ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Defesa pede anulação ao STJ de processo sobre execução de delegado

Aline dos Santos | 12/12/2016 12:26
Paulo foi executado em 25 de junho de 2013. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)
Paulo foi executado em 25 de junho de 2013. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Parado à espera de julgamento de pedido de anulação de sentença. Passados três anos, esse é o retrato do processo sobre a execução do delegado aposentado Paulo Magalhães Araújo, morto dia 25 de junho de 2013, em frente à escola da filha, em Campo Grande.

De acordo com o advogado Renê Siufi, há um recurso no STJ (Superior Tribunal de Justiça) pedindo a anulação do processo. Ele atua na defesa de José Moreira Freires, acusado de efetuar os disparos contra o delegado. “Mas não tem prova nenhuma disso”, afirma. José chegou a ser preso, mas está em liberdade.

No dia 30 de outubro de 2014, a Justiça determinou, por meio de sentença de pronúncia, que o guarda municipal José Freires e Antônio Benitez Cristaldo fossem a júri popular pela execução do crime de pistolagem. Não houve identificação do mandante.

De acordo com o MPE (Ministério Público do Estado), José, que era garupa de uma motocicleta, efetuou diversos disparos de revólver contra o delegado aposentado, que estava na rua Alagoas. Já Antônio foi acusado de fazer escolta em um carro para garantir o sucesso da execução.

Ainda conforme a denúncia, o condutor da motocicleta era Rafael Leonardo dos Santos. O corpo dele foi encontrado no lixão, na saída para Sidrolândia. A vítima foi decapitada e a identidade foi esclarecida por meio de exame de DNA.

De acordo com o advogado Givanildo Heleno de Paula, que atua na defesa de Antônio, o pedido de anulação de dados processuais foi feito primeiro ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). Mas diante de negativa, a defesa acionou o STJ.

“Entendemos que diversas situações dentro do processo são passíveis de nulidade. Não se permitiu ampla defesa e feriu o princípio do promotor natural, com designação do promotor do Gaeco [Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado]”, diz. A expectativa é que seja anulada a sentença de pronúncia.

Conforme consulta ao STJ, o recurso da defesa está concluso para julgamento desde 30 de setembro de 2016.

Livro – Professor universitário, Paulo Magalhães é autor do livro “Conspiração Federal”, que teve circulação proibida pela Justiça. No ano passado, o STJ negou ao traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, acesso ao conteúdo. O preso alegou que usaria informações da obra para falar de episódios ocorridos durante sua estada em Campo Grande.

A obra traz relatos de cinco ex-agentes federais com detalhes sobre o funcionamento da presídio na Capital e denúncias de irregularidades.

Nos siga no Google Notícias