ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, QUARTA  06    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Condenação de Anderson por morte de Mayana abre exemplo jurídico no País

Nadyenka Castro | 01/03/2012 17:25

Para comprovar os argumentos da acusação até a matemática foi usada

Douglas mostra a tabela que comprova a transposição dos sinais e explica a matemática. (Foto: João Garrigó)
Douglas mostra a tabela que comprova a transposição dos sinais e explica a matemática. (Foto: João Garrigó)

A condenação de Anderson de Souza Moreno, 20 anos, nessa quarta-feira, em Campo Grande, abre precedente para que outros acidentes semelhantes ao cometido pelo rapaz também sejam considerados dolo eventual, qualificado pelo motivo torpe e consequentemente avaliados pelo júri popular.

E para que os jurados reconhecessem toda a responsabilidade de Anderson a acusação mostrou diversas provas: laudo pericial sobre a velocidade do Vectra dirigido por ele, testemunho de pessoas que viram sinais vermelhos e o racha, relatos sobre o acusado, comandas de consumo de bebida alcoólica e uma das principais: análise matemática que comprova que o rapaz cruzou a José Antônio com o semáforo vermelho para ele.

Até antes de Anderson ser condenado à 18,9 anos de prisão em regime fechado era utilizado como exemplo jurídico um acidente ocorrido em Niterói, Rio de Janeiro. Agora, a colisão ocorrida na Capital virou o exemplo e assunto de muita discussão entre delegados, promotores, juizes e desembargadores.

O que faz o caso ser exemplo para condenação de outros motoristas imprudentes é principalmente o fato dos jurados terem reconhecido a qualificadora do motivo torpe, que torna o crime hediondo. “As qualificadoras é que fazem o crime hediondo”, diz o promotor de Justiça Douglas Oldegardo Cavalheiro dos Santos, responsável pela acusação de Anderson.

E foi o fato de o crime ser considerado pelo júri popular como hediondo que fez a pena ser a mais alta já aplicada, pelo menos em Mato Grosso do Sul, em casos de homicídio doloso no trânsito envolvendo racha, embriaguez, alta velocidade e transposição do sinal vermelho. “Não existe ineditismo em relação ao tipo de condenação e sim envolvendo toda a circunstância”, explica Douglas referindo-se às qualificadoras.

Conjunto de provas levou Anderson à condenação inédita em crime de trânsito envolvendo racha, alta velocidade, embriaguez e furo de sinal.(Foto: Marlon Ganassin)
Conjunto de provas levou Anderson à condenação inédita em crime de trânsito envolvendo racha, alta velocidade, embriaguez e furo de sinal.(Foto: Marlon Ganassin)

Uma das provas fundamentais à condenação foi a que reforçou o relato de três testemunhas presenciais: a análise sobre a Onda Verde na Afonso Pena, que na época do crime estava em funcionamento.

“Eu e o Jorge fomos um dia no fim da tarde na Afonso Pena e cronometramos o tempo de abertura e defasagem dos sinais da Paraíba até a José Antônio”, fala Douglas, que junto com seu assessor fizeram a matemática do abre e fecha dos semáforos para saber quem dizia a verdade: Anderson, que diz que passou no verde, ou os trabalhadores, que afirmam que ele furou o sinal.

Tudo foi anotado e aplicado em uma fórmula matemática em que foi adicionada a velocidade do Vectra - 110Km/h, conforme a perícia -, e o tamanho dos quarteirões da avenida. Então, diante de tantos números foi constatado que o carro de Anderson - que seguia pela Afonso Pena- levou 4,6 segundos para atravessar os 140m entre as ruas 13 de Junho e José Antônio, local do acidente.

Com esse tempo e o do abre e fecha dos semáforos foi verificado que Anderson furou pelo menos quatro sinais: entre a rua Bahia e a José Antônio. O promotor então pediu informações à Agetran sobre o funcionamento da Onda Verde e com os dados oficiais aplicou a matemática, sendo constatada a transposição dos sinais.

A constatação da transposição dos sinais foi apenas uma das provas que levaram os jurados a condenar Anderson.

A defesa pedia a desqualificação para homicídio culposo (sem intenção) e consequente retirada das qualificadoras - motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Nos siga no Google Notícias