A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/05/2016 17:10

Cunhado de ex-secretário, preso em SP, é suspeito de ser "laranja" em empresa

Paulo Yafusso
Representantes da Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Receita Federal falaram da segunda fase da Lama Asfáltica (Foto: Fernando Antunes)Representantes da Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Receita Federal falaram da segunda fase da Lama Asfáltica (Foto: Fernando Antunes)

O dono da empresa Terrasat Engenharia e Agrimensura, Flávio Henrique Garcia Scrocchio, foi preso temporariamente na Operação Fazendas de Lama, suspeito de ser “laranja”. Ele é cunhado do ex-secretário estadual de Obras e ex-deputado federal Edson Giroto, também preso na operação. Ele foi preso em Tanabi, interior de São Paulo, e trazido para a Superintendência da Polícia Federal no fim da tarde de quarta-feira (11).

Segundo informou o superintendente da PF em Mato Grosso do Sul, Ricardo Cubas César, as informações e dados levantados até esta fase da investigação levantam suspeitas de que Flávio Henrique não seja o verdadeiro dono da empresa, por isso houve o cumprimento do mandado de busca e apreensão na empresa em Tanabi e a prisão temporária dele.

Pesquisa feita no site consultaSocio.com diz que Flávio Scrocchio é sócio em três empresas, sendo uma em Mato Grosso do Sul, a Gs Agropecuária, que tem como sede uma fazenda no Pantanal da Nhecolândia e que foi criada em setembro de 2014. Com capital social de R$ 7 milhões, a empresa tem como principal atividade a produção de soja. A sócia dele é Claudia Artenizia Giroto Scrocchio, irmão de Edson Giroto.

O advogado Valeriano Fontoura, que também atua na defesa de Flávio Garcia Scrocchio nesta investigação, afirmou que o empresário preso em Tanabi tem a Terrasat há 20 anos, por isso não existe nenhum fundamento a suspeita de que seja “laranja”. Fontoura defende também Giroto, a mulher dele, Rachel Giroto, e a ex-presidente da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), Maria Vilma Casanova, todos presos na Operação Fazendas de Lama. Rachel conseguiu autorização para cumprir a prisão temporária em regime domiciliar.

Sobre a empresa Sanches Tripoloni, segundo a PF, o mandado de busca e apreensão na sede da empresa em Maringá, tem como finalidade apurar a suspeita de “locação fictícia” de máquinas, segundo informou Ricardo Cubas. No site da empresa paranaense, consta que em Mato Grosso do Sul está a execução de implantação e pavimentação da rodovia estadual MS-112, em Inocência, a 339 km de Campo Grande.

A empresa é alvo de investigação na Lama Asfáltica também com relação a execução de obras na BR-359, entre Coxim e Alcinópolis. O advogado da Sanches Tripoloni, Jamil Josepetti, afirmou desconhecer o motivo do mandado de busca e apreensão e nega a participação dela em qualquer irregularidade. Afirmou ainda que, por ter muitas obras, ela costuma locar máquinas de outras empresas, mas não locar para outras empresas.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions