A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Outubro de 2018

28/09/2018 08:10

Em 1 mês, 3 agentes são agredidos e categoria pede para se armar

Para os plantonistas, a situação de tensão é reflexo da superlotação na unidade; o presídio tem quase quatro vezes mais presos que a capacidade

Anahi Zurutuza
Corte na mão de agente (Foto: Diretos das ruas)Corte na mão de agente (Foto: Diretos das ruas)
Ele precisou levar pontos (Foto: Direto das ruas)Ele precisou levar pontos (Foto: Direto das ruas)

Em menos de 30 dias, três agentes penitenciários que atuam nos plantões do Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho, o presídio de segurança máxima de Campo Grande, foram agredidos por presos e registraram ocorrências.

O Campo Grande News apurou que o primeiro caso foi registrado no dia 28 de agosto. O servidor foi atacado com pedrada por um interno que se recusava a sair da cela que, segundo os funcionários, passaria por uma vistoria de rotina.

No dia seguinte, outro detento teria arremessado uma marmitex no rosto de um agente e feito ameaças.

O terceiro caso aconteceu, ainda segundo os funcionários que pediram para ter a identidade preservada, na tarde desta terça-feira (25). O funcionário da guarda de plantão foi ferido com o “chucho”, espécie de faca artesanal, porque se recusava a deixar espaço onde depois servidores encontraram drogas.

Para os plantonistas, a situação de tensão é reflexo da superlotação na unidade. O presídio tem quase quatro vezes mais presos que a capacidade – hoje são 2,4 mil internos, enquanto o estabelecimento penal tem 650 vagas.

Em julho deste ano, clima ficou tenso no presídio e presos fizeram protesto em cima de caixa d'água; eles exigiam transferência de unidade (Foto: Marina Pacheco/Arquivo)Em julho deste ano, clima ficou tenso no presídio e presos fizeram protesto em cima de caixa d'água; eles exigiam transferência de unidade (Foto: Marina Pacheco/Arquivo)

Providências - Os casos foram comunicados ao Sinsap-MS (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de Mato Grosso do Sul).

De acordo com o presidente da entidade, André Luiz Santiago, um ofício já foi enviado à Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) e à Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) exigindo providências.

A entidade que representa a categoria pede que a capacitação, regulamentação e ampliação do uso de armas para demais servidores que não integram o Cope (Comando de Operações Penitenciárias), espécie de “tropa de elite” dentre os agentes penitenciários, treinada para agir em situações de maior risco. O Sinsap defende que os servidores possam portar as armas durante os plantões, dentro das unidades penais.

“Não existe segurança para abrir e fechar os pavilhões, fazer as vistorias ou socorrer um preso com problemas de saúde”, afirma o presidente e completa que os servidores estão desprotegidos. 

Por meio da assessoria de imprensa, a Agepen informou que não recebeu formalmente relatos de agressões recentes a agentes do presídio de segurança máxima. A agência confirma, contudo, que recebeu um requerimento do Sinsap e que irá analisar as possibilidades de regulamentar o uso de armas pelos servidores dentros das unidades penais.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions