A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

23/07/2011 09:44

Com onda de assaltos praticados por motociclistas, quem está sob duas rodas vive agora sob suspeita

Paula Maciulevicius

Preconceito com motos populares coloca motociclistas como suspeitos pelo simples fato de se locomover

Sob suspeita, apenas por pilotar, motociclistas viram alvo de medo entre comerciantes. (Foto: João Garrigó)Sob suspeita, apenas por pilotar, motociclistas viram alvo de medo entre comerciantes. (Foto: João Garrigó)

O número de assaltos em Campo Grande, a maioria praticada por motociclistas, deixa em alerta comerciantes e a população, aumentando também a tensão para quem anda sobre duas rodas.

Supermercados, conveniências, farmácias, postos de gasolina e o comércio em geral estão com medo. Basta só um motociclista se aproximar para a preocupação começar e colocar todos os condutores sob suspeita.

“Eles olham diferente sim. A gente entra e já acham que é com a intenção de roubar”, diz o motociclista e operador de caixa Mailson Matos Alves, de 19 anos.

O jovem que mora e trabalha no bairro Tiradentes chega, estaciona e logo tira o capacete. Prática que se não vira hábito, traz um transtorno ainda maior. “Você não dá dois passos de capacete, o segurança já barra na hora, é o medo”, fala.

O sentimento de intimidar as pessoas foi percebido há um tempo, mas se intensificou um mês atrás, explica Mailson. “Todo mundo acaba desconfiado, mas fazer o que? Tem que superar”, comenta.

Motociclistas contam experiências um tanto traumáticas de como é viver sob duas rodas. (Foto: João Garrigó)Motociclistas contam experiências um tanto traumáticas de como é viver sob duas rodas. (Foto: João Garrigó)

Pilotos de motos populares com poucas cilindradas caem ainda mais na desconfiança popular. O segurança de uma galeria de lojas, Iliê Simões, de 29 anos, que o diga.

Do alto do seu 2,2 metros de altura, ele diz que a desconfiança em motociclistas aumenta a cada dia “a maioria dos roubos são de moto, uns 90% do que a agente vê é assim”, ressalta.

No estabelecimento, a placa para tirar o capacete é explícita e mesmo aos esquecidos, Iliê está lá para lembrar. O que antes era para evitar furtos nas prateleiras, agora se tornou medida de segurança, pelo menos na teoria.

A intimidação dobra se a moto estiver ocupada por duas pessoas. “A situação fica ainda mais crítica principalmente se um entra e o outro fica”, coloca o segurança.

O casal Adriano dos Santos Silva, de 29 anos e Priscila dos Santos de 28, são enfáticos em responder que viraram foco pelo simples fato de andar sob duas rodas.

“Todo mundo fica apreensivo. É a primeira coisa que eles olham, se você chegou de moto”, resumem.

Adriano ainda vai mais além e diz que a questão já está se tornando natural. “É instintivo, o medo de motociclistas está incorporado nas pessoas”. Mas ele admite que para os pilotos, tudo depende do ponto de vista. “Vai de como você vê, o negócio é não receber como ofensa”, esclarece.

Colegas de trabalho, Marcos e Diego foram às compras de inverno, a surpresa foi que na loja, não quiseram vender a touca de lã, para usar no frio. “Chegou lá e o cara não queria vender, disse que a touca ia ser usada para assalto”, comenta Diego Souza, de 22 anos.

Para eles, a explicação do medo, vem da agilidade do veículo. “Vai rápido, é mais fácil para fugir”, diz Marcos da Rosa, 23 anos.

Medo e receio dobram quando motos surgem engarupadas. (Foto: João Garrigó)Medo e receio dobram quando motos surgem engarupadas. (Foto: João Garrigó)

As olhadas com receio aumentaram há um mês e não há quem discorde de que chegar com mais pessoas assusta. “Quando vêem que está engarupado então, aí é que olham mesmo, um pode ser o piloto de fuga”, enfatiza Diego.

“Toda hora é hora, não tem mais isso de ser à noite”. A frase é do frentista Everton Carvalho, 30 anos.

Sem poder deixar de atender só por se tratar de motociclistas ele admite “se dá medo? E como, principalmente duas motos ou um na garupa”. Como profissional o receio precisa ficar de lado, mesmo quando como pessoa, a vontade é de sair correndo.

“Não tem como se prevenir, se esconder, você está sujeito a isso. Às vezes pode ser só um cliente mesmo, querendo abastecer”, justifica.

A intimidação não tem hora. Como clientes ou logo na cara dura, os criminosos entram, agem e saem como se nada tivesse acontecido. A placa de aviso, para retirar o capacete é desconsiderada.

“Você acha que ladrão vai respeitar? Isso aí vira arma para esconder o bandido”, considera o empresário Josias Fernandes, de 46 anos.



Eu sou motociclista, e não acho q deveria ter uma lei (segundo nosso colega João) q proibisse andar com garupa não! Pois não devemos todos pagar por erros de alguns!!!
Afinal não é proibindo garupa que vai resolver o problema! Só quem é motociclista é quem sente na pele essa umilhação ridicula! Agora só pelo fato de você pilotar uma motocicleta, você se torna suspeito d ser bandido? Fracamente...É uma palhaçada!!!
 
Geisivânia G. Alves em 25/07/2011 10:42:29
EU FIQUEI COM TRAUMA,COM ESSA ONDA DE ASSALTOS DE MOTOQUEIROS,Q QDO EU PARO O CARRO EM FRENTE A MINHA CSA,SE TIVER ALGUM MOTOQUEIRO PERTO DOU A VOLTA NA QUADRA OU LIGO P MEU MARIDO SAIR EM FRENTE DE CASA,SE OLHO NO RETROVISOR E VEJO ALGUM MOTOQ.ATRAS DO MEU CARRO,OU EU ACELERO OU ESTACIONO EM ALGUM LUGAR POPULAR,JA FICO TREMENDO,MAS É ISSO ACHO Q TODOS DEVEM FICAR EM ALERTA.
 
maira mendes em 25/07/2011 10:31:44
Como sempre a corda quebra do lado mais fraco,o cidadão trabalha, duro para se sustentar quando a oportunidade de comprar uma motocicleta vem outros sugerindo leis para não andar como garupas, que a bandiagem usa deste meio de transporte para cometer delitos é inegavél, mas com as leis vigentes no pais só beneficiando os meliantes o cidadão de ben não pode se quer ter o minimo de conforto. Penso que a lei para crimonosos já tinha que começar com prisão perpetua e trabalho forçado fazer o marginal ter medo de ir para um presidio, la os mesmos tem refeiçoes,piscologos,tem salario para a familia, e quem paga tudo isso o cidadão que foi lesado por eles.
 
reges silva em 25/07/2011 10:04:42
eu sou motoqueira, e tbém tenho medo dos assaltos que estão acontecendo com motos, evito até sair de noite, pois tenho medo nas paradas dos sinais de parar um assaltante do meu lado,qdo chego nos lugares tiro logo o capacete, só que isso que algumas pessoas estão falando não tem nexo, como proibir o usso de capacete, esse é o absurdo do seculo, a proteção mais importante de um motoqueiro.
 
laine oliveira em 25/07/2011 09:56:41
Lei pra proibir andar com garupa? Não é mais prático proibir a comercialização e emplacamento de motos? Proibam a produção ou importação também. E o mesmo para capacetes e EPIs para motociclismo...

É cada coisa que aparece...

Eu sou motociclista, não sou bandido, mas todo motorista que dirige mal, pra mim já é suspeito também...

Querem um exemplo? Vinha pela Mal. Rondon, sentido bairro - centro, na faixa da direita, e o motorista de um veículo Gol resolve me ultrapassar no quebra-molas próximo ao Maria Constança... pra entrar numa das ruas à direita que cruzam a Marechal.... E eu ainda estava passando pelo quebra-molas, o cara tava na faixa da esquerda. Quase me atropela. Tive que frear pra não ser colhido pelo carro.
Vai se esperar o quê de um sujeito assim? Pra mim, é suspeito...
 
Daniel Francelino da Silva em 25/07/2011 09:06:19
A violência em New York diminuiu significativamente somente com a implantação do programa "Tolerância Zero", que basicamente consistiu em corpo policial ativo, que revistava qualquer suspeito em busca de armas ou drogas. A cidade tem centenas ou milhares de policiais, mas no dia a dia não os vemos nas ruas em busca dos suspeitos. Em Campo Grande, jamais vi alguém sendo revistado. O bandido não vai assaltar desarmado, e vai evitar andar armado se correr risco considerável de ser abordado pela polícia. Pagamos mensalmente os salários dos policiais, então, para nossa segurança, podemos exigir deles maior empenho.
 
Roberto da Silva em 24/07/2011 11:01:28
o unico jeito eu acho que vão ter de inventar capacete transparente sendo obrigatorio
 
antonio carlos em 23/07/2011 12:16:28
O CERTO E PROIBIR O USO DE CAPACETE,COMO NOS ESTADOS UNIDOS,ISSO RESOLVE,POR QUE O ASSALTANTE NAO VAI LA MOSTRAR A CARA DE PAU DELE.
 
DANIEL SOARES em 23/07/2011 12:15:44
Se os motociclistas entenderem que capacete não é adorno e, sim, item de segurança para ser usado quando pilota sua suas motos, não terão que se precocupar.
Tem alguns que se acham tão importantes que apenas sobem o capacete até e entram nos estabelecimentos comerciais ou até andam pelas ruas assim. Com certeza só passarão por suspeitos em virtude de qualquer pessoa comum saber que essas atitudes são dignas de criminosos.
form como nós nos comportamos pode não identificar nossas atitudes, mas nos colocam entre aqueles que assim se comportam. Portanto andar como gente civilizadas é a melhor forma de não sermos confundidos.
 
Ezio José em 23/07/2011 12:14:20
Deveria exisitir uma lei que proibisse de motociciclista andar com garupa... e de entrar em locais com capacete.
 
João C. Alves em 23/07/2011 12:05:44
A medida emergencial a ser tomada pelas industrias seria a produção de capacetes de acrilico - transparentes, portanto - ajudando assim, em uma identificação. É básico, porém ajuda muito na identificação, na minha opinião.
 
Edson F. Chaves em 23/07/2011 12:03:09
Vamos liberar o uso da motocicleta sem capacete, afinal não somos bandidos autoridades
 
carlos henrique em 23/07/2011 11:56:58
Infelizmente é sempre assim, os bons pagam pelos maus. Mas do jeito que está a polícia tem que parar e revistar toda e qualquer moto com garupa. É a segurança da coletividade.
 
Marcelo F. em 23/07/2011 11:36:05
Não deveria existir lei proibindo "motociciclista" ( de acordo com o João ) andar com garupa não. "motociciclista" também trabalha, tem família. Se bandido usa-se carro, deveríamos proibir carros com mais de uma pessoa também? O certo é combater o BANDIDO. Se bandido usa moto, paciência. Quantos assaltam a pé?

Eu paro a moto já tiro o capacete. Andando com garupa, evito aquilo de colocar a mochila entre eu e o garupa também.

Isso é só para mostrar que eu não sou bandido, mas é ter paciência. Entendo a reação das pessoas. Eu quando vejo um sujeito com camisa larga, boné pra trás, cheio de coisa pindura também fico com receio. Paciência. É preconceito, sim. Mas não é tão fácil assim tirar.
 
Jean K. Santos em 23/07/2011 11:26:30
Sou motociclista, trabalho no comérico, uso minha motocicleta para o meu ir e vir. Já senti na pele o preconceito, principalmente à noite quando me dirijo a uma farmacia, conveniência, etc. Quando chego em qualquer local, desligo a motocicleta e imediatamente tiro o capacete. Já percebi que agindo assim as pessoas se acalmam. Mas mesmo assim è constrangedor para nós, que respeitamos as leis e somos pessoas de bem.
 
Fernando Leiria em 23/07/2011 10:41:49
"Do alto do seu 2,2 metros de altura" (2 metros e vinte) ???

É inegável que a suspeita em relação a nós, motociclistas, se tornou uma constante.
Mas acredito que é uma questão de interpretação mais pela forma de se chegar a um determinado local e a postura após parar e descer da moto do que pelo simples fato de, apenas, transitar.
Uma dica: A ATENÇÃO E A RESPONSABILIDADE AO TRÂNSITO AINDA É MAIS IMPORTANTE DO QUE QUALQUER OLHAR DE SUSPEITA OU MEDO FEITO POR QUALQUER UM.
#ficaadica
 
Fábio de Souza Lopes em 23/07/2011 10:22:35
Preconceito existe e sempre vai existir. E tudo neste mundo tem seu preço. Um cidadão consciente, alem de não se deixar levar pelo preconceito, também deve evitar atitudes que provoquem desconfiança nas outras pessoas, como citado pelo motociclista Maicon na reportagem. Na rua também, um pouco de atenção e muita calma vão evitar transtornos. Somos humanos, não somos perfeitos mas somos humanos. Se eu não tiver o minimo de respeito e consideração por outro ser humano também serei incapaz de ter amor próprio.
 
Ricardo Lopes em 23/07/2011 10:13:56
A segurança do veiculo ( no caso a moto) é diretamente proporcional a sua velocidade, isto é quanto maior for a segurança, maior sera a velocidade imprimida pelo piloto. E ai a segurança da maioria é afetada por uma minoria. Façamos como alguns países, sem capacetes e sem caronas.
 
Batista de Assis em 23/07/2011 10:09:48
O ignorante J. C. A., Deveria exisitir uma lei que proibisse de motociciclista andar com garupa?
COM GARUPA OU SEM.... O PERIGO É O MESMO.
DEVERIA SE INFORMAR MAIS.
 
Luiz Alves em 23/07/2011 07:26:47
é lamentavel!!! axo que a policia tem fazer mais blits relampago principalmente nos bairros!! enquadra moto na rua mesmo!! todo mundo é suspeito da maioria das veses é moto ou bicicleta!!! solução é policiamento intenssivo!!! e boracha com força na vagabundagem!!
 
elvin pereira em 23/07/2011 07:18:42
Deveríamos ter penas mais rigorosas para quem comete assalto com arma de fogo. Se motociclista engarupado já assusta, imaginem usando capacetes com viseira escura. As regras do Contran proíbem a fixação de película na viseira do capacete.
 
Eder Gonçalves em 23/07/2011 06:30:39
senhor joão alves
infelizmente não tem como proibir de andar na garupa de moto (é um veiculo para 2 pessoas) na verdade o que precisamos é de policiamento preventivo, atuante.
quando temos policiamento na rua com certeza inibimos a violência. agora o que acontece as leis nesse país são verdadeiras piadas, são modificadas e a população só toma conhecimento quanto estao aprovadas. quem mata, rouba, assalta pode ficar livre graças a esta PROPINA OFICIAL chamada FIANÇA. ou seja VIRAR BANDIDO NESTE PAÍS É UMA BELEZA!!
BRASIL O PAÍS DA IMPUNIDADE - podíamos por esse slogan na copa do mundo né!
 
MARCEL DOS SANTOS NOBRE em 23/07/2011 06:05:32
Esse assunto é muito delicado. É fato que esses delinquentes se aproveitam da facilidade de entrar nos estabelecimentos sem mostrar o rosto, pois o capacete impede o reconhecimento do indivíduo e também a agilidade que uma moto proporciona em relação à evasão do local. Entretanto, não podemos desconsiderar o problema causado às pessoas de bem. A sociedade cria um perfil de marginal cujos atributos correspondem exatamente ao perfil de um motociclista, justamente pelos acontecimentos que envolvam essas conduções e seus condutores, cabendo a nós, mortais, diferenciarmos tais indivíduos. Acredito fielmente na intenção das autoridades em minar essas tristes estatísticas. Mas, a ação precisa ser imediata. Vai aí meu aviso. Abraços!
 
Willyan Mendes em 23/07/2011 04:32:50
Aos Srs. João C. Alves e Edson F. Chaves
Existem muitos cidadãos de bem que não têm condições para comprar um carro e dependem da motocicleta para se locomover, buscar o filho na escola, levar a esposa ao trabalho, etc. E criar leis que proíbem andar engarupado ou até mesmo leis que só iriam beneficiar as indústrias de capacetes seria uma burrice. Devemos cobrar seriedade dos nossos governantes para acabar com o caos no sistema prisional brasileiro. Hoje para não se gastar com a construção de mais presídios estão criando leis que abrandam as penas e facilitam o retorno de marginais às ruas. Temos que acordar!!!
 
Elton Ferreira em 23/07/2011 03:10:06
Assim como a violência o preconceito é um fenômeno humano e social. Talvez não haja um tema tão importante para o desenvolvimento das relações sociais, e melhoria da qualidade de vida do coletivo do que discutir à agressividade em vários níveis psicológicos. Infelizmente por aspectos culturais e até mesmo religiosos, se compara a agressividade apenas com violência ou destrutividade. Situado em outro viés o preconceito não tem virtude alguma e tão somente provoque reações violentas e conspira contra as boas relações entre as pessoas e, provalvelmente chegaremos ao décimo milênio e esse fenômeno não desaparecerá, ou seja, uma triste e lamentável perspectiva.
 
Antonio Barbosa em 23/07/2011 01:20:53
NÃO SOU MOTCICLISTA MAS VEJO ESTA CLASSE ,COM MUITO BONS OLHOS, QUE SÃO MUITO UTIL AO DESENVOLVIMENTO DE NOSSO PAÍS, POR ISSO DEIXO UM APELO A ESSES NOBRES PROFISSIONAIS QUE NÃO SE CINTA DISCRIMINADOS POIS EM TODAS AS CLASSES EXISTEM OS BONS E OS MAUS, PROCUREM ANDAR SEMPRE LEGAL, CUMPRIR COM SEUS DEVERES E MANTER-SE INTEGRADOS AS NORMAS DE TRANSITO PARA EVITAR DANOS A SUAS PRÓPRIAS VIDAS E DIMINUIR ESTA ESTASTISTICA QUE EXISTE EM ACIDENTES DE TRÂNSITO.INFELISMENTE AS VEZES OS BONS PAGAM PERLOS MAUS , MAS NÃ PODEMOS CONDENAR UM SEXTO DE FRUTOS POR TER ALGUMAS UNIDADES PODRES. PARABENS AS PROFISSIONAIS HONESTOS.





 
PORFIRIO VILELA em 23/07/2011 01:01:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions