A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Janeiro de 2018

15/01/2012 10:41

De graça e com atendimento multiprofissional, Centro de Reabilitação abre as portas

Paula Maciulevicius

Pessoas que se tornaram personagens do Campo Grande News após terem sofrido acidentes de trânsito terão oportunidade de reescrever a própria história como protagonistas de uma etapa de superação

Aqui vão se sentar centenas de pessoas. Pacientes com sequelas, gente que traz consigo marcas de doenças ou consequências de acidentes terão tratamento de reabilitação de graça. Do atendimento à cadeira de rodas, ou perna mecânica. (Foto: João Garrigó)Aqui vão se sentar centenas de pessoas. Pacientes com sequelas, gente que traz consigo marcas de doenças ou consequências de acidentes terão tratamento de reabilitação de graça. Do atendimento à cadeira de rodas, ou perna mecânica. (Foto: João Garrigó)

A partir desta segunda-feira as portas se abrem e a sala de espera vai lotar. O CER (Centro Especializado de Reabilitação) APAE começa o atendimento ao público nove meses após ter a estrutura inaugurada. A rua Carlinda Tognini, na Vila Progresso, em Campo Grande, será o abrigo e fortaleza de pacientes de todas as idades, que terão em um só lugar médicos especializados em reabilitação, fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia, terapia ocupacional, nutrição, educador físico e técnico ortopédico. E tudo isso de graça, do atendimento à cadeira de rodas ou perna mecânica.

Pessoas que se tornaram personagens do Campo Grande News através de acidentes de trânsito terão oportunidade de reescrever a própria história como protagonistas de uma etapa de superação.

Gente como Eder Tulio Pereira Bezerra, 21 anos, que teve a perna esquerda decepada depois de ter a moto que pilotava atingida por uma caminhonete em novembro de 2011, vai poder iniciar um novo capítulo, que leva o nome de reabilitação.

Foi através da história dele que a equipe conheceu o CER antecipadamente e pode levar uma notícia de esperança a quem sofre com as consequências de um trânsito cruel.

Ao chegar, paciente passará por triagem. Se encaixar no perfil do CER, o caso será estudado para então formar um protocolo de atendimento. (Foto: João Garrigó)Ao chegar, paciente passará por triagem. Se encaixar no perfil do CER, o caso será estudado para então formar um protocolo de atendimento. (Foto: João Garrigó)

E não serão só personagens como Eder e outros tantos que entram e saem do setor de Ortopedia da Santa Casa a serem contemplados com o atendimento em medicina e reabilitação.

O CER está de portas abertas para pacientes com lesão medular, sequela de Acidade Vascular Encefálico, amputações, Traumatismo Crânio Encefálico, doenças neuromusculares, paralisia cerebral, síndromes genéticas, malformações congênitas, paralisia infantil, neuropatias entre outros.

Aos olhos de quem entra a estrutura que o centro oferece não parece SUS, mas é. O cheiro de novo assim como o material de cada sala já é uma injeção de ânimo. O CER recém abre as portas e já é referência no Estado, por ser o único. São 15 consultórios, dois salões de fisioterapia, além de um espaço para reabilitação física, idêntico a uma academia.

Todo o funcionamento é explicado direto da fonte, o coordenador Rodrigo Lucchesi, foi quem colocou a ideia no papel e a pôs em prática.

À frente do CAMS (Complexo de Atendimento Multidisciplinar de Saúde) da APAE (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais de Campo Grande), em 2003 a vontade de estender o atendimento aos adultos fez com que Rodrigo pesquisasse até encontrar respaldo junto a uma portaria do Ministério da Saúde, que englobasse adultos no tratamento de reabilitação.

Resolutividade como lema do Centro. Pacientes vão entrar de um jeito e sair reabilitados. (Foto: João Garrigó)Resolutividade como lema do Centro. Pacientes vão entrar de um jeito e sair reabilitados. (Foto: João Garrigó)

A persistência do fisioterapeuta Rodrigo foi maior que a burocracia encontrada no caminho. A unidade teve a sua primeira aprovação em 2009 e paralisou.

Depois de viagens à Brasília e muito empenho, o CER foi inaugurado em abril do ano passado, mas ainda assim sem nenhum convênio que permitisse o funcionamento. A última aprovação foi em novembro, quando foi publicada a autorização de funcionamento do centro.

O CER vai funcionar a partir da produtividade, a verba vem correspondendo a produção. Pelo convênio firmado serão R$ 160 mil do Estado e R$ 300 mil do Ministério da Saúde.

De segunda-feira em diante o centro inicia as atividades, com a estrutura de profissionais de agora, é possível atender 100 pacientes ao dia. Número extremamente significativo perante a demanda. Só até a semana anterior a abertura, 200 pessoas já formavam uma pré-lista de espera.

A logística do prédio tem capacidade que faz jus a referência no Estado, pode atender até 700 pacientes diariamente, num futuro que se depender das mãos de Rodrigo, será breve.

"Vamos trabalhar com resolutividade. Paciente chega é atendido e sai daqui habilitado", ressalta.

A entrada de pacientes ao CER vai ser por encaminhamento de unidades básicas de saúde e hospitais. "Toda alta do hospital de paciente com nosso perfil, sequelado ou lesão medular vem direto para cá", completa.

Investimento de primeira qualidade em salas e consultórios, pacientes atendidos de graça. (Foto: João Garrigó)Investimento de primeira qualidade em salas e consultórios, pacientes atendidos de graça. (Foto: João Garrigó)
De portas abertas, CER sai do papel e depois de 9 meses inaugurado, começa a atender. (Foto: João Garrigó)De portas abertas, CER sai do papel e depois de 9 meses inaugurado, começa a atender. (Foto: João Garrigó)

Ao chegar, ele será atendido primeiramente por um assistente social, depois passa pela triagem médica, de fisiotepeutas, psicólogos e fonoaudiólogos. Se a pessoa se encaixar no perfil o caso será estudado por toda equipe para então se formar um protocolo de atendimento e posteriormente o agendamento para iniciar a reabilitação.

O tempo de recuperação vai depender do quadro de cada paciente. Mas o tratamento não para por aí. Dentro do CER o paciente que necessitar vai ter à disposição a oficina ortopédica que reduz de meses para cinco dias o tempo de receber perna mecânica e cadeira de rodas.

"O paciente amputado por exemplo, vamos analisar se já cicatrizou o coto moldá-lo num volume legal para a prótese e ele só sai daqui quando souber andar para frente, para trás e até pular com a perna", salienta o coordenador.

O Centro Especializado de Reabilitação abre às 7h30 desta segunda-feira, para agendamento prévio de avaliações o contato é 3045-5005.



Belo exemplo de ser humano que o Rodrigo está nos proporcionando. Impostos todos nós pagamos mas idéias e iniciativas poucos de nós temos.
Parabéns Rodrigo pela iniciativa, Deus o recompensará com toda certeza.
 
Ione Pessoa em 16/01/2012 10:13:04
Nossa estou chocada c essa iniciativa,pois estivemos procurando por algo parecido na cidade e não encontramos nada,até q enfim um ser humano abençoado teve essa idéia e colocou ela em prática,meus parabéns Rodrigo e q DEUS possa sempre estar agindo por vc......q eu consiga colocar meu pai para ser reabilitado ai c vcs afinal eu tenho muitas esperanças nisso,e c um bom trabalho então!!!!
 
PAULAFERNANDA VASCONCELLOS DOS REIS em 16/01/2012 06:53:54
FAÇO AS PALAVRAS DAS PESSOAS QUE POSTARAM UM COMENTARIO AS MINHAS, MUITO OBRIGADO, MEUS PARABENS. Rodrigo Lucchesi
 
Leandro Pezzolito em 16/01/2012 03:20:02
Gostaria de parabenizar ao Fisioterapeuta Rodrigo Lucchesi coordenador e articulador de ação nobre e necessária para as pessoas com necessidades físicas e emocionais especiais objetivadas pelo Centro Especializado de Reabilitação.Desejo sucesso ao CER e equipe de intervenções.
 
Nosimar F.S.Rosa em 15/01/2012 12:12:32
Que notícia boa, é isso que a população precisa e deve reconhecer, e não como querem governantes, que gastam dinheiro com obras que não atendem as necessidades básicas (como aquário do pantanal), com tanta gente doente, precisando de tratamento, remédios, e uma educação melhor!!!! Parabéns aos responsáveis!!!
 
Luíza Melo em 15/01/2012 11:27:50
Por favor, apesar de muito boa a proposta, importante ressaltar que, não é "de graça" como o título da matéria tenta passar e sim, reflexo dos impostos que o cidadão pagou. É sempre bem-vinda que, a imprensa, lembre o cidadão que, nada, nada é de graça em nenhum pais do mundo. Obrigado
 
enio sarti em 15/01/2012 10:50:29
Precisamos de mais gente como você Rodrigo, que Deus te abençoe sempre, vc não tem noção do bem que estará fazendo a tantas pessoas que assim como eu tem uma limitação física. Parabénssss
 
marlene garcia em 15/01/2012 08:43:59
De graça, nada!!!é direito de todo cidadão, mas infelizmente precisa de muito empenho de pessoas comprometidas com o ser humano como esse jovem fisioterapeuta
parabéns e que realmente esse trabalho seja uma luz para essas pessoas que saem dos hospitais e ficam peranbulando em busca de tratamento de reabilitação.
 
lene ramos em 15/01/2012 04:47:56
Parabéns ao Rodrigo...
Eu como tantos outros, fui vítima de acidente de trânsito, e consequentemente existem sequelas.... Minha recuperação foi interrompida porque o plano de saúde, que se diz o melhor de MS, não cobriu o tratamento, e o SUS menos ainda...
Mas tenho certeza que esse novo centro é de enorme valia e de extrema importancia!!
 
Larissa Kaminski em 15/01/2012 02:59:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions