assistência Social) para obter informações sobre as medidas que a pasta tem implementado para auxiliar as pessoas em situação de rua.

Quanto à segurança na região, o Campo Grande News também procurou a SESDES (Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social) para entender se houve um crescimento no número de roubos na região e saber quais medidas foram adotadas para lidar com essas questões. O espaço permanece aberto para inclusão de informações adicionais.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias