A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

06/04/2014 08:34

Conselho de Saúde é suspeito de criar "cabide de emprego” e desviar bens

Lidiane Kober

O MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito para apurar suspeita de desvio de bens do Conselho Municipal de Saúde de Campo Grande. Até computador, impressora e cadeiras teriam sido levados para uso particular. A entidade também é suspeita de contratar parentes e de promover farra na distribuição de vale-transporte. A denúncia motivou a abertura de sindicância pela prefeitura.

O caso é antigo e veio à tona em 18 de junho de 2012, por meio de denúncia do ex-coordenador e relator da Comissão de Orçamento e Finanças do conselho, Rony Adolpho Drens Júnior, que atuou no órgão de 2007 a março de 2011.

Na época, ele afirma ter presenciado o “desvio de bens, como computador, impressora, móveis, cadeiras, armários e CPU”. Ao mesmo tempo, Ongs (Organizações Não Governamentais) teriam recebido sem executar serviço firmado por convênio. Os beneficiados teriam, inclusive, vínculo parentesco com integrantes da direção do conselho.

A informação foi apurada em sindicância, instalada em 10 de fevereiro de 2012, pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). “Há vínculo parentesco das Ongs com o conselho”, constatou a investigação, encerrada em 13 de março de 2012.

Uma das organizações, por exemplo, recebeu R$ 15 mil para realizar campanha de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis. Júnior, porém, afirma que o serviço não foi feito. Outra Ong, segundo ele, embolsou R$ 4 mil, também sem cumprir o acordado por convênio. No total, estão na mira da investigação três entidades que foram contratadas pelo conselho.

Na sindicância, a Sesau apontou que em todos os casos há irregularidades na prestação de contas das Ongs. Só uma organização teria apresentado os números. O balanço, no entanto, foi considerado incompleto e foi ajuizada ação ordinária de cobrança. As demais nem sequer deram satisfação do que fizeram com o dinheiro público.

Já as contas do Conselho Municipal de Saúde, referentes ao exercício de 2011, foram aprovadas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado). O conselheiro relator, Iran Coelho das Neves, inclusive, classificou o balanço de como “satisfatório”.

Vale-transporte – O denunciante afirmou ainda ao MPE que a direção do conselho promoveu farra na distribuição de vale-transporte. De acordo com ele, os cinco membros da Mesa Diretora recebiam, por mês, 30 tickets cada um. Já o coordenador do Conselho Distrital Sul ganharia 40.

À sindicância, a direção alegou que a decisão de distribuir o benefício saiu de reunião do pleno do Conselho Municipal de Saúde. A apuração apontou ainda que o denunciante começou a ser perseguindo, a partir de abril de 2010, por questionar as supostas ilegalidades.

No comando da investigação do MPE, o promotor da 31ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social, Henrique Franco Cândia, cobrou, no último dia 25, mais informações da prefeitura sobre o caso e mandou oficiar a Procuradoria do município para tomar providências sobre as irregularidades apontadas na sindicância.

Conselho de Saúde distribui kit preventivo da Aids a passageiros da rodoviária
O Conselho Municipal de Saúde realizará a Campanha Carnaval 2014, nesta sexta-feira (27), às 16 horas, no terminal rodoviário de Campo Grande. Durant...
Presidente do Conselho de Saúde diz que SUS deveria ser prioridade em MS
O presidente do Conselho Estadual de Saúde, Alexandre Correa Bueno, ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para tratar do que chamou de “privatiz...
SUS vive crise generalizada, avalia Conselho de Saúde
O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista Júnior, defendeu hoje (15) uma reforma geral no Sistema ...
Filho de Sizuo manipulou votação em conselho de saúde
Através de escutas telefônicas feitas durante dois anos, a Polícia Federal descobriu uma relação bem próxima entre a família Uemura e setores da saúd...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions