A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 18 de Agosto de 2018

29/08/2011 11:48

Com investimento de R$ 7 milhões, UPA do Universitário abre as portas

Aline dos Santos

Unidade entra em funcionamento a partir das 13h desta segunda-feira

Unidade é destinada a atender urgências e emergências. (Foto: Simão Nogueira)Unidade é destinada a atender urgências e emergências. (Foto: Simão Nogueira)

Com investimento de R$ 7 milhões, a terceira UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Campo Grande entra em funcionamento a partir das 13h desta segunda-feira. A unidade fica localizada na avenida Guaicurus, no bairro Universitário. Com a UPA, será desativado o atendimento no Centro Regional de Saúde 24 horas.

“Mas a Unidade Básica de Saúde vai continuar funcionando, com os serviços de acompanhamento da hipertensão, diabetes, realização de preventivo, prevenção do câncer de próstata, coleta de exames”, explica a Coordenadora de Urgência da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Gislayne Budib Poleto. Já a unidade desativada poderá receber uma unidade de Saúde da Família ou centro de especialidade.

A UPA é destinada aos atendimentos de urgência e emergência, num serviço intermediário entre a atenção básica e a unidade hospitalar. Ao dar entrada na unidade, o paciente é classificado de acordo com a gravidade. A classificação de risco é que determina a ordem de atendimento.

Usuária do então Centro Regional de 24h, Irene Novaes, de 58 anos, ficou impressionada com a nova estrutura. “Ficou muito bonito. E é pertinho da minha casa”, afirma.

De acordo com a diretora da UPA do Universitário, Karine Silva Fogaça, serão cinco clínicos gerais e cinco pediatras, com atendimento 24 horas. “Os equipamentos são todos novos. Do antigo prédio só trouxemos a parte de insumos, material de almoxarifado e medicamento”, afirma.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Leandro Mazina, a unidade conta com 70% dos recursos humanos necessário para o funcionamento. “Espero que em 60 dias cheguem aos 100%. O [aparelho de] raio-x deve chegar em uma semana ou dez dias”, disse, durante a inauguração.

Ainda segundo o secretário, está em construção a UPA das Moreninhas e mais duas unidades estão em fase de licitação. A UPA Lapa será construída no bairro Guanandi e a outra unidade no bairro Santa Mônica. “A gente sofre muitas críticas, mas estamos evoluindo, focados na melhoria da saúde”, afirma Mazina.

Trad aproveitou inauguração para desafiar a oposição. (Foto: Simão Nogueira)Trad aproveitou inauguração para desafiar a oposição. (Foto: Simão Nogueira)

Desafio - O prefeito Nelsinho Trad (PMDB) também aproveitou a inauguração para rebater críticas. “A oposição nos critica, diz que a saúde não presta, que é um desastre. O Nelsinho só sabe fazer prédio novo. Mas vai por para funcionar atendimento em prédio velho para ver se consegue”, desafia.

Para o prefeito, a terceira UPA ainda põe fim a outro ponto questionado sobre a saúde pública na cidade. “Tanto se fala que Campo Grande não tem pronto socorro municipal. È verdade, não tem nenhum, tem três”, salienta. A Capital já tinha a UPA do Coronel Antonino e Vila Almeida.

Ex-secretario municipal de Saúde e atual deputado federal, Luiz Henrique Mandetta (DEM), destacou que a cidade foi pioneira e serviu de exemplo para a implantação do programa do governo federal para construção das UPAs.

“Em 2006, foi inaugurada a unidade do Coronel Antonino. Foi a primeira cidade a ter UPA, com a classificação de risco hierarquizada. Para o parlamentar, as unidades ajudaram a desafogar a o Pronto Socorro da Santa Casa. “Em 2005, foram 750 atendimentos por dia dentro do PS. Agora, são 140 atendimentos por dia no Pronto Socorro”.

Ajudinha – As três UPAs já construídas em Campo Grande foram com recursos próprios e emendas, sem dinheiro do governo federal específico para o programa de construção das unidades.

De acordo com o secretário, Leandro Mazina, a prefeitura tenta agora obter ajuda do Ministério da Saúde para custeio. “Por mês, a UPA custa de R$ 500 mil a um milhão. Estamos pleiteando financiamento do custeio em Brasília. E, torno de R$ 300 mil por mês”, afirma.

A unidade conta com sala de urgência e emergência, leitos de estabilização, sala de raios-X, sala de ultrassonografia, farmácia, sala de atendimento social, consultórios médicos, consultório odontológico, enfermarias infantis, enfermaria feminina (adulto) e enfermaria masculina (adulto).

Homenagem – A unidade de pronto atendimento recebeu o nome de Aparecida Gonçalves Saraiva, irmã do vereador Airton Saraiva (DEM). Ela morreu aos 19 anos, vítima de acidente de trânsito. A mãe e parentes do vereador participaram da inauguração.



Quem fala que Campo Grande não tem saúde que presta, está muito enganado, pois a cidade conta com todos os tipos de atendimento, da atenção básica até o nível mais complexo
 
Ana Pricilla em 29/08/2011 05:24:47
Parabéns, Campo Grande, por mais esta conquista! E que venham muitas outras UPAS (e que as pessoas se cuidem mais para usarem o serviço só quando for necessário, né?).
 
Lidianny Moreira em 29/08/2011 04:09:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions