A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

19/06/2013 15:19

Com polêmicas e desencontros, manifestantes podem adiantar protesto

Elverson Cardozo
Manifestantes se reuniram em Campo Grande para definir estratégias do protesto. (Foto: Cleber Gellio)Manifestantes se reuniram em Campo Grande para definir estratégias do protesto. (Foto: Cleber Gellio)

O dia definido para o protesto de apoio às manifestações nacionais, em Campo Grande, é amanhã (20), a partir das 17h, na Praça do Rádio Clube, mas os participantes tem se desentendido na internet e a passeata, devido a polêmicas e desencontros, pode ser antecipado para hoje (19).

Tudo começou por conta de uma reunião na manhã desta quarta-feira (19). Cinco jovens que organizam a manifestação participaram de um encontro com o comandante da PM (Polícia Militar), coronel Carlos Alberto David. Juntos, eles definiram o trajeto da passeata que promete reunir mais de 30 mil pessoas na Capital.

O itinerário acertado foi o seguinte: saindo da Praça do Rádio, o grupo pretende seguir pela Afonso Pena em direção à Avenida Ceará, chegam até a Ricardo Brandão, se concentram em frente à Câmara de Vereadores, voltam em direção ao Shopping Campo Grande e, depois, retornam ao ponto inicial.

O encontro foi um pedido dos organizadores que protocolaram ofício solicitando apoio da polícia e da Ciptran (Companhia Independente de Polícia de Trânsito) durante a passeata. Ambulâncias Corpo de Bombeiros, do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), agentes da Ciptran e da Agetran (Agência Municipal de Trânsito) vão acompanhar a multidão.

Além do trajeto, também ficou definido que dois trios elétricos serão posicionados no início e no fim da manifestação. 

Desencontro - Tudo, até então, estava acertado, mas os demais envolvidos, que confirmaram presença no evento, começaram a se desentender na rede. Na página do “I ato público de apoio a manifestação nacional” -, alguns se mostram descontes com os cinco jovens que participaram da reunião hoje com o comandante da PM.

Reunião hoje com o comandante da PM. (Foto: Cleber Gellio)Reunião hoje com o comandante da PM. (Foto: Cleber Gellio)

Desde o início, os organizadores vêm anunciando que o movimento é apartidário e que, por isso, não será aceita a presença de qualquer grupo político na passeata, mas um dos cinco rapazes que participou do encontro hoje, o estudante de direito Ângelo Lorenzo, teria se filiado ao PMDB em maio deste ano.

Uma foto dele, no dia da filiação, já começa a circular nas redes sociais, inclusive, na página do protesto. As críticas foram imediatas. “Não me representa” se tornou uma das frases mais comuns entre os internautas, que já consideram o ato uma “palhaçada”.

“Essa é a verdade, desde o começo. Cabe a nós não nos deixar levar”, escreveu Ióron Mugart. “Já enrolei minha bandeira e risquei meu cartaz faz tempo”, contou Alinny Karen Bachi Rehbein Vilela.

Apesar dos descontentes, teve quem tentou achar um equilíbrio para a situação. Margareth Escobar defendeu: “Gente, olha o foco. Ser filiado a um partido não significa, obrigatoriamente, que seus ideais deixarão de existir. Tem muita gente boa aí lutando pelos direitos dos brasileiros. O que não podemos é vincular nosso movimento a nenhum partido. A luta é do povo, independente da opção política de cada um”.

William Esteves pensa de maneira semelhante. “Se eles forem como cidadãos, acredito que não tem problema. Isso é democracia”.

Ativistas devem sair às ruas ainda hoje. (Foto: Cleber Gellio)Ativistas devem sair às ruas ainda hoje. (Foto: Cleber Gellio)

O trajeto definido com a polícia também é ponto de divergência. “[...] Esse negócio de falar com a PM antes da manifestação está cheirando a oportunismo. Pedir apoio de Ciptran e PM? Eles vão organizar as ruas e não vai sair manifesto nenhum. Tem que chegar a interditar a cidade, sem aviso prévio, senão, vai parecer que é um bando de gente que foi para lá só para gritar à toa e não vai fazer diferença nenhuma no andamento da rotina da cidade porque a PM e a Ciptran vão se programar, escreveu Rogério Paes Barbosa.

Os trios elétricos também geraram polêmica. O custo é alto, por isso, fica a pergunta: “Quem está bancando?” Além disso, o “recurso” do carro de som não teria sido utilizado em nenhuma outra manifestação pelo Brasil. Porque Campo Grande iria se dar a esse “luxo”?

A polêmica tem desanimado alguns participantes. Outros continuam a encorajar o movimento. Para Gabriel Shinji Kumm, a solução parece simples: “[...] Não vamos deixar [isso] diminuir o movimento. Se tiver bandeira de partido, a gente banda embora, assim como o trio elétrico ou qualquer outra coisa que a gente não [estiver] a favor”.

O vice-presidente do Fórum Municipal de Cultural, Vitor Hugo Samudio, também pediu força. “Não desistam, vamos todos sim, vamos dar um show de cidadania e democracia, essas coisas não vão rolar se não quisermos”.

Diante da situação, um dos organizadores apontados, Thiago Quadros, que não participou da reunião com o coronel Carlos Alberto David, se manifestou publicamente:

“Galera, é o seguinte, acordei com uma enxurrada de ligações e mensagens por inbox. [Quero] deixar bem claro que não estive em coletiva de imprensa, não sou filiado a partido, não sou de direita, não sei nada de trio de elétrico. Entrei nesse manifesto para abraçar uma causa e não, não é uma causa polícia. Meu nome esta nesse evento sim, pois estive aqui fazendo o possível pra divulgar e ajudar para o evento, mais nada, não sou líder de nada, ok?, escreveu, acrescentando que colaborou desde o início para o evento e que não tem nenhuma responsabilidade com o trio elétrico.

“O I ato de apoio ao manifesto nacional de Campo Grande não é meu, é nosso, é de todos. Se vocês não querem trio, não vai ter”, completou.

Convite para manifestação nesta quarta-feira. (Foto: Reprodução/Facebook)"Convite" para manifestação nesta quarta-feira. (Foto: Reprodução/Facebook)

Nova manifestação ? – A explicação, pelo visto, não acalmou os ânimos. No mesmo grupo, alguns se preparam para uma nova mobilização nesta quarta-feira (19).

O jornalista Rudney Ramos Espíndola é um dos que está à frente da iniciativa.

“Vamos para rua hoje. Quem quiser que se junto. A partir das 17h, na Praça do Rádio. A avenida Castelão está tomada e aqui estamos esperando os políticos decidirem com o povo. Me respeita. Sou povo e tenho opinião própria em busca de um Brasil melhor”, escreveu.

Para alguns, terminou a união do movimento. Para outros, os apoiadores, a atitude foi coerente. É esperar para ver.

Eventos de Natal, inauguração de igreja e obras interditam 9 ruas na Capital
A Agetran (Agência Municial de Transporte e Trânsito) informa que pelo menos 9 ruas terão o tráfego impedido neste domingo (17) em Campo Grande. O fe...
Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata - com placas HTI-8594 - assaltaram ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro C...


Esta tudo bom demais para ser verdade. Oras, o que ha de errado no fato de o jovem ser filiado a partido político? Nada. Não ha nada de errado. Muitos do que amanhã irão participar da passeata, certamente que também são. Isso em nada interfere no andamento da passeata. Por outro lado, embora eu não conheça nenhum desses jovens que "lideram" essa iniciativa, quem garante que não esteja nascendo ai novos e bons representantes para o povo? Quanto a sair as ruas sem comunicação prévia a polícia e as autoridades de trânsito, isso é ilegal. E se o movimento quer mesmo ser pacífico e coberto de legalidade, não pode se furtar a respeitar as leis.
 
Fernando Silva em 19/06/2013 22:59:59
ESSA MANIFESTAÇÂO FOI ORGANIZADA NÃO POR ESSES APROVEITADORES!!!
MAIS POR TODOS QUE ESTAVA DOMINGO EM BAIXO DE CHUVA NA CONCHA QUE ISSO ESTEJA CLARO
 
Alvaro Arguelo em 19/06/2013 17:05:12
Não existe absolutamente NENHUMA CHANCE do protesto ser adiado, VAI SER SIM REALIZADO AMANHÃ, não são intrigas que vão fazer o povo se dispersar se nem as balas de borracha conseguem
 
Sergio G em 19/06/2013 15:42:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions