ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 

Capital

Comércio fez reunião na madrugada e cogita entrar na Justiça contra restrições

Rascunho de documento circulou em grupos de WhatsApp e provocou desespero

Por Aline dos Santos | 10/03/2021 09:20
Lojas abertas no Centro de Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Lojas abertas no Centro de Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

O rascunho do que seria o novo decreto com medidas do governo contra a pandemia, documento que circulou na noite de ontem em grupos de WhatsApp, levou a CDL de Campo Grande (Câmara de Dirigentes Lojistas) a fazer videoconferência na madrugada diante da repercussão.

Nesta quarta-feira (dia 10), o presidente da CDL, Adelaido Vila, aguarda a publicação do decreto no Diário Oficial de Mato Grosso do Sul e já cogita acionar a Justiça contra as medidas.

“Estamos aguardando a publicação oficial. Mas lamentamos o incômodo, a angústia e o desespero. Quem vazou conseguiu o que queria, gerou sofrimento. As pessoas ligando de madrugada”, afirma Adelaido.

Segundo ele, a videoconferência com entidades, que não quis dizer quais, terminou a uma hora da manhã de hoje. Do teor do rascunho do decreto, um dos pontos que preocupa os empresários é que as medidas entrariam em vigor amanhã. Outra questão é a restrição de horário ao sábados e o fechamento aos domingos. Porém, tudo ainda é especulação.

“No mínimo, precisa entrar em vigor na segunda-feira. E se o decreto oficial tenha algo que prejudique a nossa atividade, vamos judicializar, tomar todas as medidas cabíveis. A gente não aguenta mais”, diz.

Atualmente, os comércios de ruas podem funcionar das 8h às 18h em Campo Grande. Já as lojas nos shoppings atendem das 10h às 22h.

A previsão é que o decreto seja publicado nesta manhã. O Diário Oficial que, em geral, está no ar a partir das 7h30 ainda não saiu. O Campo Grande News apurou que já está confirmado toque de recolher em todo Estado a partir das 20h.

Mato Grosso do Sul tem registrado recorde de internações de pacientes com covid-19 desde sexta-feira (dia 5).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário