ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Decisão do STJ antecipa aposentadoria de desembargador investigado pela PF

Divoncir Maran foi afastado das funções até abril, suspeito de ter favorecido traficante Gerson Palermo

Por Silvia Frias | 12/02/2024 17:22
Divoncir Maran foi afastado das funções do TJMS, por decisão do STJ (Foto/Arquivo)
Divoncir Maran foi afastado das funções do TJMS, por decisão do STJ (Foto/Arquivo)

A decisão da ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Maria Isabel Gallotti, de afastar o desembargador Divoncir Schreiner Maran das funções no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), na prática, antecipou a aposentadoria do magistrado.

O afastamento consta de decisão do STJ, que determinou o cumprimento de nove mandados de busca e apreensão na Operação Tiradentes, da Polícia Federal. Maran é investigado por suposto favorecimento a Gerson Palermo, traficante condenado a 126 anos de prisão e que foi beneficiado com habeas corpus.

“(...) determino ad referendum da Corte Especial, o afastamento cautelar do cargo de desembargador de Divoncir Schreiner Maran até 06/04/2024, data em que completará 75 anos (...)” consta no despacho de 2 de fevereiro, assinado pela ministra. Além disso, o magistrado foi proibido de ter acesso ao tribunal, de manter contato com os funcionários e utilizar os serviços prestados pelo TJMS.

Como Divoncir Maran já se aposentadoria por idade, o afastamento acelerou o processo do fim das atividades no TJ. Desde a decisão, as funções na 1ª Câmara Cível e na 1ª Seção Cível foram assumidas pelo juiz de direito substituto em segundo grau Waldir Marques.

Benefício - Em 21 de abril de 2020, ainda no início da pandemia do coronavírus e feriado de Tiradentes, Palermo foi enquadrado no grupo de risco para a covid-19 e obteve prisão domiciliar, com monitoramento eletrônico. A decisão foi dada durante o plantão de Maran.

No habeas corpus, a defesa alegou que Palermo tinha mais de 60 anos, sofria de diabetes, hipertensão e por isso corria risco de contrair a covid na prisão.

A suspeita é que o desembargador tentou fazer um “pé de meia” antes da aposentadoria. A PF havia pedido afastamento sob alegação que Maran pudesse praticar outros crimes, além de destruir provas e ameaçar testemunhas.

A conduta envolveria um esquema criminoso entre servidores do TJ, familiares e amigos próximos do desembargador. No total, nove foram alvo de busca e apreensão, entre eles, os três filhos do desembargador e a atual companheira.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias