A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

08/05/2012 09:45

Com orçamento apertado, Nosso Lar usa 60% dos recursos com pessoal

Luciana Brazil

Hospital é um dos poucos que atendem dependentes químicos e doentes mentais no Estado

A diretora do hospital, Angela Barsanti, mostra relatório com as contas do hospital. (Foto: Minamar Júnior)A diretora do hospital, Angela Barsanti, mostra relatório com as contas do hospital. (Foto: Minamar Júnior)

Criado em 1948, o hospital psiquiátrico Nosso Lar, em Campo Grande, foi fundado para auxiliar no tratamento dos pacientes com dependência química e patologias mentais. Na casa de saúde, os internos recebem tratamento psiquiátrico, fisioterápico, psicológico, terapêutico, além de apoio espiritual, como explicou a diretora-presidente Ângela Barsante.

Com 220 leitos, o hospital gasta cerca de R$ 400 mil por mês para realizar o atendimento aos dependentes químicos e doentes mentais. Só com a folha de pagamento dos funcionários, a casa de saúde gasta, aproximadamente, R$ 250 mil. Os outros gastos são por conta de medicamentos, alimentação e laboratórios, entre outros, conforme explicou a diretoria do Nosso Lar.

Cheios de esperança no olhar, os dependentes químicos, internados pelos SUS (Sistema Único de Saúde), encontram no hospital uma das poucas alternativas que proporcionam uma vida mais produtiva e vitoriosa longe das drogas. A expectativa para os doentes mentais não é muito diferente. Na maioria das vezes, rejeitados pela família, os pacientes mentais buscam cumplicidade e menos preconceito.

Ali, nas paredes frias, o calor é gerado pelos testemunhos feitos com a simplicidade de um paciente que aguarda uma boa notícia. Talvez o aviso de que tudo foi um sonho. Os depoimentos chocam e assombram os que não conhecem tal realidade. Mas demonstram também o quanto o trabalho do hospital é necessário.

O Nosso Lar oferece aos pacientes área de lazer como uma academia de ginástica, uma quadra de futebol, e uma área coberta com mesas de sinuca. "É uma distração pode jogar ou fazer uma atividade física", comentou um interno.

“Eu já fui internado aqui outras vezes e tudo que eu queria era ficar bom”, disse o rapaz de 25 anos, dependente químico.

A diretora do hospital, diz que é, realmente, triste acompanhar os pacientes, mas para isso o trabalho da equipe não para. “Em qualquer um dos casos nós acompanhamos os pacientes e proporcionamos tratamento, que fora daqui esses pacientes não teriam”.

O tempo de internação varia de acordo com a patologia. “Nos atendemos pacientes bipolares, esquizofrênicos, pessoas com depressão, além dos dependentes químicos. E cada um desses tratamentos demanda um tempo. Porém, o SUS permite apenas 30 dias de internação para os dependentes e esse tempo é muito complicado porque nem sempre é possível que haja recuperação nesse período. Na verdade, é praticamente impossível. O que é feito nesse tempo é a desintoxicação”, ressaltou a diretora.

Em alguns casos, o tempo de internação permitido pelo SUS pode chegar a 90 dias. Já para os pacientes mentais o período de internação, geralmente, são 30 dias. “Mas existem pessoas que foram abandonadas pela família e estão aqui há três anos”, frisou Ângela.

A equipe do Campo Grande News visitou o hospital, que atende pelo Sistema Único de Saúde. Lá, alguns dependentes químicos, que não foram identificados, contaram um pouco da história e da luta enfrentada para se libertar dos vícios. “Eu não queria vir para cá porque eu queria estar bem”, disse um viciado em pasta base.

A diretoria do hospital assegurou que o trabalho é difícil, mas apesar das dificuldades o projeto deve continuar.

O mantenedor do hospital é o Centro Espírita Discípulos de Jesus, criado em 1934, em Campo Grande.

Professor de educação física arruma os aparelhos na sala de ginástica do hospital. (Foto:Minamar Júnior)Professor de educação física arruma os aparelhos na sala de ginástica do hospital. (Foto:Minamar Júnior)

Problemas Financeiros: Com as contas de grande vulto e o investimento penoso, o déficit do hospital está, atualmente, em R$ 131 mil. A dívida deverá ser rateada entre a prefeitura de Campo Grande, o Estado e os municípios, conforme informou a diretora-presidente do hospital, Ângela Barsante.

Recentemente, uma reunião com a SES (Secretaria Estadual de Saúde) firmou a parceria que deverá evitar o fechamento de 40 leitos.

Segundo o diretor administrativo do Nosso Lar, Silvio Pereira de Moura, o déficit está vinculado ao valor baixo das diárias pagas pelo SUS ao hospital, no valor de R$ 43,70. “Desde 2009 não houve um aumento no valor. No mínimo, a diária deveria ser de R$ 80”, afirmou.

O Hospital Regional recebe, segundo a diretora Ângela, uma diária maior do que o Nosso Lar. “Nós não recebemos uma diária maior, justamente por causa dessa intenção de acabar com os hospitais psiquiátricos”.

Além das diárias insignificantes, conforme a diretora Ângela, o hospital não receberá o recurso de R$ 130 mil oriundo do Programa de Enfrentamento ao Crack, do Governo Federal. “Para piorar, além dos gastos do hospital que são imensos, nós não vamos receber o recurso do enfrentamento ao crack por causa de uma reforma psiquiátrica. O governo quer fechar os hospitais psiquiátricos”, lamentou a diretora.

Do total de 220, o hospital oferece 120 leitos do SUS (Sistema Único de Saúde), sendo 46 deles para dependentes químicos e 60 particulares.

Hoje, o Nosso Lar recebe do Estado o aporte mensal no valor de R$ 35 mil. Já a prefeitura, contribui com R$ 12 mil por mês.

Hospital dem 220 leitos e déficit mensal de R$ 131 mil. Hospital dem 220 leitos e déficit mensal de R$ 131 mil.
Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...


Coordeno um grupo de voluntários que realiza eventos em favor dos pacientes do Hospital Nosso Lar, trabalhamos com uma certa dificuldade, pois infelizmente a sociedade e os seus representantes ainda não tomaram consciência que estes doentes, também são especiais. Leitor, use de sua sensibilidade e veja como você pode auxiliá-los. Abra seu coração e seus mãos. Muita paz!
 
maristela bento em 08/05/2012 11:24:40
faço uma doação de pequeno valor para o asilo são joão bosco e também o hospital do cancer todo mes. gostaria de poder ajudar também o nosso lar e quem sabe colocar também outras pessoas a ajudar.. como podemos fazer isso??qual endereço, telefone?? de grão em grão podemos fazer um pouco mais por quem está ajudando muito em uma luta muita vezes sem volta.
 
amarildo de souza em 08/05/2012 10:12:01
Concordo com vc Maria Rodrigues, os familiares deveriam sim passar o auxilio que os pacientes recebem, mas infelizmente isto ñ acontece. e Maristela, gostaria de saber o endereço do seu grupo de voluntários, sou técnica de enfermagem e gostaria muito de trabalhar com estes pacientes, inclusive fiz estágio lá. entre em contato comigo por favor. agradeço
meu e-mail: alinearteman@gmail.com
 
Aline Harttman em 08/05/2012 03:31:11
Tem pessoas internadas la pelo SUS, e que recebem auxilio do INSS, porque que essas FAMILIAS nao podem passar o auxilio do INSS ao HOSPITAL enquanto estiverem la, as FAMILIAS nao cuidam dos seus doentes mas desfrutam do dinheiro que recebem do governo enquanto deixam seus doentes no HOSPITAL.
 
Maria Rodrigues em 08/05/2012 01:25:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions