A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

08/03/2016 12:08

Com medo do zika, famílias repensam gravidez durante epidemia

Natalia Yahn
Em clínica de fertilização houve queda no número de procedimentos; trabalho voltou ao normal em fevereiro. (Foto: Marcos Ermínio)Em clínica de fertilização houve queda no número de procedimentos; trabalho voltou ao normal em fevereiro. (Foto: Marcos Ermínio)

A possível ligação entre casos de microcefalia e o zika vírus provocou avaliação e discussão das famílias em relação ao adiamento dos planos de ter filhos durante a epidemia da doença, que tem sequelas ainda desconhecidas. Em Campo Grande, até mesmo o número de inseminações artificiais em um laboratório da cidade caiu no início do ano.

Enquanto o zika continua a ser alvo de estudos, no dia 1° de março mais um caso de microcefalia passou a ser investiado em Mato Grosso do Sul, conforme dados divulgados no boletim do Ministério da SaúdeO Estado tem um caso confirmado de microcefalia - que ainda não tem confirmação de ligação com o zika -, além de cinco casos descartados, e seis sob investigação, com um total de 12 casos notificados.

"Aqui em Campo Grande, não temos tantos casos de zika. No HU (Hospital Universitário), onde eu atendo, nasceu uma criança na semana passada que a mãe estava com o vírus. Mas, o bebê não tem microcefalia", afirmou a médica e presidente da Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia de Mato Grosso do Sul, Nádia Stella Vegas dos Reis.

Ela explica que os casais devem avaliar e tomar a própria decisão em ter ou não filhos durante a epidemia da doença. "Não temos como prever a evolução da epidemia. A dengue, por exemplo, temos durante o ano todo e outras doenças também. A relação do zika e da microcefalia ainda é estudada e com o tempo vamos ter mais informações, tudo é muito novo ainda e os quetionamentos existem. Ter ou não filhos é uma opção da paciente".

Por ser uma doença ainda desconhecida, a médica acredita que dentro de um ou dois anos haverá novas informações sobre o vírus. "O zika começou há menos de um ano, em setembro foram os primeiros casos e surgiu a possibilidade de ter ligação com a microcefalia. E o Brasil é o único pais em epidemia. Espero que no ano que vem possamos saber mais e o que o vírus pode causar para a gravidez. Enquanto isso os cuidados devem existir, como usar repelente", disse Nádia Stella.

A média especialista em reprodução humana, Sueli de Souza Resende, acredita que alguns casais ficaram em dúvida em relação a ter filhos por conta do zika vírus. Na clínica onde ela realiza em média 30 fertilizações por mês, houve queda de 15% entre os primeiros dias de janeiro até a segunda quinzena de fevereiro, quando voltou ao normal.

"Inicialmente houve sim uma retração, alguns falavam que queriam esperar um pouco mais. Porém agora voltou ao normal. Os casais tem procurado e estão fazendo o procedimento. Acontece que muitas pacientes não temo esperar por conta da idade, algumas com 35 anos ou mais. Acredito que o zika é uma virose e veio para ficar como é a dengue".

Sueli de Souza Resende afirma que zika veio para ficar. (Foto: Marcos Ermínio)Sueli de Souza Resende afirma que zika veio para ficar. (Foto: Marcos Ermínio)
Guilherme, Cecília e Laryssa. A família vai aumentar e a previsão é de que seja ainda em 2016. (Foto: Arquivo Pessoal)Guilherme, Cecília e Laryssa. A família vai aumentar e a previsão é de que seja ainda em 2016. (Foto: Arquivo Pessoal)

A jornalista Laryssa Macedo, 27 anos, tenta engravidar do segundo filho desde julho do ano. A primeira filha dela e do marido, Guilherme Macedo, Cecília, tem 1 ano e 4 meses. Ela chegou a pensar em esperar, por conta do zika vírus, mas desistiu. "Fiquei com medo, mas eu e meu marido conversamos e decidimos que independente disso (zika), temos que acreditar que tudo vai dar certo".

No dia 29 de fevereiro, a enquete do Campo Grande News perguntou se leitor concorda que famílias, por medo do zika vírus, adiem planos de ter filhos. A maioria, 82%, acha que as mães devem adiar os planos de ter filho devido à epidemia. Outros, 14% disseram que não e 4% não souberam responder.

No final do ano passado, o Ministério da Saúde confirmou que quando gestantes são infectadas por este vírus podem gerar crianças com microcefalia, lesão do cérebro, que pode vir associada a danos mentais, visuais e auditivos. O zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que também causa dengue e chikungunya.

Dados - No Brasil, são 641 confirmados e 4.222 são investigados - com 1.046 notificações descartadas por apresentarem exames normais, microcefalias e/ou alterações no sistema nervoso central por causas não infecciosas. Os dados foram registrados de 2015 até 27 de fevereiro de 2016. Os casos confirmados ocorreram em 250 municípios, localizados em 14 estados, além de Mato Grosso do Sul.

O Ministério da Saúde ressalta, no entanto, que esse dado não representa, adequadamente, todos os casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês, cujo diagnóstico final foi de microcefalia.

O levantamento confirma também 31 mortes causadas por microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outras 96 mortes notificadas continuam em investigação e 12 foram descartadas. As mortes ocorreram após o parto ou durante a gestação.

Cientistas dizem ter encontrado prova da relação entre microcefalia e vírus Zika
Cientistas divulgaram hoje (4) ter encontrado a primeira prova de uma ligação biológica entre o vírus Zika, com grande propagação na América Latina, ...
Casos de microcefalia sobem no país; mais um é investigado em MS
Mais um caso de microcefalia está sob investigação em Mato Grosso do Sul, conforme dados divulgados em boletim pela Ministério da Saúde, nessa terça-...
Mães devem adiar planos de ter filhos por causa do zika, apontam leitores
A enquete da semana passada perguntou se o leitor do Campo Grande News concorda que famílias, por medo do zika vírus, adiem planos de ter filhos. A m...


O numero de casos de zika são incontáveis, dado ao fato de que os planos de saúde não fazem o exame. Eu, minha mae e meus vizinhos tivemos zika nas ultimas semanas e não houve nenhum exame ou notificação. Ao lado da minha casa tinham 10 ton de garrafas de vidro, que foram notícia nacional, onde uma empresa de São Paulo só buscou metade. Eu ia engravidar este ano e meu médico pediu para esperar pelo menos um ano, pois o vírus fica no organismo. Gostaria que alguem fosse fazer uma reportagem dessas garrafas remanescentes, pra ver se alguem do poder publico se mobiliza a ir retirar isso, pois todos ficamos com zika...e mais pra frente vai ser oq? Dengue ou coisa pior...nos ajudem...
 
Deborah_28 em 08/03/2016 15:34:24
Esse negócio de dizer que não há quase casos de zika pe mentira, eu mesma peguei semana passada e não pude fazer o exame por conta dos planos de saúde não darem cobertura, minha mae tb pegou, meus vizinhos pegaram tb, e a dois muros da minha casa tinham toneladas de garrafas de vidro, que foram notícia nacional, onde uma empresa de São Paulo veio buscar, mas só levaram metade e deixaram ainda um monte de garrafas juntando água. Eu ia engravidar este ano, mas meu médico pediu para eu esperar um ano pelo menos. Os casos de zika são incontáveis, o problema é que a grande maioria não é nem notificada... só resta a incerteza, será que este virus fica no corpo mesmo? Podiam ir fazer uma reportagem com aquelas garrafas nojentas do lado da minha casa...já peguei zika e semana que vem vai ser oq?
 
Deborah_28 em 08/03/2016 14:53:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions