ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Consultoria irá elaborar plano de ação para Conselho do Direito das Crianças

Prefeitura abriu licitação para contratação após constatar que conselho está com demandas em atraso há 2 anos

Silvia Frias | 08/03/2023 10:05
Sala que está sendo usada na Deam para o plantão para atender casos de violência contra criança. (Foto/Arquivo/Paulo Francis)
Sala que está sendo usada na Deam para o plantão para atender casos de violência contra criança. (Foto/Arquivo/Paulo Francis)

A Prefeitura de Campo Grande está em processo de contratação de empresa de consultoria que será responsável pela elaboração de políticas públicas voltadas para a infância e adolescência, atendendo o CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes).

Na justificativa, consta que a estrutura está defasada e que a entidade não tem conseguido cumprir atribuições e que há até “compromissos em situação de atraso”, alguns deles expirados há mais de dois anos.

A licitação foi aberta no tipo “menor oferta”, com contrato previsto em até R$ 290 mil, custeado pelo Fundo Municipal para Infância e Adolescência.

Hoje, no Diário Oficial da União, consta que a sessão de apresentação de documentos e abertura de propostas será retomada no dia 10 de março, às 14h, na sala de reunião de Compras Governamentais.

Isso porque, no dia 16 de fevereiro, a sessão foi suspensa para análise da documentação de cooperativa que se inscreveu na concorrência.

A empresa irá prestar serviço para aprimorar o trabalho do conselho, que conta com participação da sociedade civil e do Poder Executivo Municipal. Ele propõe, delibera e controla as políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes. A entidade também sugere planos que tenham como objetivo assegurar direitos, garantindo proteção à infância e adolescência.

Conforme a justificativa, o trabalho do conselho é de “amplitude extraordinária” que exige suporte técnico amplo, sistemático e consistente. “Levando em conta a estrutura hoje disponibilizada para seu funcionamento, o Conselho não tem conseguido cumprir com suas atribuições”, avaliou a prefeitura.

Após a escolha da empresa de consultoria, o cronograma de trabalho foi dividido em seis fases, sendo que a primeira etapa prevê que, em prazo de 30 dias, deverá ser apresentado plano contendo a metodologia para desenvolvimento da assessoria. Nesta fase também deverá ser apresentada a equipe de coordenação da pesquisa. Em 90 dias, a contratada deverá apresentar projeto de ação.

Alessandra Hardtman, integrante do CMDA, disse que essa contratação já está sendo discutida e em processo de licitação há mais de um ano, assim como da capacitação da escuta especializada. "Essas ações já estavam sendo cobradas pelo conselho", explicou.

O aprimoramento dos órgãos de atenção à infância e adolescência também foi considerado primordial a partir da morte de menina de 2 anos e 7 meses, no dia 26 de janeiro. A Polícia Civil apurou que a criança foi agredida e estuprada e a mãe e o padrasto dela, Stephanie de Jesus da Silva, 24 anos, e Christian Campoçano Leitheim, 25, foram presos pelo crime.

O caso de repercussão nacional trouxe à tona a falha na rede de proteção à criança, que também vem sido discutida pelos órgãos de segurança. Recentemente, o plantão da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) foi instituído aos finais de semana, dentro da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher), até que se instale ambiente próprio para o trabalho.

Nos siga no Google Notícias