A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

25/06/2015 14:50

Polícia ainda não tem pistas de mandante do assassinato de delegado

Filipe Prado e Edivaldo Bitencourt
Delegado foi executado ao pegar filha na escola no Jardim dos Estados (Foto: Arquivo)Delegado foi executado ao pegar filha na escola no Jardim dos Estados (Foto: Arquivo)

Após dois anos do crime, os acusados de matar o delegado aposentado Paulo Magalhães de Araújo, em 2013, ainda não foram a júri popular. O mais grave, apesar dos "esforços", a Polícia Civil não conseguiu pistas para chegar ao mandante do assassinato. 

O guarda municipal José Moreira Freires e Antônio  Benitez Cristaldo, acusados de executar o delegado, foram ouvidos em audiência na 2ª Vara do Tribunal do Júri, mas ainda não foram a júri popular e o processo segue em grau de recurso.

O advogado de José Freites, Renê Siufi, apontou que o processo foi para o tribunal e o acusado espera em liberdade até a decisão do juiz, assim encaminhado para o júri popular. “Ainda não tem um prazo para a decisão”, apontou.

Siufi disse que o guarda municipal está sendo julgado pelo crime de homicídio doloso qualificado, mas apontou que as provas são fracas. “O juiz alegou que há indícios da participação dele”, comentou.

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o inquérito foi finalizado, porém os acusados não quiseram apontar quem seria o mandante do crime.

No ano passado, a Justiça até chegou a determinar a inclusão do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), mas as investigações ainda não avançaram e seguem na estaca zero. O assassinato segue sem mandante. 

Crime - O delegado Paulo Magalhães aguardava na fila para buscar a filha na escola, por volta das 17h40 de 25 de junho de 2013, a duas quadras da sua casa, na Rua Alagoas, no Jardim dos Estados. Chovia e ele estava dentro do seu carro, quando o bandido chegou à porta e atirou ao menos seis vezes.

As balas quebraram o vidro do jipe do delegado e acertaram o tórax e a cabeça de Paulo Magalhães. Uma das balas entrou pelo pescoço e saiu pelo crânio, matando a vitima instantaneamente.

Acusado de matar delegado presta depoimentos e nega participação no crime
O guarda-municipal José Moreira Freires, um dos acusados pelo assassinato do delegado de Polícia Civil aposentado, Paulo Magalhães de Araújo, morto n...
Audiência sobre a morte do delegado Paulo Magalhães é adiada
A audiência sobre o caso do assassinato do delegado Paulo Magalhães de Araújo, que deveria ocorrer amanhã (7), na 2ª Vara do Tribunal do Júri de Camp...
Tribunal liberta guarda municipal acusado de matar Paulo Magalhães
O vice-presidente do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), desembargador João Batista da Costa Marques, em exercício no plantão do Ano N...
Delegados descartam ligação entre morto no lixão e Paulo Magalhães
Os responsáveis pela investigação do assassinato do delegado aposentado e professor universitário Paulo Magalhães descartam a ligação entre o crime e...


Para ter poder de mandar executar um delegado, só sendo politico.
isso obvio nesse país.
Esses dois sem nome sem expressão, vão segurar a bronca para não irem no mesmo caminho do delegado, sincero demais aonde andava.
Calaram ele!!
Medrosos esses que sabem e se calam.
A vida de vocês é uma mentira sempre, seus fracos corruptos.
 
Vilton Vera em 26/06/2015 10:27:36
Me parece muito simples a solução: Basta descobri quem faz o pagamento do advogado de sobrenome SIUFI. Tenho certeza que um guarda municipal não tem condições financeiras de pagar um advogado com este sobrenome. Outra dica: Investiguem a máfia que está no poder (direta ou indiretamente), nos últimos 20 anos, aqui no Estado...
 
Rafael em 26/06/2015 07:29:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions