ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Delegada pede prisão preventiva para pedreiro que mantinha família em cárcere

Bruno Chaves | 20/12/2013 17:35
Vítima deu adeus a casa onde viveu em condições precárias antes de ir ao abrigo (Foto: Marcos Ermínio)
Vítima deu adeus a casa onde viveu em condições precárias antes de ir ao abrigo (Foto: Marcos Ermínio)

O pedreiro Ângelo da Guarda Borges, 58 anos, que manteve a família em situação de cárcere e liberdade restrita, deve ter a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva. Segundo a delegada responsável pelo caso, Rosely Molina, da DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), ele deve ficar detido até o caso ser julgado.

“Fiz o auto de prisão em flagrante e representei pedindo a conversão para preventiva. Uma hora dessas já deve ter sido aceito”, disse. Ângelo foi indiciado por três crimes: sequestro e cárcere privado; lesão corporal; e ameaça.

Ainda conforme Molina, o inquérito policial está em andamento e deve ser concluído em 10 dias corridos, ou seja, até 29 de dezembro. “Estou aguardando a juntada do relatório psicossocial do Centro de Atendimento à Mulher e do abrigo para concluir o inquérito. Também preciso ouvir alguns parentes e vizinhos”, revelou.

Até o momento, o pai da vítima, uma vizinha e uma ex-patroa da dona de casa foram ouvidos pela polícia.

Acusado – Ângelo manteve, por 22 anos, a esposa Cira da Silva, 44, e quatro filhos, de 15, 13, 11 e 5 anos, em situação de cárcere privado. Segundo relatos, ele espancava a família todos os dias e dava apenas arroz para as crianças comerem.

A mulher e os filhos estão abrigados em uma casa de apoio do Estado. Eles devem permanecer no abrigo por um prazo de até 90 dias. De lá, a família deve seguir para a casa de Adão da Silva, 73 anos, pai de Cira e avô das crianças.

Nos siga no Google Notícias