A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

08/01/2016 10:48

DNA de filha de desaparecido pode revelar identidade de ossada em carro

Luana Rodrigues
A ossada foi encontrada dentro do porta-malas (Foto: Direto das Ruas)A ossada foi encontrada dentro do porta-malas (Foto: Direto das Ruas)

Um mês depois de um catador de latinhas encontrar uma ossada em um porta-malas de um carro, em uma estrada vicinal que dá acesso a pista de aeromodelismo, no minianel viário de Campo Grande, ainda não se sabe a identidade do corpo. A polícia aguarda o resultado do laudo da perícia e agora comparação do DNA encontrado na ossada com o da filha de Bruno Franco de Godoi de 26 anos,desaparecido desde o dia 26 de novembro, pode levar a identidade do corpo.

Conforme o delegado responsável pelo caso, Paulo Henrique Sá, da 7ª Delegacia de Polícia Civil, o motivo para o teste de DNA, é que uma sacola com documentos de Bruno e um boletim de ocorrência foi encontrada ao lado do veículo. "Por causa desses documentos, começamos a investigação pelo Bruno, no entanto, não é possível afirmar que se trata realmente dele, porque pela aparência dos ossos, a morte não é recente, mas a confirmação disso depende da perícia", explicou o delegado.

Bruno está desaparecido desde o dia 26 de novembro, quando a mãe dele foi até a delegacia registrar o desaparecimento do rapaz, já a ossada foi encontrada no dia 03 de dezembro. A mãe do rapaz já foi ouvida pela polícia, juntamente com a ex-namorada dele. As mulheres prestaram depoimento porque quatro dias antes de desaparecer, a vítima havia registrado um boletim de ocorrência alegando ter sido vítima de uma tentativa de homicídio. "Ele disse que o namorado de sua ex-esposa havia ido até a casa onde mora e atirado duas vezes contra ele, mas essa acusação estava sendo apurado ainda", pontuou.

Simulação de morte - Outra suspeita da polícia é de que houve simulação da própria morte neste caso. Conforme informações do delegado titular da 7ª delegacia, Geraldo Marim, os ossos encontrados no carro não "completam" um corpo humano e estão em um estágio avançado de decomposição. "Ficou muito claro que a cena não é comum. Portanto, alguém pode sim estar tentando forjar o acontecido para favorecimento próprio ou qualquer outro motivo", explicou o delegado.

No porta-malas do carro havia quatro pneus, indicando que o criminoso teria usado o método “micro-ondas”, onde envolvem a vítima com a borracha e ateiam fogo, para acelerar o processo de queimar o corpo. O veículo está no nome de Bruno, tem várias passagens pela polícia por crimes como estelionato, falsificação e porte de arma de fogo. "Vamos investigar o paradeiro dele, a origem da ossada e se o Bruno tem alguma relação com tudo que foi encontrado ontem", afirmou o delegado.

A família de Bruno contesta essa linha de investigação da polícia. Conforme a advogada da família, Mirella Prado, é remota possibilidade do Bruno ter forjado a própria morte."A família agarra-se até a última esperança, haja vista que não fora comprovado devidamente que trata-se de Bruno, não se apegando em mera suposições e especulações", afirmou.

Caso tenha forjado a própria morte, Bruno pode responder por comunicação falsa de crime, fraude processual e vilipêndio de cadáver. O caso será investigado pela 7ª Delegacia de Polícia, no Jardim Panamá, e pelo SIG (Serviço de Investigações Gerais) do Departamento de Polícia Civil.

Família contesta que homem forjou a própria morte ao queimar ossada
A família de Bruno Franco de Godoi de 26 anos contesta a linha de investigação da polícia de que houve simulação da própria morte por parte do rapaz ...
Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata com placas HTI-8594 assaltam ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro Coronel...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions